Com rock visceral e cru, Oficina Beatnik lança seu primeiro EP

Com apenas um ano de atividade, o trio pelotense Oficina Beatnik já conta com um grande número de shows realizados e muitos quilômetros rodados. Agora, a banda apresenta seu primeiro registro de estúdio.

Três músicas do EP de estreia, que leva apenas o nome da banda, já estão disponíveis para audição na página do facebook. O primeiro single, “Dinamite”, foi lançado no último dia 14. Na sequência, o grupo apresentou do som batizado “Paulada” e essa semana a faixa “No fundo é sempre cada um por si”. Após o lançamento de todas as quatro canções, o trabalho completo será disponibilizado nas principais plataformas digitais de streaming.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Baterista e vocalista do trio, Eduardo Guerra Machado, conta que lançar o trabalho de forma “parcelada” é uma tentativa de dar uma atenção maior a cada faixa. O EP foi gravado no A Vapor Estúdio, com mixagem e masterização de Lucas Roma. Todo instrumental foi registrado de forma ao vivo, em 2 ou 3 takes. Apenas o vocal foi gravado separadamente. Esse método, segundo Eduardo transmite um pouco melhor a energia do som do power trio.

Da garagem para estrada

Show em Maringá - Foto Divulgação
Show em Maringá – Foto Divulgação

Apesar de já acumular na bagagem diversos shows pela cidade e ter realizado três turnês, a Oficina Beatnik está recém completando seu primeiro ano de atividade neste mês de junho. Segundo Eduardo Machado, tudo começou após ele comprar uma bateria, seu instrumento de origem. Junto com seu parceiro musical, o guitarrista Yuri Barbosa (os dois são responsáveis pelo projeto shaka bullets desde 2015), começaram os ensaios. Para o baixo foi recrutado o baixista e vocalista Wysrah Moraes de Souza, que também integra a banda Mato Cerrado e já era parceiro musical da dupla.

O trio começou com covers de bandas consideradas referências, como Led, Deep Purple e Pink Floyd. O convite para um show de estreia no Pub Sherlock fez com a banda definisse um repertório, incluindo composições próprias que estavam engavetadas.

obDesde o início, o trio já tinha a pretensão de circular por outras cidades. Com um outro projeto, Yuri e Eduardo já haviam realizado uma turnê e pegado gosto pela estrada. Assim, entre agosto e setembro do ano passado, a Oficina Beatnik realizou sua primeira tour, que incluiu diversas cidades dos estados de Santa Catarina e Paraná. Foram mais de 4 mil quilômetros percorridos em 20 dias e 11 shows no total.

A banda realizou ainda mais duas turnês, uma em novembro do ano passado e outra em janeiro deste ano. Eles já adiantam que em agosto, a banda subirá novamente o litoral catarinense, para mais três shows, divulgando o EP e um road-doc com imagens captadas na primeira viagem. Sobre essas experiências de estrada, Eduardo afirma que apesar de todos contratempos: “correria, comendo em beira de estrada, noites no carro cheio de equipamentos, dormindo torto”, após subir ao palco e ter contato pessoal com o público, “tudo se paga”. “Somos uma banda de garagem, que, acima de tudo, ama tocar”, resume ele.

Banda chinesa de hardcore Struggle Session em Pelotas

Em sua primeira turnê pela América Latina, quarteto formado em Pequim fará show em edição do Bokada Festival nesta quinta-feira, 28 de julho de 2018. O evento, que contará ainda com três bandas pelotenses, começa às 19h no Galpão Satolep.

Struggle Session em ação na Coréia - Foto Divulgação
Struggle Session em ação na Coréia – Foto Divulgação

Formada na capital chinesa, em 2016, a Struggle Session reúne integrantes que participam de outros projetos musicais de diferentes países. “De quatro cantos do mundo, eles se uniram por uma afinidade compartilhada pela música rápida”, destaca a descrição da banda. O som praticado pelo quarteto é rápido e agressivo, com apresentações performáticas e caóticas. Vídeos que comprovam isso podem ser vistos na página (https://www.facebook.com/StruggleSessionHC), ou no mini-doc realizado durante a turnê por Marrocos e Espanha:

A noite, que promete ser de muito barulho na rua José do Patrocínio, terá ainda três representantes pelotenses da música pesada: o duo de stoner instrumental Natora Noise, o hardcore energético da Suburban Stereotype e a Postmortem, que conta com quase 15 anos de muito death metal na bagagem.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

União que fez a diferença
Em 2017, a Struggle Session lançou um LP em conjunto com a banda Die!ChiwawaDie! da cidade chinesa de Guangzhou. No começo deste ano, o lançamento foi um split com a banda coreana Arryam. Agora, o quarteto chinês faz sua primeira turnê pela América Latina. O primeiro dos 33 shows foi em São Paulo, no último dia 22. De Pelotas, eles seguem para a capital uruguaia, onde tocam já na sexta. A passagem deste lado do Atlântico inclui ainda paradas na Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Panamá.

A turnê latina coincide com o lançamento de um novo split de 7 polegadas com o duo brasileiro de grindcore T.E.S.T., que sai pelo selo Genjing Records. Aliás, foi por intermédio de João Kombi, vocalista e guitarrista do T.E.S.T., que a banda de Pequim chega a Pelotas. O duo paulista já tocou nestes pagos em evento promovido por Marcelo Rubira, proprietário do Estúdio Bokada e organizador do festival de mesmo nome.

Além de “um teste de resistência”, a banda enxerga esta tour como uma chance de entrar em contato com pessoas que estão trabalhando dentro de comunidades DIY de cada país. Com isso, eles pretendem criar uma série de documentários com as imagens captadas em cada país. Para concretizar este trabalho, foi lançado uma campanha de colaboração (veja detalhes aqui). “Todo mundo ganha, todo mundo aprende, todo mundo fica um pouco mais punk”, resumem.

Bokada Festival com Struggle Session
Quando: 28/06, quinta, 19h
Onde: Galpão Satolep – Rua José do Patrocínio, 8 – Pelotas RS
Quanto: R$ 15,00
Evento: https://www.facebook.com/events/1669108986471927/

Be Livin fará show nesta segunda em Pelotas

Com disco novo prestes a ser lançado, Be Livin fará show nesta segunda no Sete ao Entardecer.

O reggae da banda Be Livin será a atração na edição desta segunda-feira (25) do projeto Sete ao Entardecer. O grupo se apresenta às 19h30 no Pátio 1 do Mercado Central de Pelotas.

Na ativa desde 2005, a Be Livin tem o foco no trabalho de músicas próprias. Em 2014, lançaram seu primeiro disco, “Evolução pela Palavra”. O sucessor está em fase final de produção e tem previsão de lançamento para o mês de agosto. Dois singles deste novo trabalho, as faixas “Valores” e “Honra”, já podem ser conferidos nas principais plataforma digitais.

O novo álbum batizado de “Ileso” conta com a mixagem, produção e direção musical de Ricardo Vidal, produtor conhecido por trabalhar com a banda carioca O Rappa durante mais de 20 anos. O disco foi gravado no estúdio A Casa da Jade, em Camaquã por Chicão Waskow e masterizado por Ricardo Garcia do Magic Master-RJ.

Ampliando horizontes

Mesmo em meio as gravações do novo trabalho, a banda manteve uma agenda cheia de atividades no último ano. Foram dois videoclipes lançados, shows de abertura para O Rappa, apresentações em São Paulo e no programa Radar da TVE.

No mês passado, a Be Livin se apresentou no Imana Festival, que ocorre dentro Festa do Pinhão em Lages, Santa Carina. Para subir no mesmo palco que recebeu CPM22, Projota, SantoGraau e Bula, a banda pelotense venceu um concurso cultural promovido pelo Festival. “Tocar em uma grande estrutura e estar no mesmo palco de artistas renomados como Projota e CPM22 foi uma experiência única”, destaca a banda.

A atual formação da Be Livin conta com Eduardo Freda (vocal), Pedro Moraes (bateria), Ed Brum (baixo), Guilherme Rocha (teclado) e Rogers Lemes (guitarra). O show que vem sendo apresentado atualmente mescla músicas que fazem parte do primeiro disco, músicas que nunca foram gravadas, mas sempre fizeram parte do setlist, e ainda canções que estarão presentes no novo álbum.

Cinema nacional, argentino e norueguês no Cine UFPel

A programação desta semana no Cine UFPel começa nesta quarta-feira (23) com a exibição do longa-metragem “Oslo, 31 de agosto”. Na quinta (24) e na sexta (25), o espaço exibirá, respectivamente, o documentário “Menino 13” e o estreante argentino “Zama”.
 .
Todas as sessões começam às 19h e contam com entrada franca. A sala fica na rua Lobo da Costa, 447, esquina com Álvaro Chaves.
Divulgação
Divulgação

Em uma parceria com o SESC Audiovisual, o Cine UFPel abre a semana com o longa “Oslo, 31 de agosto”, do diretor norueguês Joachim Trier. O jovem cineasta, também responsável por Mais Forte que Bombas (2015) e Thelma (2017), chamou a atenção da crítica internacional em 2011 ao estrear o longa “Oslo, 31 de agosto” no Festival de Cinema de Cannes. O filme mostra um dia na vida de um jovem viciado em reabilitação, que consegue uma breve licença para deixar seu apartamento a fim de comparecer a uma entrevista de emprego e encontrar velhos amigos em Oslo.

Divulgação
Divulgação

A sessão Repescagem, que ocorre na quinta feria, traz um documentário que já foi exibido na sala de cinema da Universidade em 2017, durante a II Mostra Resgate. “Menino 23” (2016), do carioca Belisario Franca, foi vencedor do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro como Melhor Longa Documentário pelo Júri Técnico e pelo Voto Popular.

Divulgação
Divulgação

Nesta sexta, a estreia do Cine UFPel será com o longa argentino “Zama”. O filme de Lucrecia Martel foi o eleito como representante da Argentina para a candidatura de Melhor Filme Estrangeiro na última edição do Oscar. A sessão contará ainda com a exibição do curta-metragem brasileiro “Nunca é Noite no Mapa” (2016) de Ernesto de Carvalho.

Confira as sinopses:
Quarta-feira (23/05) 19h | Sessão SESC

Oslo, 31 de agosto
Dir.: Joachim Trier
(Noruega, Ficção, 2012, 1h35)

Trailer:https://goo.gl/BEuN49
Sinopse: Anders (Anders Danielsen Lie) está se recuperando do vício em drogas numa clínica de reabilitação em Oslo. No dia 30 de agosto ele ganha a permissão para sair da casa de tratamento para visitar seu amigo Thomas (Hans Olav Brenner) e ir em uma entrevista de emprego no centro da cidade. Durante seu dia e noite na cidade, Anders será confrontado com seus erros do passado e irá refletir sobre sua própria existência.
Classificação: 16 anosQuinta (24/05) 19h | Sessão Repescagem

Menino 23
Dir.: Belisário França
(Brasil, Documentário, 2016, 1h20)
Trailer:https://goo.gl/8q8qga
A partir da descoberta de tijolos marcados com suásticas nazistas em uma fazenda no interior de São Paulo, o filme acompanha a investigação do historiador Sidney Aguilar e a descoberta de um fato assustador: durante os anos 1930, 50 meninos negros e mulatos foram levados de um orfanato no Rio de Janeiro para a fazenda onde os tijolos foram encontrados.
Classificação: 12 anosSexta (25/05) 19h | Estreia
Zama
Dir.: Lucrécia Martel
(Argentina, Ficção, 2017, 1h55)
Trailer: https://goo.gl/PoZAL2
Sinopse: Zama, um oficial da coroa Espanhola, nascido na América do Sul, aguarda por uma carta do rei outorgando-lhe a transferência da cidade em que se encontra estagnado para um lugar melhor. Sua situação é delicada. Ele deve garantir que nada ofusque sua transferência. Zama é forçado a aceitar, submisso, cada tarefa a ele encomendada pelos sucessivos governadores que vão e que vêm enquanto ele é deixado para trás. Passam-se os anos e a carta do rei nunca chega. Quando Zama percebe que tudo está perdido, junta-se a um grupo de soldados que sai em busca de um perigoso bandido.
Classificação: 14 anosNunca é noite no mapa (curta)
Dir.: Ernesto de Carvalho
(Brasil, Documentário, 2016, 6min)
Sinopse: Que diferença faz para o mapa, se ele te contém? Um encontro frontal com o mapa, nos leva a um passeio pelos circuitos da simbiose entre o mapa e as transformações dos espaços na era do capitalismo digital. “O mapa não anda, nem voa, nem corre, não sente desconforto, não tem opinião. Pro mapa não há governo, não há golpe de estado, não há revolução”.

Monólogo As Horas Nuas é atração no Sete ao Entardecer desta segunda

Foto Divulgação
Foto Divulgação

A ‘Você Sabe Quem Cia de Teatro’ será a responsável pela apresentação desta segunda-feira (21) no Pátio 1 do Mercado Central, dentro do projeto Sete ao Entardecer. A atriz Aline Cotrim, sob direção de Thalles Echeverry, encena a peça “As Horas Nuas”, inspirada na obra de Lygia Fagundes Telles. A apresentação começa às 19h30 e tem entrada franca.

Publicado em 1989, o livro “As Horas Nuas” é o quarto e, até então, último romance da autora dos clássicos “As Meninas” e “Ciranda de Pedra”. O enredo traz como protagonista a atriz Rosa Ambrósi, que vive uma crise existencial em busca de sua identidade, negando valores sociais vigentes e não aceitando a velhice e o fim da carreira como atriz.

O monólogo, interpretado por Aline Cotrim, apresenta esta personagem decadente que, após ver sua promissora carreira ir pelo ralo, vive perdida em devaneios e lembranças do passado. Em cena, a atriz que possui uma tendência ao alcoolismo, relembra com amargura e autoironia seus amores e infortúnios.
Fundada em 2013, a Cia de teatro Você Sabe Quem é composta, principalmente, por acadêmicos e professores do curso de Teatro da Universidade Federal de Pelotas. Levando a arte por meio de montagens, esquetes e animações, o grupo busca, além de provocar-se na criação e experimentação teatral, uma troca e diálogo com o público para que todos possam compreender e mesmo experimentar o fazer teatral.

A temporada de 2018 do Sete ao Entardecer teve início na última segunda-feira, com a apresentação da banda Musa Híbrida. Na próxima segunda, dia 28, a atração do projeto será a banda reggae Solo Fértil. A lista completa de atrações selecionadas no edital desta primeira temporada do ano pode ser conferida em: http://www.pelotas.com.br/noticia/secult-divulga-selecao-da-1a-temporada-do-sete-ao-entardecer-2018.

Sete ao Entardecer 2018 – Você Sabe Quem Cia de Teatro
Quando: 21/05, segunda, 19h30
Onde: Mercado Central de Pelotas
Quanto: Gratuito
Evento: https://www.facebook.com/events/171400573558488/

cartaz
cartaz

Pimenta Buena faz show gratuito em Pelotas neste domingo

Em continuidade à Tour Ven, a banda Pimenta Buena se apresenta em Pelotas neste domingo (20/05) ao ar livre, na rua Três de Maio, em frente à Praça do Direito. O show é uma parceria com o Bar da Lua, que recentemente criou, e estará apresentando no dia, o drink “Pimenta Buena”.
.
Após marcar seu nome no cenário gaúcho, e até fora dele, entre os anos de 2007 e 2012, a Pimenta Buena passou por um hiato. No final de 2016, um show especial comemorativo aos 10 anos de banda foi realizado na Virada Cultural de Pelotas, marcando o retorno das atividades. Em janeiro deste ano, eles lançaram o single Ven, que dá nome a atual turnê. Mantendo as composições em espanhol, a nova música já aparece na programação de rádios de outros países.

O vocalista Vicente Botti explica que nas apresentações que o grupo vem realizando atualmente, além da canção nova, são apresentadas versões para música dos discos anteriores. Ele adianta ainda que o novo single, a ser lançado em breve, se chamará “Del Lado de Afuera”. O álbum novo ainda não tem nome definido, mas deve ser lançado em novembro deste ano. O trabalho foi aprovado no edital do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Procultura).

Foto: Wagner Sicca
Foto: Wagner Sicca

Além de Vicente, a banda conta ainda em sua formação com Daniel Finkler no baixo, João Corrêa na guitarra e André Chiesa na bateria. A apresentação no evento de rua começa às 20h30. Assinam a produção e a parceria do show: Bar da Lua e Pimentero Producciones, vídeos Chico Maximila, foto Felipe Campal, produção excecutiva Alexandre Mattos | Lua Nova, sonorização CIA dos Técnicos, arte Pablo Conde.

Pimenta Buena na Lua
Quando: 20/05, domingo, 18h30
Onde: Bar da Lua, Rua Três de Maio, 856
Quanto: Gratuito

Nova safra de compositores gaúchos em destaque

Foto: James SantosOs músicos e compositores João Ortácio, Pedro Borghetti, João Salazar e Poty estarão em Pelotas nesta quinta-feira (17/05), apresentando seus trabalhos no A Vapor Estúdio.
Com carreiras distintas, os quatro se unem para uma série de shows pelo estado, visando conectar novos públicos.
Vocalista e guitarrista da banda Renascentes, João Ortácio, que trabalha em seu primeiro trabalho solo, explica que a proposta de reunir quatro músicos apresentando suas composições em um único show foi uma maneira encontrada para viabilizar a circulação e chamar atenção para seus trabalhos individuais. “A ideia do show é apresentar as composições que nós temos sozinhos ou em parceria, fazendo arranjos inéditos, sem deixar de destacar o protagonismo do compositor”, resume.
Foto: Nícolas AlexandriniO show ocorre de modo acústico, com violões, baixo e elementos percussivos. Esse formato serve como um apoio já que “o foco é a composição e as vozes”, confirma Ortácio. A primeira apresentação no quarteto ocorreu na última semana no Bar Ocidente em Porto Alegre. Nesta quarta, a parada foi na praia do Cassino, no Camarim Arte&Cultura. Depois do show em Pelotas, Ortácio, Borghetti, Salazar e Poty têm compromisso na sexta (18) no Coach Pub Bar, em São Lourenço do Sul, e no domingo (20), no Café Fon Fon, novamente na capital gaúcha.
O evento no pátio do A Vapor Estúdio começa às 18h. Esta será a primeira edição do ‘Ao Vivo A Vapor’ com músicos que não fazem parte do cast do selo Escápula Records. Incentivando e dando espaço para a música autoral, o projeto que começou em janeiro deste ano, já recebeu Juliano Guerra, Musa Hibrida, Massimiliano e Kiai. Ainda em maio, o estúdio receberá o show do cantor Thiago Ramil, no dia 26.

Sobre compositores

João Ortácio – Cantor e compositor natural de Rosário do Sul/RS. Lançou com sua banda ‘Renascentes’ um disco em 2014. Lançará em 2018 um EP, seu primeiro trabalho solo. Ouça: https://goo.gl/mMW8ag

Pedro Borghetti – Natural de Porto Alegre. Instrumentista, cantor e compositor. Em fase de pré-produção de seu primeiro trabalho solo. Ouça: https://youtu.be/jvMKfN9htGw

João Salazar – Cantor, compositor e artista visual natural de Porto Alegre. Lançou em 2017 o EP ‘Entrópico’. Em 2018 lançará seu novo disco.  Ouça: https://youtu.be/vdyxtNZgmcM

Poty – Cantor e compositor natural de Jaguarão/RS. Lançou em 2016 o EP ‘Casa’. Em maio desse ano estará lançando seu novo disco. Ouça: https://goo.gl/84JCq5

Show Ortácio, Borghetti, Salazar & Poty 
Quando: 17/05, quinta-feira, 18h 
Onde: A Vapor Estúdio (Avenida Juscelino Kubitschek, 1368)
Quanto: R$ 20 (na hora, em dinheiro e cartões de débito e crédito)
a vapor

Mostra de Curtas da UFPel abre espaço para produção de alunos

O Cine UFPel recebe nesta semana mais uma edição da Mostra de Curtas produzidos por alunos da Instituição. Os trabalhos serão exibidos em dois dias de sessões, nesta quinta (10) e sexta (11).

ela dançaO projeto é uma realização dos cursos de Cinema de Animação e Cinema e Audiovisual da UFPel, sob coordenação dos professores Lanza Xavier e Guilherme da Rosa. No total, 21 curtas produzidos no segundo semestre de 2017 participam da Mostra.

Nos dois dias, as sessões começam às 19h, no Cine UFPel (Rua Lobo da Costa, 447), com entrada franca. Após as sessões, haverá debate com os participantes.

Confira programação:

QUINTA – 10/05
– Lusco Fusco, dir. Caroline da Rosa
– Ela dançava, dir. Emmanuelle Schiavon
– Miguel Lima – Preciso de você, dir. Hércio Medeiros
– A inveja de Cléber, dir. Jefferson Nascimento
– Sono, dir. Felippe Sponton
– Asas de um anjo soltas pelo chão, dir. Pedro Tavares
– Acromático, dir. José Pedro Mello
– The king’s sword, dir. Isadora Coelho
– Midwest – Atemporal, dir. Felippe Sponton
– Andrômeda, dir. Emmanuelle Schiavon
– Um dia fora de tempo, dir. Valquíria Langone

SEXTA – 11/05
– Tempos de ditadura, dir. Vitor B. S.
– Minha barriga em três atos, dir. Amanda Trindade
– Pérola Negra – Guento, dir. Cassiano Rocha e Nicollas Silveira
– Insônia, dir. Ana Paula Ambrosano
– La vita segreta degli alberi, dir. Rowan Romeiro
– Fantástico imaginário, dir. Daniela Azeredo
– Marinas Found – VTF, dir. Vicente de Brito
– Cultkiller, dir. Dalton Lourence
– Jo-Ken-Po, dir. Rafael Damé
– O homem atrás da janela, dir. Naum Gomes

Mostra de Curtas UFPel
Quando: 10 e 11 de maio de 2018
Onde: Cine UFPel, Rua Lobo da Costa, 447
Evento: https://www.facebook.com/events/915432691970376/

Mato Cerrado estreia nova formação no Sofá na Rua em Pelotas

A edição de número 53 do Sofá na Rua, que será realizada neste domingo de Dia das Mães (13/05), será a primeira oportunidade de conferir a nova formação da banda Mato Cerrado em ação.

O evento terá ainda como destaques as apresentações do grupo de choro Sovaco de Cobra e do Slam Resistência, performance que inclui cantos e poesias, trazendo pautas de cunho social e racial.

O já tradicional evento pelotense começa às 15h, na rua José Do Patrocínio, entre Benjamin e Conde de Porto Alegre. O espaço contará com bancas de economia criativa, FoodTrucks, espaço para crianças e para prática de basquete de rua e, claro, o sofá.

Foto: Eduardo machadoMato Cerrado em nova etapa
Formada em Pelotas em 2010, a Mato Cerrado se estabilizou como um trio, com Yuri Marimon (Guitarra e Voz), Wysrah Moraes (Baixo e Voz) e Felipe Nobre (Bateria). Em janeiro deste ano, a banda fez o último show com a participação de Nobre, no Festival Revirada, em Santa Catarina. Por motivos profissionais, o baterista mudou-se para fora do estado, impossibilitando a permanência na banda.

Desde março, a Mato Cerrado vem ensaiando com o novo baterista: Stefano Rosa, também integrante do duo Célula Soul entre outros projetos. Yuri Marimon afirma que os ensaios com a nova formação estão sendo produtivos e intensos. “Nos fez revisitar as nossas músicas com novo tempero e possibilidades”, conclui.

A apresentação deste domingo terá o repertório baseado no álbum de estreia da banda, lançado em maio do ano passado (ouça aqui). Cópias físicas do CD estarão a venda no evento. O show também contará com novidades: “terá a estreia de uma música inédita e também a presença de outras músicas que estamos trabalhando para gravar este ano”, afirma Marimon.

Resistência em poesia
A data deste Sofá na rua possui um significado simbólico para o movimento negro. A Lei Áurea, que aboliu oficialmente a escravidão no Brasil, foi assinada em 13 de maio de 1888. Desde o início dos anos 80, a data é considerada pelo movimento negro como um dia nacional de luta contra o racismo.

O Sofá na Rua receberá na edição deste domingo o Slam Resistência, grupo representado por quatro poetas da Stay Black que atuam no movimento em Pelotas. Através de uma performance incluindo cantos e poesias, os integrantes buscam levar pautas de cunho social e racial com projeções e interações com o público.

Sofá na Rua #53
Quando: 13/04, domingo, 15h
Onde: José Do Patrocínio, 8, em frente ao Galpão
Evento: https://www.facebook.com/events/184576292189147/

Canguçu recebe, neste sábado, sétima edição do festival Rock Na Praça

O Clube do Rock de Canguçu promove, neste sábado (28), a 7ª edição do Festival Rock na Praça. O evento começa a partir das 15h, na Praça Acanguaçu (a antiga Praça dos Macacos).

O Festival começa com som acústico de Ana Júlia, Marina Hassan, Elias Floyd e Cristiano Cunha. Após sobem ao palco as bandas canguçuense: Nada+, CAOS, Beatlezinhos e Cabrones; e duas de Caçapava do Sul: Irvine e Amnésia Rock & Blues.

Embora já esteja em sua sétima edição, o festival enfrentou um hiato. O último foi realizado em 2014. Membro do Clube do Rock Canguçu, Tiérre Noremberg, comenta que alguns fatores como a troca de prefeito da cidade, com sua consequente reorganização no setor da cultura, e a própria dispersão dos membros do coletivo fez com que o Rock na Praça passasse pelo intervalo. “Esse ano decidimos voltar com o evento e fazer algo maior, já que a prefeitura novamente nos cedeu o espaço”, comemora Noremberg.

Além do espaço para as bandas locais, o evento também é uma forma de incentivar a ocupação dos locais públicos da cidade. O Rock na Praça busca a integração entre o público que curte Rock and Roll e ainda dar uma opção de entretenimento ao frequentadores habituais da praça.

Além dos shows, ainda há o atrativo das bancas: Under Rocks de Pelotas (Bottons, Chaveiros e Imãs); Hammerhead de São Lourenço do Sul (camisetas de bandas, séries, filmes), e diversas bancas de brechó, artesanato e comidas (com opção vegetariana).

O Clube do Rock não possui nenhum fim lucrativo e para realizar o evento conta com apoio da Prefeitura Municipal de Canguçu, Creare Soluções Gráficas, Xerox da Praça e Celier Escola de Música e Loja. E os patrocínios de: Loja Street Wear; Livraria Mil Letras; Mercado e Feira Heling; Barbearia Canguçuense; Comercial Buchweitz; Loja Trilha Urbana e Madame Eva Centro de Beleza.

VII Rock Na Praça
Quando: 28 de abril, sábado, às 15h
Onde: na Praça Acanguaçu (antiga Praça dos Macacos).
Quanto: Entrada Franca
Evento: https://www.facebook.com/events/167583604053950/