O Caminho das Águas

A consciência da pintura de James Duarte na participação do projeto Arte no Muro em Pelotas.

Por: Lucian Brum

Sentados à mesa redonda do café Aquários, conversávamos sobre a abrangência de pinturas expostas em murais devido a possibilidade de acesso a todos que passam na rua para o contato com arte. Fazia poucos dias que o James Duarte tinha recebido a notícia sobre a seleção do projeto Arte no Muro II, com seu nome relacionado. O artista bebericava seu café quase puro e fixava o olhar nos movimentos do outro lado do vidro, parecendo refletir sobre o compromisso da arte em sua vida.

O projeto Arte do Muro pretende revitalizar a orla portuária. Uma primeira ação foi introduzida na rua Conde de Porto Alegre. Nessa segunda, seis artistas estão preenchendo o muro acústico na lateral do Terminal do Porto de Pelotas (TPP), na rua João Pessoa. As atividades foram organizadas pela Otroporto e promovidas pelas empresas Sagres e CMPC Celulose Riograndense. A temática proposta para a pintura dos painéis foi Águas/Pessoas, assim, James Duarte procurou produzir uma obra “que se relacionasse com a comunidade do entorno, pois serão as pessoas que vão passar por ali naturalmente que reconhecerão na pintura elementos do seu cotidiano”, declarou.

Usando rolo encaixado no extensor, o artista estava contornando seu desenho com um azul esverdeado chamado Joia de Netuno. Era o terceiro dia de pintura. O sol batia intenso sobre o muro provocando tamanho brilho contido apenas com óculos escuros. Para James, o projeto o estimulou a voltar a desenvolver sua arte na rua, onde seu efeito permite uma resposta direta. Um guri, com um cadarço em volta do pescoço e uma chupeta amarrada na ponta, se aproximou e brincou com um dos pinceis do artista. Mirou o desenho com um olhar de dúvida, e logo voltou correndo para sua casa nas Doquinhas.

Se não tem um impacto imediato, em longo prazo, pode estimular crianças a despertar interesse por arte”, desabafou o artista. O título da obra exposta no muro é O Caminho das Águas. Segundo James, houve um esforço pra que a pintura provocasse representatividade para a comunidade, mostrando que “arte tenta abranger e não excluir”.

Retrato James Duarte

No decorrer em que o sol ia se pondo, o artista foi terminando o preenchimento com o rolo. No canto direito da pintura, há a proa de um barco e no costado do casco escrito a palavra – Coragem. Olhando para o seu trabalho, James explicou: “A coragem é uma mensagem de resistência, seja no contexto onde está a pintura, seja para os artistas que buscam à sua maneira transformação”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *