Empresa é classificada para restauro do Sete de Abril em Pelotas

A Construtora Biapó Ltda. foi a única habilitada à restauração do teatro histórico. O valor da proposta, conhecida nesta sexta, é de pouco mais de R$ 6 milhões — quase R$ 300 mil abaixo do teto da licitação.

Na tarde desta sexta-feira (12), na Secretaria da Fazenda (SMF), a Comissão Permanente de Licitação da Prefeitura de Pelotas, abriu o envelope com a proposta da única empresa habilitada a realizar a nova etapa da obra de restauração do Theatro Sete de Abril: a Construtora Biapó Ltda, de Goiânia, se propõe a executar a recuperação da estrutura do prédio, prevista no edital, por R$ 6.083.997,61 – o teto para essa etapa, previsto na licitação, era de R$ 6.380.000.

Quatro empresas responderam ao edital lançado no final de março desse ano e três delas não passaram pela fase de habilitação, realizada pela Procuradoria Geral do Município (PGM), por não apresentarem toda a documentação exigida.

No ato de abertura da proposta, esteve presente o secretário de Cultura, Giorgio Ronna. A seguir, a planilha com a proposta da Biapó passará por uma análise final de equipes da Secretaria de Cultura (Secult) e da PGM.

Os recursos a fundo perdido (quando o valor não precisa ser devolvido) para a realização da obra vêm do Ministério da Cidadania, por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Cidades Históricas.

Experiência em restauro
Fundada em 1989, a Biapó iniciou sua trajetória no restauro em 1994, quando foi convidada a restaurar o Museu de Arte Sacra da Boa Morte – foram seus primeiros trabalhos de restauração artística. A partir de então, a Biapó seguiu um período de grande atividade na área de restauração, tanto em Goiás quanto em outros estados brasileiros, por meio de licitações e projetos.

Entre os principais restauros realizados, destacam-se: a Igreja de São Benedito, no Tocantins; a Igreja de São Francisco na Pampulha, em Belo Horizonte, obra emblemática do modernismo brasileiro, com arquitetura assinada por Oscar Niemeyer e painéis de azulejo de Cândido Portinari; e o Santuário Bom Jesus de Matosinhos, Congonhas (MG), referência em patrimônio histórico do País, obra contratada pela Unesco.

Por: Joice Lima
Fonte: pelotas.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *