Adriana Calcanhotto “A Mulher do Pau Brasil” no Theatro Guarany em Pelotas

Dia 13 de setembro de 2018, quinta-feira, Pelotas recebe o novo trabalho de Adriana Calcanhotto. O show será realizado às 21h, no Theatro Guarany.

Com canções inéditas e releituras, show estreou em Portugal e vai percorrer cidades brasileiras nos próximos meses.

Foto: Catarina Henrique

‘A Mulher do Pau Brasil’ foi idealizado como ‘concerto-tese’, ou seja, uma conclusão da residência artística de ADRIANA CALCANHOTTO na Universidade de Coimbra, onde esteve nos últimos dois anos entre cursos e apresentações. A imensa repercussão do show gerou uma turnê que começou pela Europa e chegará a diversas cidades brasileiras a partir de agosto. Acompanhada por BEM GIL e BRUNO DI LULLO, Adriana
elaborou um roteiro com músicas compostas no período lusitano, releituras (a recente ‘As Caravanas’, de Chico Buarque, por exemplo) e também reencontra clássicos de seu repertório, como ‘Inverno’, ‘Vambora’ e ‘Esquadros’.

A inédita canção-título abre o show em tom autobiográfico (‘Nasceu no Sul / Foi para o Rio / E amou como nunca se viu’) e também retoma o nome de um espetáculo do início da carreira de Adriana (‘A Mulher do Pau Brasil’), ainda em Porto Alegre nos anos 80. Foi quando começou a ser instigada pelo ‘Manifesto da Poesia Pau Brasil’, do modernista Oswald de Andrade, e toda a sua influência no movimento tropicalista décadas depois. Tais temas sempre estiveram presentes em sua obra e ressurgiram com intensidade no período português.

Não à toa que ‘Vamos Comer Caetano’, composta para o disco ‘Maritmo’ (1998), foi retomada no repertório e sublinha o conceito antropofágico da apresentação, através da ideia de devorar, se apropriar e reinventar a informação que vem de fora.

‘Costumavam me perguntar se eu já tinha virado portuguesa e eu sempre respondia que não. Nunca me senti tão brasileira como agora’, conta Adriana, que foi nomeada Embaixadora da Língua Portuguesa da Universidade de Coimbra no final de 2015.

Antecipados já disponíveis!
Pontos de Venda:

Adriana Calcanhotto – “A Mulher do Pau Brasil” em Pelotas
Data: Quinta-feira, 13 de setembro de 2018
Hora? 21h
Local: Theatro Guarany – Pelotas RS
Abertura do Teatro: 20h
Duração: 1h15min
Censura: 12 anos
Meia entrada limitada a até 40% da lotação da casa

Ótica Lume – Rua Sete de Setembro, 376
Telefone: (53) 3026.2680

Venda on-line: http://www.blueticket.com.br/23028/Adriana-Calcanhotto-A-Mulher-do-Pau-Brasil/

Ingressos: (Valores atualizado aqui)

> Plateia Premium
R$ 190,00 – ingressos limitados inclui visita ao camarim

> Plateia GOLD
R$ 180,00 – inteira
R$ 90,00 – meia (Estudantes, Doadores de Sangue, 3ª Idade, Professores, PNE – Portadores de Necessidades Especiais)
R$ 150,00 – Clube BT / Assinante DIÁRIO POPULAR e Solidário Doação de 1 livro em bom estado

> Plateia SILVER
R$ 160,00 – inteira
R$ 80,00 – meia (Estudantes, Doadores de Sangue, 3ª Idade, Professores, PNE – Portadores de Necessidades Especiais)
R$ 130,00 – Clube BT / Assinante DIÁRIO POPULAR e Solidário Doação de 1 livro em bom estado

> Plateia ALTA
R$ 140,00 – inteira
R$ 70,00 – meia (Estudantes, Doadores de Sangue, 3ª Idade, Professores, PNE – Portadores de Necessidades Especiais)
R$ 110,00 – Clube BT / Assinante DIÁRIO POPULAR e Solidário Doação de 1 livro em bom estado

> Camarote Primeira Ordem R$ 400,00

> Camarote Segunda Ordem R$ 350,00

♦ Menores de 14 anos somente terão acesso ao evento acompanhados dos pais ou responsável legal.
♦ Idade mínima pagante: 3, sendo criança de colo, que não ocupe assentos.

Meia-entrada
♦ Em caso de falta de documento comprovante físico de Meia-entrada ou demais benefícios, oferecemos estrutura de bilheteria no local que possibilita a troca de meia-entrada para inteira, mediante o pagamento da diferença do valor. Para evitar transtorno na hora do acesso ao evento, faça essa troca com antecedência.
♦ A comprovação do benefício é feita com documentos originais (físicos) e válidos de acordo com a lei nº 12.993.
♦ Não serão aceitos comprovantes digitais.

Omze – um novo espaço cultural em Pelotas

Um espaço híbrido e orgânico, que busca integrar todas as tribos para trocar ideias, conhecimentos e energia. Conheça mais sobre o Espaço OMZE.

35924273_261631971052277_4997445747432488960_nCom uma proposta de unir pessoas, compartilhar momentos, trocar ideias, transmutar energias. Assim nasceu o espaço que usa a sala de casa para colocar suas ideias em prática de forma mutável e intimista, adaptando o local ao que está sendo proposto.

O Omze fica na rua Coronel Alberto Rosa, 200, no centro de Pelotas, e funciona de segunda a sexta com brechó e café, das 15hs as 19hs, e em horários alternativos conforme o evento, sempre encerrando as atividades no máximo as 22h.

Foto: Arquivo Espaço Omze
Santiago Passos, Zilladxg, Bartira Marques e Ana Julia Freitas – Foto: Arquivo Espaço Omze

Colaborativo
A equipe Omze busca parcerias para a realização de eventos de arte e cultura em geral, gastronomia, moda, ensino, prontos para ouvir diferentes propostas e ideias. A ideia é dialogar com a mensagem que a rua carrega.

“Queremos que nosso espaço abrigue as liberdades e formas de expressões da cidade. Com um ambiente acolhedor e organizado para que as ideias fluam e o público sinta-se em casa.” Equipe Omze

Confira aqui os próximos eventos do Espaço Omze.

Contato:
espacoomze@gmail.com
@espacoomze
facebook.com/espacoomze

Renã Burkert, o primeiro Pelotense a integrar o Cirque du Soleil

De Pelotas para o Mundo, Renã Burkert embarcou para a Alemanha no último dia 23 de junho, para integrar o espetáculo Sonor, onde passou pela montagem do novo número de Roda Cyr criado a partir de suas técnicas.

Iniciando em 2004 no grupo de Capoeira Filhos da Roda. Na sequencia Renã integrou o Grupo Tholl, fundou o grupo Conexão, entrou para o time de artistas do Beto Carrero Word e conquistou o 5º lugar no World Championships 2016 in Wheel Gymnastics.

Foto Arquivo Pessoal
Foto Arquivo Pessoal

Trajetória
Renã fez parte do grupo de capoeira Filhos da Roda durante 4 anos, saindo em 2007 quando entrou para o Grupo Tholl onde teve o primeiro contato com a Roda Cyr, e a partir daí começou a treinar e se dedicar a esta técnica, tendo suas primeiras lições através de vídeos da internet, pois na época era uma modalidade pouquíssimo conhecida no Brasil.

Beto Carrero - Arquivo Pessoal
Beto Carrero – Arquivo Pessoal

Em 2010 criou o Grupo Sincronia, que em seguida passou a se chamar Conexão, e ganhar espaço na cidade e região com animações a apresentações do espetáculo Eletro Cirque. Já em 2013, foi chamado para integrar os shows do Parque Beto Carrero Word onde ganhou visibilidade e intensificou sua rotina de treinamentos sempre buscando evoluir e aprimorar seu número solo.

5º lugar no World Championships 2016 in Wheel Gymnastics
5º lugar no World Championships 2016 in Wheel Gymnastics

No ano de 2016 com muita determinação e dificuldade conseguiu representar o Brasil no Campeonato Mundial de Rodas, em Cincinnati, EUA, conquistando o 5º lugar na modalidade Cyr Whee e colocando o Brasil como referência no topo da ginastica de Rodas.

Após o título do campeonato mundial Renã redobrou sua rotina de treinos pois queria ainda mais, sempre acreditou que precisava ser o melhor naquilo que se propôs desenvolver, foi quando em março de 2018 resolveu participar do teste para o Cirque du Soleil, sendo selecionado para integrar o núcleo de Casting.

Ranã - Cirque du Soleil
Ranã – Cirque du Soleil

No dia 19 de junho de 2018 recebeu um e-mail com instruções para assinatura de contrato e confirmação de dados de passagens, vindo a embarcar para a Alemanha do último dia 23 de junho para integrar o espetáculo Sonor, onde passou pela montagem do novo número de Roda Cyr criado a partir de suas técnicas, para ser apresentado em um cruzeiro pela Europa a bordo do navio na MSC Meraviglia em parceria com o Cirque du Soleil.

Renã sempre acreditou no seu sonho e mesmo achando que ele estava muito distante jamais deixou de dar o seu melhor e de valorizar cada passo dado para seu crescimento. Sempre soube agradecer os amigos e familiares que estiveram por perto nos momentos de desanimo e dificuldade, pois, sem o apoio destes nada seria possível.

Cirque du Soleil 3Hoje, realizado por esta conquista ele declara: “Acredito que Pelotas está no cenário mundial em muita coisa, mas no circo é a primeira vez. Tenho muito orgulho de entrar na história da cidade com um feito que sempre foi meu sonho. Obrigado Pelotas!”

Mesmo sabendo do seu alto grau de evolução nestes últimos anos sempre manteve os pés no chão e muita humildade para agradecer a todos aqueles que lhe ajudaram a subir cada degrau desde o seu início, e toda a vez que visita Pelotas aproveita para ver sua família e arruma um jeito de visitar seus velhos amigos.

É com muito orgulho que comprovamos o quão qualificado é este Pelotense e o quanto vale a pena lutar pelo que acreditamos. A realização deste sonho não é só do Renã, mas de todos que sempre acompanharam sua trajetória, acreditaram e torceram por ele.

Foto Arquivo Pessoal
Foto Arquivo Pessoal

Fonte: Débora Pinheiro

Com rock visceral e cru, Oficina Beatnik lança seu primeiro EP

Com apenas um ano de atividade, o trio pelotense Oficina Beatnik já conta com um grande número de shows realizados e muitos quilômetros rodados. Agora, a banda apresenta seu primeiro registro de estúdio.

Três músicas do EP de estreia, que leva apenas o nome da banda, já estão disponíveis para audição na página do facebook. O primeiro single, “Dinamite”, foi lançado no último dia 14. Na sequência, o grupo apresentou do som batizado “Paulada” e essa semana a faixa “No fundo é sempre cada um por si”. Após o lançamento de todas as quatro canções, o trabalho completo será disponibilizado nas principais plataformas digitais de streaming.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Baterista e vocalista do trio, Eduardo Guerra Machado, conta que lançar o trabalho de forma “parcelada” é uma tentativa de dar uma atenção maior a cada faixa. O EP foi gravado no A Vapor Estúdio, com mixagem e masterização de Lucas Roma. Todo instrumental foi registrado de forma ao vivo, em 2 ou 3 takes. Apenas o vocal foi gravado separadamente. Esse método, segundo Eduardo transmite um pouco melhor a energia do som do power trio.

Da garagem para estrada

Show em Maringá - Foto Divulgação
Show em Maringá – Foto Divulgação

Apesar de já acumular na bagagem diversos shows pela cidade e ter realizado três turnês, a Oficina Beatnik está recém completando seu primeiro ano de atividade neste mês de junho. Segundo Eduardo Machado, tudo começou após ele comprar uma bateria, seu instrumento de origem. Junto com seu parceiro musical, o guitarrista Yuri Barbosa (os dois são responsáveis pelo projeto shaka bullets desde 2015), começaram os ensaios. Para o baixo foi recrutado o baixista e vocalista Wysrah Moraes de Souza, que também integra a banda Mato Cerrado e já era parceiro musical da dupla.

O trio começou com covers de bandas consideradas referências, como Led, Deep Purple e Pink Floyd. O convite para um show de estreia no Pub Sherlock fez com a banda definisse um repertório, incluindo composições próprias que estavam engavetadas.

obDesde o início, o trio já tinha a pretensão de circular por outras cidades. Com um outro projeto, Yuri e Eduardo já haviam realizado uma turnê e pegado gosto pela estrada. Assim, entre agosto e setembro do ano passado, a Oficina Beatnik realizou sua primeira tour, que incluiu diversas cidades dos estados de Santa Catarina e Paraná. Foram mais de 4 mil quilômetros percorridos em 20 dias e 11 shows no total.

A banda realizou ainda mais duas turnês, uma em novembro do ano passado e outra em janeiro deste ano. Eles já adiantam que em agosto, a banda subirá novamente o litoral catarinense, para mais três shows, divulgando o EP e um road-doc com imagens captadas na primeira viagem. Sobre essas experiências de estrada, Eduardo afirma que apesar de todos contratempos: “correria, comendo em beira de estrada, noites no carro cheio de equipamentos, dormindo torto”, após subir ao palco e ter contato pessoal com o público, “tudo se paga”. “Somos uma banda de garagem, que, acima de tudo, ama tocar”, resume ele.

Longa “Disforia” realiza filmagens em Porto Alegre

Suspense gaúcho capta imagens na Capital até julho.

Making of - crédito Tuane Eggers
Making of – crédito Tuane Eggers

Porto Alegre serve de cenário para o longa “Disforia”, que está sendo rodado durante os meses de junho e julho. Realização da Sofá Verde e Epifania Filmes, o filme é a estreia na direção de longa-metragens de Lucas Cassales (“O Corpo”), que divide o roteiro com Thiago Duarte (“Bocheiros”). Mariana Mêmis Müller (“A Vida Extra-ordinária de Tarso de Castro” e “Filme sobre um Bom Fim”) assina a produção executiva. Suspense com elementos de terror psicológico, “Disforia” tem no elenco Rafael Sieg (“1 Contra Todos”), Vinícius Ferreira (“Carcereiros”), Ida Celina (“Chuteira Preta”) e a atriz mirim Isabella Lima (“Ida”). Maiores informações na página oficial do filme no Facebook. O filme tem previsão de lançamento para o segundo semestre de 2019.

Disforia - Ida Celina - crédito Arno Schuh
Disforia – Ida Celina – crédito Arno Schuh

A trama do filme conta a história do psicólogo Dário (Rafael Sieg), que carrega o trauma da morte da filha recém nascida. Enquanto volta a tratar crianças, precisa atender Sofia (Isabella Lima), paciente que traz à tona seus fantasmas do passado.  “‘Disforia’ é um filme sobre culpa”, resume Lucas Cassales.Não só a do protagonista, mas também das demais personagens e está inserida em seus contextos emocionais que tensionam suas ações e a própria narrativa”, complementa o cineasta porto-alegrense. Também na equipe do filme estão Richard Tavares (“Rifle”) e Mauricio Bispo (“Nós Montanha”), responsáveis pela direção de arte, Arno Schuh (“O Corpo”), direção de fotografia, e Martina Zanetello (“Para o que der e vier”), direção de produção.

Lucas Cassales - crédito Tuane Eggers
Lucas Cassales – crédito Tuane Eggers

Sobre Lucas Cassales
Natural de Porto Alegre, Lucas Cassales é graduado em Cinema na
PUC-RS e Mestre em Comunicação Social pela instituição. Roteirizou e dirigiu os curtas “Sofá Verde” (2010), “Sebo” (2009) e “Abismo” (2013). “O Corpo” (2015), seu quarto curta-metragem, foi exibido em festivais no Brasil, França, Argentina, Noruega e Islândia, e recebeu prêmios de melhor curta-metragem e de melhor fotografia na mostra nacional do Festival de Cinema de Gramado e o prêmio do júri da crítica na competição internacional Paris Courts Devant 2015, além de ser considerado o quinto melhor filme da lista dos melhores filmes de curta-metragem de 2015 da Associação Brasileira dos Críticos de Cinema (Abraccine). Também é criador e curador do Festival Diálogo de Cinema.

Fonte: Isidoro B. Guggiana

 

Yung Lixo – músico pelotense acumula mais de 4.7 milhões visualizações no Youtube

Conheça Polaroid, a música que já conta com mais de 614 mil visualizações no Youtube e saiba mais sobre seu autor, o gaúcho Yung Lixo.

Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Victor Schiavon, pelotense, 23 anos, começou no youtube em 2008 e viu seus acessos crescerem no começo de 2016 com o canal “gemaplys”. Victor faz músicas desde 2009, inicialmente de forma amadora e experimental, que foram melhorando com o tempo. Em 2017 conseguiu alguns produtores pra ajudar na qualidade e na sequencia lançou seu primeiro álbum oficial, tendo mais um em produção neste ano de 2018, pra sair ainda esse ano se tudo correr bem.

Yung Lixo
Victor define o estilo do Yung Lixo como rap em geral, tendo músicas do gênero trap, mas também músicas mais voltadas para lo-fi e outros estilos de rap. Polaroid foi a primeira música mais voltada para lo-fi e “sad” que o músico lançou, antes disso a grande maioria eram traps com foco em comédia. A letra de Polaroid, seu maior sucesso até o momento é mais séria e voltada a um lado sentimental.

Mesmo sem possuir uma ligação direta com o cenário musical pelotense, embora conheça alguns rappers da cidade por nome, Victor credita o pontapé inicial do Yung Lixo aos fãs do gemaplys, porém isso se deu em um momento muito inicial do canal, a partir disso os fãs se tornaram mais divididos. “Já fui parado na rua por uma pessoa que me conhecia apenas como Yung Lixo” revela o músico.

Victor acumula mais de 443 mil inscritos no canal GemaPlys, voltado para o mundo dos games e mais de 91 mil inscritos no seu canal musical Yung Lixo.

Aproveitamos a oportunidade para fazer uma rápida entrevista:

ecult: Desenhista, humorista, hacker, gamer, músico… São muitos os atributos que podemos encontrar na internet quando o assunto é Victor Schiavon. O que pode ser levado a sério e o que foi apenas uma fase?

Victor: Creio que eu comecei tudo como um passatempo, tudo que eu já fiz não passou de um teste de por pra frente coisas que eu gostava muito e me interessava em aprender. Não gosto de me rotular muito porque começo a me sentir meio prepotente, mas acredito que atualmente eu diria que estou melhorando em fazer vídeos e músicas, infelizmente a carreira de desenhista ficou pra trás um pouco, hoje em dia só desenho as miniaturas dos vídeos do meu canal.

ecult: Polaroid pode ser um “divisor de águas” na sua carreira?

Victor: Polaroid vai marcar a minha carreira musical por ter sido o primeiro pontapé em uma direção mais séria, que, incrivelmente, deu muito mais certo do que o esperado. Acreditei que os fãs das músicas cômicas ficariam chateados com a mudança repentina, mas a música foi muito bem vinda!

ecult:  O que podemos esperar do próximo disco de Yung Lixo?

Victor: Espero que coisas boas! Não fazemos nem ideia ainda de datas de lançamento nem nada parecido, estamos experimentando MUITO e isso leva um tempo. Não vai ser um álbum normal. Algumas músicas serão pesadas, puxando para um estilo voltado ao trap, enquanto outras serão no estilo lo-fi. Tem muita coisa misturada, nem sabemos ainda se vai funcionar ou ter uma estrutura aparente pra tanta coisa que estamos inventando. Vai ser rap e estamos dando nosso melhor pra que seja um álbum muito superior ao último. Isso eu posso garantir.

ecult: Não podemos esquecer o GemaPlys, quais os planos para o futuro do canal?

Victor: Putz… Essa é difícil… Pretendo manter o canal vivo por muito tempo ainda, se eu conseguir essa façanha. Trazer as coisas que eu gosto e que o pessoal gosta de ver e nunca deixar isso se transformar em um trabalho de escritório que me traga algo além de felicidade. Por enquanto tudo está incrível e acho que vai se manter assim por um bom tempo. Espero que sim.

Visite:
Yung Lixo e Gemaplys

“A Bela e a Fera – O Espetáculo” no Theatro Guarany em Pelotas

A Bela e a Fera – O Espetáculo, este maravilhoso musical chega em Pelotas no dia 1º de Julho de 2018, Domingo, às 19h no Theatro Guarany.

10928-aabelaaeaaaferaUma Mega produção com 20 integrantes, mais de 150 figurinos, 100% cantado ao vivo, uma carreta de cenários além de efeitos de tirar o fôlego. Um espetáculo com ballet e belíssimas vozes. Imperdível e livre para todas as idades.

A Bela e a Fera – O Espetáculo
Quando? 1º de julho de 2018 – Domingo
Hora? 19h
Onde? Theatro Guarany – Pelotas RS
Abertura do Theatro? 18h
Info/whats: (53) 99938-6510
Ingressos online: www.ingressonacional.com.br
Produção: Gama Produções
Realização: Bah! Entretenimento e Follow

Banda chinesa de hardcore Struggle Session em Pelotas

Em sua primeira turnê pela América Latina, quarteto formado em Pequim fará show em edição do Bokada Festival nesta quinta-feira, 28 de julho de 2018. O evento, que contará ainda com três bandas pelotenses, começa às 19h no Galpão Satolep.

Struggle Session em ação na Coréia - Foto Divulgação
Struggle Session em ação na Coréia – Foto Divulgação

Formada na capital chinesa, em 2016, a Struggle Session reúne integrantes que participam de outros projetos musicais de diferentes países. “De quatro cantos do mundo, eles se uniram por uma afinidade compartilhada pela música rápida”, destaca a descrição da banda. O som praticado pelo quarteto é rápido e agressivo, com apresentações performáticas e caóticas. Vídeos que comprovam isso podem ser vistos na página (https://www.facebook.com/StruggleSessionHC), ou no mini-doc realizado durante a turnê por Marrocos e Espanha:

A noite, que promete ser de muito barulho na rua José do Patrocínio, terá ainda três representantes pelotenses da música pesada: o duo de stoner instrumental Natora Noise, o hardcore energético da Suburban Stereotype e a Postmortem, que conta com quase 15 anos de muito death metal na bagagem.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

União que fez a diferença
Em 2017, a Struggle Session lançou um LP em conjunto com a banda Die!ChiwawaDie! da cidade chinesa de Guangzhou. No começo deste ano, o lançamento foi um split com a banda coreana Arryam. Agora, o quarteto chinês faz sua primeira turnê pela América Latina. O primeiro dos 33 shows foi em São Paulo, no último dia 22. De Pelotas, eles seguem para a capital uruguaia, onde tocam já na sexta. A passagem deste lado do Atlântico inclui ainda paradas na Argentina, Chile, Peru, Colômbia e Panamá.

A turnê latina coincide com o lançamento de um novo split de 7 polegadas com o duo brasileiro de grindcore T.E.S.T., que sai pelo selo Genjing Records. Aliás, foi por intermédio de João Kombi, vocalista e guitarrista do T.E.S.T., que a banda de Pequim chega a Pelotas. O duo paulista já tocou nestes pagos em evento promovido por Marcelo Rubira, proprietário do Estúdio Bokada e organizador do festival de mesmo nome.

Além de “um teste de resistência”, a banda enxerga esta tour como uma chance de entrar em contato com pessoas que estão trabalhando dentro de comunidades DIY de cada país. Com isso, eles pretendem criar uma série de documentários com as imagens captadas em cada país. Para concretizar este trabalho, foi lançado uma campanha de colaboração (veja detalhes aqui). “Todo mundo ganha, todo mundo aprende, todo mundo fica um pouco mais punk”, resumem.

Bokada Festival com Struggle Session
Quando: 28/06, quinta, 19h
Onde: Galpão Satolep – Rua José do Patrocínio, 8 – Pelotas RS
Quanto: R$ 15,00
Evento: https://www.facebook.com/events/1669108986471927/

Baile do Tim pela primeira vez em Pelotas

Dia 20 de julho de 2018, sexta-feira, Pelotas recebe o “Baile do Tim – O Show” às 22h no João Gilberto bar, homenagem alusiva aos 20 anos sem Tim Maia.

Já sonhou em estar em um show do Tim Maia? Baile do Tim – O Show te leva nessa viagem psicodélica e alucinante. Não é um cover. Não é um tributo. Não é um especial.
É Tim Maia Experience.

São duas horas de performance sem intervalos. Três partes, vinte músicas, todas
com arranjos absolutamente novos. Venha aproveitar todo o groove e o swing do eterno síndico da black music brasileira com toda a emoção e o sentimento que esse espetáculo merece.

Parte um
O show começa e logo aparecem a incrível técnica,
a grande qualidade musical e a dinâmica dessas feras.
A apresentação cresce com o público.

Parte dois
A parte mais romântica,
emocionante e sentimental
do baile. É a hora em que
lembranças, amor e corações
estão explodindo na plateia.

Parte três
O espetáculo vai se aproximando
da sua parte final é a vibe é agitada,
alegre, integrada e interativa.
timÉ a hora dos hits e da cena.
É a hora do BIS.

“Baile do Tim – O Show”
Quando? 20 de julho de 2018 – sexta-feira
Hora? pós 22h
Onde? João Gilberto Bar em Pelotas
Abertura: Banda Dona Dinnah
Evento no Facebook

“Baile do Tim – O Show” – Músicos
Dri Zampieri (Bateria)
André Seben (Guitarra)
Guilherme Rodrigues (Lead Vocal/Guitarra)
Hemerson Calandrini (Trombone)
João Raphael Heinzen (Baixo)
Emillyn Dayani (Backing Vocal)
Stefany Antunes (Backing Vocal)
Produtor Executivo: Roza Damiani
Engenheiro de Som: Rafael Pflanger
Assistente de Palco: Felipe Pimentel
Assistente de Produção: Bruna Damiani

36189044_2178081795553453_2842246207865094144_o

FRAPA 2018 – Festival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre divulga programação oficial

Maior festival do gênero da América Latina, Festival de Roteiro acontece de 17 a 20 de julho na Cinemateca Capitólio Petrobrás.

FRAPA Logomarca 2018 - crédito Leo LageFestival de Roteiro Audiovisual de Porto Alegre (FRAPA) anuncia sua programação para os dias 17 a 20 de julho na Cinemateca Capitólio Petrobrás (R. Demétrio Ribeiro, 1085).

Sexta edição do maior festival do gênero na América Latina, o evento traz à Capital gaúcha um número recorde de mais de 70 convidados de todo o país. Palestras, debates, workshops, concursos de roteiro, rodadas de negócios e mostra competitiva de curtas fazem parte da atração que reúne profissionais do cinema, TV e interessados.

O Bandido da Luz Vermelha - crédito Versatti Filmes
O Bandido da Luz Vermelha – crédito Versatti Filmes

Na abertura, será exibida a pré-estreia do longa “Alguma Coisa Assim”, com a presença dos diretores Esmir Filho e Mariana Bastos. Uma sessão comemorativa aos 50 anos de “O Bandido da Luz Vermelha”, de Rogério Sganzerla, encerra o festival. Com direção de Leo Garcia e produção executiva de Mariana Mêmis Müller, o FRAPA é uma realização da Coelho Voador e Epifania Filmes. Informações e programação completa no site http://frapa.art.br e pelo e-mail frapa@frapa.art.br.

Alguma Coisa Assim #02 - crédito Vitrine Filmes
Alguma Coisa Assim #02 – crédito Vitrine Filmes

Entre os nomes de destaque desta edição estão Bráulio MantovaniHélio de la PeñaMiguel Machalski e Carolina Kotscho. Indicado ao Oscar pelo roteiro de “Cidade de Deus”Bráulio assina os dois longas da série “Tropa de Elite”. Veterano da televisão, De la Peña é conhecido do público como ator e roteirista do grupo “Casseta & Planeta”. Natural da Argentina, o roteirista e escritor Machalski trabalhou como analista nos roteiros dos longas “Billy Elliot” e “Femme Fatale”Carolina Kotscho escreveu um dos maiores sucessos de bilheterias da retomada nacional, “2 Filhos de Francisco”.

FRAPA deste ano também recebe Jorge Furtado (“Real Beleza”), Karen Akerman (“O Processo”), Julia Priolli (“Me Chama de Bruna”), Aleksei Abib (“Mais Forte que o Mundo”), e outros. A Mostra Competitiva de Curta-Metragens do FRAPA traz 14 títulos, escolhidos entre mais de 100 filmes de 20 nacionalidades, e inclui premiações como “melhor personagem”, “melhor final” e “melhor título”.

Mariana Memis Müller e Leo Garcia - Foto: Boca Migotto
Mariana Memis Müller e Leo Garcia – Foto: Boca Migotto

“Com o maior número de inscrições e participantes, o FRAPA 2018 será a maior edição da história do festival”, garante a produtora executiva Mariana Mêmis Müller. Mais de 350 roteiros de longas e pilotos de TV de todo o Brasil foram inscritos apenas este ano. “O FRAPA cresce ano após ano, tanto em números, quanto em relevância para o setor audiovisual brasileiro e seus profissionais da área do roteiro”, explica Mariana. Nesta edição, 250 projetos participam das “rodadas de negócios”, que reúnem roteiristas e representantes de 25 empresas, entre produtoras, canais e distribuidoras, como FoxViacomNickelodeonCanal BrasilComedy Central e RT Features. Além da Cinemateca, atividades complementares acontecem na sede da ARI – Associação Riograndense de Imprensa (Av. Borges de Medeiros, 915). A mostra de curtas tem entrada franca.

Programação completa FRAPA 2018 – http://frapa.art.br/programacao
Convidados – https://frapa.art.br/convidados/

Arte: Leo Lage
Arte: Leo Lage

Fonte: Isidoro B. Guggiana