X Festival da Fronteira divulga premiados

O documentário português “O Labirinto da Saudade”, de Miguel Gonçalves Mendes, levou o troféu São Sebastião de melhor longa do 10º Festival Internacional de Cinema da Fronteira, realizado de 27 de novembro a 2 de dezembro em Bagé (RS), Livramento (RS) e Rivera (Uruguai).
.
Cuadros en la Oscuridad – Maico Pradal ator – crédito: Cuevas de Altamira Producciones

Outro destaque anunciado na noite de sábado (1) foi o longa-metragem “Cuadros en la Oscuridad” de Paula Markovitch. A cineasta argentina recebeu melhor direção, enquanto seus protagonistas: o ator mirim Maico Pradal e Alvin Astorga dividiram a estatueta de melhor ator.

Rasga Coração – crédito Fabio Rebelo – Globo Filmes

O gaúcho “Rasga Coração”, de Jorge Furtado, levou o prêmio popular. A jovem Natália Molina ganhou melhor atriz por “Meio Irmão”O documentário “Humberto Mauro”, dirigido pelo sobrinho-neto do cineasta pioneiro, André di Mauro, recebeu menção honrosa. Na mostra internacional de curtas, foram laureadas as produções brasileiras “Inconfissões” (melhor filme) de Ana Galizia“Boca de Fogo” (direção), de Luciano Pérez Fernández, e “A Sombra Interior” (menção honrosa), de Diego Tafarel. Outro título que recebeu menção honrosa foi o paraguaio “Raquel”(2018), de Tania Cattebeke. Também foram premiados curtas da mostra regional e mostra universitária Unipampa.

O festival foi uma realização da Associação Pró Santa Thereza e Centro Histórico Vila de Santa Thereza, com financiamento do Ministério da CulturaFundo Setorial do Audiovisual e BRDE, promoção das prefeituras de Bagé e Livramento Rivera, com apoio institucional da UrcampUnipampa e Udelar Mais informações no site fb.com/festivaldafronteira.
Zoravia Bettiol e Roger Lerina (ao fundo) – crédito Ana Paula Ribeiro

A homenageada da 10ª edição foi a artista plástica porto-alegrense Zoravia Bettiol (83) que, além do troféu, foi agraciada com a première mundial do longa “Zoravia”, de Henrique de Freitas Lima e, ainda, uma exposição paralela. Outro momento emocionante foi a sessão especial de “A Cabeça de Gumercindo Saraiva”, de Tabajara Ruas. O filme foi um dos últimos trabalhos do gaúcho Leonardo Machado (1976-2018), personalidade celebrada pelo evento. Outro nome reverenciado foi o de Luiz Coronel (80), escritor bageense. A cerimônia de premiação foi encerrada com o espetáculo intimista Elis & Tomda cantora gaúcha Adriana Deffenti, acompanhada do pianista Leonardo Bittencourt. Há dez anos ininterruptos, o Festival da Fronteira traz gratuitamente uma programação única de filmes inéditos e atividades culturais diversas à cidade de Bagé. Neste ano trouxe o diferencial de ocupar a Fronteira da Paz, Livramento e Rivera (Uruguai), em seus dois primeiros dias. Logo após, migrou para sua cidade-sede, onde prosseguiu até o domingo (2). 

Como nas edições anteriores, o evento trouxe, além da exibição de filmes, a tradicional troca de experiências com personalidades reconhecidas do cinema de língua latina. Paula MarkovitchMaico PradalJorge FurtadoAndré di Mauro Natália Molina marcaram presença nas cidades onde o festival se desenvolveu. Também compareceram o crítico belga radicado no Brasil Jean-Claude Bernardet, patrono do festival, o ator George Sauma (“Rasga Coração”), a preparadora de elenco argentina Nara CarreiraFelipe Nepomuceno (de “Eduardo Galeano Vagamundo”, exibido fora de competição), Fernando Alves Pinto (“Terra Estrangeira”), Tabajara RuasLigia Walper (“Gumercindo Saraiva”)Henrique de Freitas Lima, entre outros. Com produção da Anti Filmes, o festival tem direção artística de Zeca Brito e contou com curadoria do jornalista Roger Lerina (longas) e dos cineastas Frederico Ruas e Maria Elisa Dantas (curtas). “O Festival da Fronteira é hoje uma ideia repleta de gestos e afetos”, define Brito. “Ele aponta um caminho de desenvolvimento econômico e social através do audiovisual. Muito além de um evento turístico, consolida-se como um espaço de pensamento, reflexão e saber”, complementa o cineasta bageense.

 

Mostra Internacional de Longas
Melhor Filme: “O Labirinto da Saudade”, de Miguel Gonçalves Mendes;
Melhor Direção: Paula Markovitch, “Cuadros en la Oscuridad”;
Menção Honrosa: “Humberto Mauro”, de André di Mauro;
Melhor Ator: Alvin Astorga e Maico Pradal, “Cuadros en la Oscuridad”;
Melhor Atriz: Natália Molina, “Meio Irmão”;
Júri Popular: “Rasga Coração”, de Jorge Furtado.

Mostra Internacional de Curtas
Melhor Filme: “Inconfissões” de Ana Galizia;
Melhor Direção: Luciano Pérez Fernández, “Boca de Fogo”;
1ª Menção Honrosa: “A Sombra Interior”, de Diego Tafarel;
2ª Menção Honrosa: “Raquel” (2018), de Tania Cattebeke.

Mostra Regional
Melhor Filme: “O Fantasma do General”, de Humberto Petrarca;
Melhor Ator: Juan Castro, “Despertando para Preservar”;
Melhor Atriz: Nilva Jardim, “O Ladrão”;
Melhor Direção: Bibiana de Carvalho, “Eremita”;
Menção Honrosa: “Intraprojeção”, de Camila Albrecht Freitas e Takeo Ito.

Mostra Universitária Unipampa
Categoria I – Audiovisual

Vídeo Institucional
“VT Agricultura Familiar de São Borja”, de Larissa Fabiane Thomas;
“Universidade Federal do Pampa – Unipampa – Campus São Borja”, de Giulia C. Junges; 

Vídeo Reportagem Jornalística
“Doação de Sangue”, de Nádia Martins;

Vídeo Vinheta
“Como seria a Vida sem a Unipampa?”, de Diogo Ferreira;

Categoria II – Cinema

Ficção
“A Cúpula”, de Fredericco Restori;
“Persona”, de Maria Luísa Viana;

Documentário
“Unipatas – Meu amigo sem Teto”, de Suêldes Kalew Félyx;
“Escola Bidart: A Arborização Fazendo a Diferença na Prática Escolar”, de Diogo Ferreira.

Fonte: Isidoro B. Guggiana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *