Bloco da Laje lança projeto de financiamento coletivo no Catarse para o Carnaval 2016

Vivências artísticas de práticas corporais e canto, maquiagem artística, fantasias, sopros e batucada; acessórios personalizados, pocket show do grupo e muito mais estão entre as recompensas para quem apoiar o projeto.

Foto: Rudá de Melo e Henrique Santos

Que o Bloco da Laje é um bloco de carnaval que espalha arte, alegria e delírio nas ruas da cidade de Porto Alegre, muita gente sabe e até já viu de perto. Mas o que nem todos sabem é que o Bloco é formado por pessoas que acreditam na arte como agente transformador, que batalham pela ocupação dos espaços públicos por movimentos artísticos, que acreditam num mundo onde a liberdade, a diversidade, a autonomia, o improviso, a alegria e a arte tem espaço nobre no dia-a-dia. E é isso que faz esse coletivo vivo e pulsante e que aponta seu caminho, mesmo nas estradas tortuosas e situações adversas.

Foto: Rudá de Melo e Henrique Santos

O carnaval é uma delícia. É uma festa livre e plural que permite fazer a coisa mais séria desse mundo: brincar! Essa manifestação popular se reinventa de tempos em tempos e Porto Alegre viu renascer o carnaval pulsante em suas praças, ruas e parques há alguns anos. O Bloco da Laje contribui, e muito, com seu delírio na retomada desse movimento cultural tão saudável para a cidade. O coletivo de artistas, amigos e simpatizantes do carnaval de rua faz agora uma chamada para todos que acreditam no movimento e na proposta de colorir, teatralizar, cantar e ocupar as ruas na contramão da caretice reinante da vida moderna: lança um projeto de financiamento coletivo no CATARSE para que, no Carnaval 2016, o Bloco da Laje continue colorindo a cidade de forma independente e autônoma, como acredita que deve ser. O lançamento será dia 02 de outubro e quem quiser colaborar, terá até o dia 30 de novembro para fazê-lo, lá no portal do Catarse: https://www.catarse.me/pt/blocodalaje2016. No dia 04 de outubro, domingo, o projeto será apresentado oficialmente ao público em ensaio aberto na Redenção, às 10h.

“Queremos seguir com nosso Bloco de maneira autônoma para garantir que não existam atravessamentos em nossas escolhas quanto ao carnaval que queremos. Partimos do princípio que estar na rua é um ato político, então é muito importante poder escolher onde e como queremos brincar”, afirma o núcleo de produção da Laje. “O carnaval de rua está se transformando e crescendo a cada ano em Porto Alegre e todo esse movimento trouxe alguns questionamentos ao nosso coletivo. Para onde queremos crescer? É mais importante a quantidade de pessoas ou a intensidade da experiência? Quem organiza o carnaval? As questões nos movem e nos instigam a seguir um caminho novo, que passa por tentativas diferentes de financiar nossa saída carnavalesca e de nos relacionar com quem curte a Laje”, completam os integrantes do grupo.

Sobre as recompensas no Catarse:

Foto: Rudá de Melo e Henrique Santos

A maior recompensa desta vaquinha virtual será botar o Bloco da Laje na rua em 2016 com sua identidade e alegria peculiares ao grupo, comemorando o quinto cortejo de carnaval. As colaborações podem ser de qualquer valor a partir de R$ 10 reais, no entanto, a partir de R$ 25 reais é possível escolher outras recompensas como a oportunidade de participar das “Vivências Poéticas do Bloco da Laje”, mimos irresistíveis a participação de um momento histórico do Coletivo. A meta é atingir 23.448,00 até o dia 30 de novembro, valor que viabiliza a saída do bloco de forma independente no carnaval 2016, com segurança e infraestrutura para a população. As vivências artísticas serão ministradas no período de 07 a 18 de dezembro e tem o objetivo de aproximar ainda mais os brincantes famintos por carnaval. Oficinas de corpo, voz, fantasia, maquiagem, percussão e sopro todas orientadas pelos artistas que organizam o bloco desde 2011, são a “cereja do bolo” das recompensas. No final haverá um grande encontro entre os participantes das oficinas para troca de conhecimentos e um baile carnavalesco, no dia 19 de dezembro (o ingresso para o baile é uma das recompensas), comemorativo aos cinco anos de carnaval da Laje. Confira abaixo as vivências e suas características.

Corpo brincante – com Diego Machado, Juliano Barros, Julia Rodrigues e Thiago Pirajira
Carga horária: 8h /Vagas: 40
Que tal fazer do seu corpo instrumento de uma brincadeira coletiva? A vivência irá trabalhar conceitos teatrais que já vem sendo desenvolvidos dentro do Bloco da Laje no grupo dos brincantes. O ritmo, a presença, a relação espacial, o entendimento e a criação de códigos dentro da evolução do cortejo serão abordados.

Batucada na rua – com Por Vini Silva
Carga Horária: 8h /Vagas: 30
O objetivo desta vivência é apresentar os aspectos relacionados ao fazer rítmico e suas variações na criação musical, visando instrumentalizar e preparar o ritmista brincante. É batucando que se aprende. A descoberta dos primeiros sons possíveis, os jogos musicais de improvisação, percepção e pulsação de um bloco carnavalesco. Na vivência vão rolar exercícios básicos e, claro, o trabalho com as músicas que já viraram clássicos do Bloco da Laje. Não precisa ter conhecimento prévio de bateria nem ter instrumento, só precisa ter vontade de fazer parte do corpo colorido da bateria!

Maquiagem artística – com Juliane Senna
Carga Horária: 8h /Vagas: 40
As cores do Bloco da Laje estão no estandarte, nas fantasias e também na pele dos integrantes do grupo e simpatizantes. A vivência de maquiagem proporciona uma experiência criativa tendo a pele como meio de comunicação. A experiência da pintura facial e corporal oferece contato com a ancestralidade, traduz a identidade de um grupo e nutre a sensibilização dos indivíduos em relação a seus corpos.

Canto – com Zé da Terreira, Martina Fröhlich e Flávio Peres
Duração: 8h /Vagas: 30
A proposta aqui é vivenciar a prática dos fundamentos musicais relacionados às canções do Bloco da Laje. A partir da interpretação das letras e intenções das canções do Bloco e de análise técnica das músicas, o trio de facilitadores irá propor jogos coletivos.

Fantasia carnavalesca – com Francisco de Los Santos, Martina Fröhlich e Camila Falcão
Carga horária: 8h /Vagas: 20
A partir do compartilhamento de conhecimentos sobre a fantasia carnavalesca e sua função, os participantes dessa vivência terão oportunidade de criar e confeccionar suas próprias fantasias para a saída de 2016. Na vivência serão apresentadas noções básicas de modelagem e costura, seleção de materiais para confecção das fantasias e adereços, além de ser um espaço para descoberta da sua figura carnavalesca do ano. Lembrando que a originalidade do Bloco está na criatividade e diversidade dos foliões que compõem esta grande brincadeira!

Sopros – com Tomás Piccinini, Sant’anna e Leonardo Bohn
Carga horária: 8h /Vagas: 25
A ideia é mostrar como a fanfarra do Bloco da Laje se coloca musicalmente no grupo, entendendo os princípios da técnica dos instrumentos, dos arranjos das músicas, e mais essencial e principalmente, de como é brincar sendo um “soprante”. São dinâmicas em grupo como danças, jogos musicais, interações cênicas, buscando uma unidade a esse grupo que está nascendo com as cores do bloco. O único requisito para participar deste núcleo é possuir seu instrumento de sopro e vontade de colar com o Bloco!

Sobre o Bloco da Laje:

Foto: Rudá de Melo e Henrique Santos

O Bloco da Laje surgiu em 2012 da vontade de um grupo de amigos ligados às artes de brincar o carnaval nas ruas de Porto Alegre. A dinâmica desde o início foi contemplar os afetos e as trocas presenciais em ensaios abertos nos espaços públicos e aproveitar os recursos disponíveis – a tal da estética do improviso. Cada vez mais pessoas foram se aproximando e hoje o Coletivo é uma grande família, onde cerca de 100 pessoas estão envolvidas diretamente no trabalho que acontece durante o ano todo. Quem orquestra este delírio purpurinado e assina a direção artística do Bloco da Laje hoje é o grupo formado por Diego Machado, Júlia Rodrigues, Juliano Barros, Thiago Lázeri, Francisco de los Santos, Martina Fröhlich e Tiago Pirajira. A brincadeira cresceu tanto que hoje o Bloco da laje é considerado um movimento artístico-cultural da cidade, e levou cerca de sete mil foliões para as ruas no Carnaval 2015. O Bloco foi contemplado em 2013 com o Fundo de Apoio à Cultura (FAC) do Governo do Estado do Rio Grande do Sul, quando realizou um mergulho na história do Carnaval de Rua de Porto Alegre com seminários, oficinas e dois cortejos em territórios carnavalescos tradicionais da cidade: o Quilombo do Areal da Baronesa e antiga Colônia Africana. Outro reconhecimento do trabalho realizado foi o I Prêmio Diversidade RS ao qual o Bloco foi contemplado na categoria Carnaval de Rua.

Para conhecer um pouco mais o Coletivo acesse:
https://www.facebook.com/Bloco-da-Laje-294884917238312/timeline/

Para saber sobre as demais recompensas, acesse:
https://www.catarse.me/pt/blocodalaje2016

Fonte: Bebê Baumgarten /BD Divulgação