“Híbridos – Os espíritos do Brasil” estréia em Pelotas

Nesta sexta-feira (13), às 19h, o Cine UFPel exibe um imperdível documentário sobre a cultura espiritual brasileira.

A partir de uma pesquisa de 3 anos pelo país afora, HÍBRIDOS, OS ESPÌRITOS DO BRASIL é um mergulho na cultura espiritual da maior nação da América Latina através de uma abordagem poética e sensorial.

Como uma experiência de cinema-transe, o filme diminui a distância entre o espectador e o objeto, propondo uma viagem a um mundo de movimentos, de danças incessantes e de vibração em ritmos que pulsam forte.

Uma jornada etnográfica ao universo das cerimônias sagradas e sua diversidade, levada por uma linguagem cinematográfica que explora o seu potencial poético mais puro. Sem vozes ou comentários que sirvam de guia, orientado somente pelos sons dos rituais e cantos dos devotos, Híbridos é um filme musical de outra ordem.

O filme foi dirigido e produzido pelos cineastas e pesquisadores franceses Priscilla Telmon e Vincent Moon e coproduzido pela brasileira Fernanda Abreu de maneira independente, fora dos padrões do circuito nacional.

HÍBRIDOS – OS ESPÍRITOS DO BRASIL
Quando? Sexta-Feira (13 de abril), às 19h
Onde? Cine UFPel – Rua Lobo da Costa, 447, esquina com a Rua Álvaro Chaves – Pelotas RS

Dir.: Priscilla Telmon e Vincent Moon
(França/Brasil, Documentário, 2018, 1h28)
CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA 12 ANOS
ENTRADA FRANCA

Atores gaúchos têm possibilidade de contracenar com o Teatro da Vertigem (SP)

O grupo vem ao RS para apresentações de “O Filho”, no 13º Festival Palco Giratório Sesc/POA.

Um dos destaques do 13º Festival Palco Giratório Sesc/POA, que ocorrerá em maio, é a peça “O Filho”, do Teatro da Vertigem (SP). A companhia, nos seus 25 anos de estrada, ganhou notoriedade pela maneira como se apropria de espaços públicos – uma igreja, um presídio e até um rio já se tornaram palco para seus espetáculos. Em Porto Alegre, “O Filho” será encenado no Ginásio do Sesc Protásio Alves (Av. Protásio Alves, 6220), entre os dias 6 e 10 de maio. A companhia Teatro da Vertigem é patrocinada pela Petrobrás.

Foto: Ligia JardimAntes do Festival, de 1 a 5 de maio, atores gaúchos terão a possibilidade de participar de Laboratório Cênico com o Teatro da Vertigem, ministrado por Eliana Monteiro, no qual o grupo selecionará seis atores locais para compor o elenco de apoio em Porto Alegre. As inscrições para o Laboratório ocorrem entre os dias 16 e 26 de abril, pelo e-mail palcogiratoriosesc@sesc-rs.com.br. A organização ressalta que os participantes precisam ter disponibilidade no período de 1 a 4 de maio, das 14h às 18h, para o Laboratório em si, no Studio Stravaganza; e de 5 a 10 de maio, das 17h até o término do espetáculo, para as apresentações no Sesc Protásio Alves.

Sobre o espetáculo
Desde 2010, Kafka e seu universo despertaram o interesse de estudos do Teatro da Vertigem que iniciou com a montagem da obra “O Castelo”. Já em 2015, o olhar do grupo voltou-se novamente para o autor tcheco no espetáculo “O Filho”. Inspirado em “Carta ao Pai”, escrita por Franz Kafka (1883-1924) em 1919, endereçada a seu pai e nunca enviada. Um documento vivo da relação conflituosa entre os dois. Na encenação, o corrosivo acúmulo de raiva e frustração é expandido quando o filho também se torna pai. Mas o espetáculo extrapola a atmosfera opressiva do lar, atualizando as noções de vigilância e punição para além das paredes domésticas e investigando as estruturas essenciais do homem e sua busca desesperada de sentido.

A montagem, que tem classificação etária de 16 anos, tem direção de Eliana Monteiro, dramaturgia de Alexandre Dal Farra e no elenco Mawusi Tulani, Paula Klein e Sergio Pardal. Sobre o Festival Palco Giratório – Maio é o mês do Festival Palco Giratório Sesc/POA. E nesta 13ª edição, o evento contará com mais de 50 espetáculos de teatro, circo, dança, além de exposições de artes visuais, seminários, oficinas, bate-papos e demais ações formativas. O Festival ocorre entre os dias 4 e 26 de maio e a venda de ingressos inicia no dia 18 de abril.

Na próxima quarta-feira, 17 de abril, acontece o lançamento oficial do 13º Festival Palco Giratório Sesc/POA. Em coquetel direcionado a convidados, será apresentada a programação completa desta edição, às 19h30, no Teatro Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665 – 2º andar). A partir do dia 18/04, os ingressos já estarão à venda em todas as Unidades Sesc do Estado e também online em www.sesc-rs.com.br/palcogiratorio. Com o intuito de promover o acesso à Cultura, o evento oferece ingressos com valores a partir de R$ 10, além de atividades gratuitas. O Festival reúne atrações integrantes do Circuito Nacional Palco Giratório, grupos convidados e coletivos locais, assim como montagens em lançamento.

Fonte: Usina de Notícias

Homenagem ao Jazz faz tributo a João Bosco, com concerto em Porto Alegre

O músico se apresenta com a big band The Brothers Orchestra no domingo, 22 de abril, com entrada franca. Projeto, que está na sua segunda edição, valoriza o Choro com a criação do Palco Plauto Cruz e promove outras atividades, como shows em bares da Capital e oficinas de música em escolas da rede pública.

Foto: Flora Pimentel
Foto: Flora Pimentel

No dia 22 de abril, domingo, o projeto Homenagem ao Jazz realiza um tributo a João Bosco, com espetáculo ao ar livre com a big band The Brothers Orchestra. O músico participa da apresentação, revisitando clássicos de sua carreira. A Brothers Orchestra homenageia João Bosco com arranjos para músicas consagradas do autor, como Incompatibilidade de Gênios, Coisa Feita, Jade, Bijuterias e De Frente Pro Crime. O show começa às 16h, no Parcão (Parque Moinhos de Vento, na quadra de futebol). Para abrir o tributo, o projeto traz outras quatro apresentações, que começam a partir do meio-dia: Kiai Grupo, Camila Toledo (com um tributo a Billie Holliday), Caio Maurente Trio e Rodrigo Nassif Trio. O DJ Augusto Nesi faz a passagem nos intervalos entre os shows. A entrada é franca.

Em sua segunda edição, o projeto Homenagem ao Jazz contempla uma série de atividades – todas com entrada franca -, como shows em pubs de Porto Alegre e apresentações de Chorinho no Palco Choro Plauto Cruz – criado para homenagear o flautista portoalegrense, falecido recentemente. As apresentações acontecem na Travessa dos Cataventos da Casa de Cultura Mario Quintana, nos dias 27 e 28 de abril (sexta e sábado), com shows do grupo Choro Novo (Oficina de Choro Santander Cultural), Nani Medeiros, Mathias 7 Cordas e Terra Brasilis. Um dos mais importantes músicos do Rio Grande do Sul, Plauto Cruz recebe esta homenagem pela importância de sua obra e sua excelência como músico. “O jazz é uma música que inclui diversas manifestações musicais, que se amalgama com outros estilos e se estrutura nessa liberdade de criação. Tem em comum com o Choro, o improviso, onde Plauto era mestre. Assim, é com absoluta naturalidade que incluímos o Choro no Homenagem ao Jazz, e Plauto Cruz, com sua mágica flauta e seu carisma musical contagiante, é o nome perfeito para esta comunhão entre os gêneros”, afirma Carlos Badia, curador do projeto.

Kiai Grupo - Foto: Mariana Borges
Kiai Grupo – Foto: Mariana Borges

Entre abril e maio, três bares da Capital que tradicionalmente apoiam o Jazz – London Pub, Gravador Pub e Espaço Cultural 512 – vão receber shows de Kiai Grupo, Camila Toledo, Caio Maurente Trio e Rodrigo Nassif Trio (confira abaixo o serviço completo). Os músicos – que foram escolhidos também para a abertura do tributo a João Bosco – são expoentes no cenário da música instrumental do Rio Grande do Sul e se apresentaram em edições do POA Jazz Festival.

Outra característica do projeto é o incentivo à formação de público para o jazz. Para tanto, nessa edição serão realizadas 45 oficinas musicais para crianças e adolescentes da Rede Municipal de Ensino. As oficinas vão acontecer entre os meses de maio e junho, e serão ministradas pelos oficineiros Alexandre Missel, Pedro Henrique Sena e Guilherme Sanches.

Além dessa atividades, a Poa Jazz Band – banda itinerante do Poa Jazz Festival – vai levar música para as ruas e locais públicos de Porto Alegre. Serão 15 saídas-surpresa, em que a já conhecida e animada banda vai interagir com as pessoas e divulgar a programação do projeto.

O projeto Homenagem ao Jazz tem o Patrocínio Master da Souza Cruz, com financiamento pelo Pró-Cultura RS/Governo do Estado do Rio Grande do Sul. Apoio: Instituto Estadual de Música, Agibank e Poa Jazz Festival. Realização: Branco Produções, Fly Áudio e Experimentais | CriaCultura.

Homenagem ao Jazz
Programação Completa | Entrada Franca

Tributo a João Bosco
Dia 22 de abril, domingo
Local: Parcão (Parque Moinhos de Vento / quadra de futebol)
Às 12h10 – Kiai Grupo
Às 13h – Tributo a Billie Holliday, com Camila Toledo
Às 14h – Caio Maurente Trio
Às 15 – Rodrigo Nassif Trio
Às 16h – Homenagem a João Bosco, com The Brothers Orchestra e João Bosco
(DJ Augusto Nesi nos intervalos entre os shows)

Palco Choro Plauto Cruz
Dias 27 e 28 de abril, das 17h às 20h
Local: Travessa dos Cataventos, na Casa de Cultura Mario Quintana (R. dos Andradas, 736 – Centro Histórico)

Dia 27 de abril, sexta-feira
Choro Novo – Grupo da Oficina de Choro Santander Cultural
Nani Medeiros canta Choros

Dia 28 de abril, sábado
Mathias 7 Cordas – Falso Folião
Terra Brasilis

Shows em Pubs
· Dia 21 de abril, sábado, às 22h: KIAI Grupo, no London Pub (Rua José do Patrocínio, 964 – Cidade Baixa)

· Dia 27 de abril, sexta-feira, às 22h: Rodrigo Nassif Quarteto, no Gravador Pub (Rua Conde de Porto Alegre, 22 – São Geraldo)

· Dia 3 de maio, quinta-feira, às 22h: Caio Maurente Quarteto, no London Pub (Rua José do Patrocínio, 964 – Cidade Baixa)

· Dia 31 de maio, quinta-feira, às 22h: Tributo a Billie Holiday, com Camila Toledo, no Espaço Cultural 512 (Rua João Alfredo, 512 – Cidade Baixa)

Sobre o projeto
Inicialmente fazendo parte do POA JAZZ FESTIVAL, o projeto Homenagem ao Jazz nasceu como um tributo a músicos brasileiros que influenciaram o Jazz e a música instrumental pelo mundo todo. Em 2015 e 2016, João Donato e Milton Nascimento receberam homenagens, com concertos ao ar livre na Capital gaúcha. A partir de 2017, o projeto ganhou vida própria, tendo como homenageado o músico Hermeto Pascoal. Saiba mais em: https://www.facebook.com/homenagemaojazz/

Sobre João Bosco
João Bosco começou a tocar violão aos doze anos. Apesar de não deixar de lado os estudos de Engenharia, dedicou-se sobremaneira à carreira musical, influenciado principalmente pelo jazz, pela bossa nova e o tropicalismo. Em 1970 conheceu seu parceiro mais importante: Aldir Blanc, com quem criou obras de enorme relevância na música brasileira. Seu violão refinado e swingado, e seus criativos improvisos vocais influenciam jazzistas ao redor do mundo.

Sobre a Brothers Orquestra
The Brothers Orchestra é uma Big Band portoalegrense, atuante desde setembro de 2010, que reúne grandes músicos da cidade, com destaque para os naipes de metais. Com versatilidade e arranjos sempre criativos, seu repertório musical vai desde clássicos do jazz como Fly Me To The Moon e April In Paris, e compositores como Glenn Miller, Miles Davis e Joe Zawinul, passando pelas composições brasileiras de Tom Jobim e Ari Barroso, e por versões turbinadas de Stevie Wonder, James Brown e Michael Jackson.

Ficha Técnica
Coordenação Executiva: Carlos Badia, Rafael Rhoden e Carlos Branco
Curadoria: Carlos Badia
Realização: Experimentais-CriaCultura, FlyAudio e Branco Produções
Produtores Executivos: Bruno Melo e Mateus Staniscuaski
Coordenador de Produção: Carlos Branco, Rafael Rhoden e Carlos Badia
Equipe de Produção: Bruno Melo, Mateus Staniscuaski, Carlos Badia, Carlos Branco, Rafael Rhoden, Eduardo Elias, Luiz Selmar, Vítor Badia, Daniela Ramirez.
Assessoria e Coordenação de Projeto: Daniela Ramirez
Assessoria de Imprensa: Adriana Martorano
Redes Sociais: Agência Oficial
Jornalista/Produção de Conteúdo: Roger Lerina
Arte: Giovane Silva (Giovane Design)
Direção de Palco: Elias Preto
Roadies: Marcelo Campos
Técnico de Som: Tiago Becker
Sonorização: MS Produções
Patrocínio Master: Souza Cruz
Apoio: Poa Jazz Festival | Agibank | Instituto Estadual de Música | Secretaria de Cultura, Desporto e Turismo do Estado do RS | Casa de Cultura Mario Quintana

Fonte: Adriana Martorano

Fábrica de calcinha estreia na Bronze Residência em Porto Alegre

Espetáculo estará em cartaz nas sextas, sábados e domingos, de 20 a 29 de abril, sempre às 20h, com entrada franca.

Fabrica de Calcinha - Foto: Natália Utz
Fabrica de Calcinha – Foto: Natália Utz

Entra em cartaz nesta sexta (20/4),o espetáculo Fábrica de Calcinha, dirigido pela atriz Marina Mendo. Uma performance multissensorial que mostra as sonoridades do Centro de Porto Alegre, com cenas fabricadas ao vivo diante dos espectadores, manipuladas por equipamentos como pedal de efeitos sonoros, sampler, microfones e retroprojetor, combinados com uma performance de luz, desenvolvida a partir de objetos luminosos presentes no cotidiano urbano. Quem ativa a cena são os artistasMarina Mendo, Ricardo Pavão e Marta Felizardo, que fazem do corpo, do som e da luz matéria prima para despertar a percepção do público.

Financiado pelo PROCULTURA/RS da Secretaria de Estado da Cultura Turismo Esporte e Lazer, Fábrica de Calcinha estará em curta temporada: serão apenas dois finais de semana, de sexta a domingo, de 20 a 29 de abril, sempre às 20h, na Bronze Residência(Duque de Caxias, 444), com entrada franca. O espaço, que abre suas portas no mês de abril, está localizado no Centro Histórico de Porto Alegre, voltando às práticas contemporâneas e residências artísticas.

FÁBRICA DE CALCINHA
Dias: 20,21,22,27,28 e 29 de abril (sextas, sábados e domingos), sempre às 20h.
Local: Bronze Residência (Duque de Caxias, 444)
ENTRADA FRANCA
*No dia 18/4, haverá apresentação com audiodescrição mediante agendamento.
* 13 e 17/4, às 19h30 – ensaios abertos para EJA

Sinopse
O que você está ouvindo AGORA? Você percebe os sons que estão ao seu redor criando uma paisagem sonora de acontecimentos acústicos? É na sua escuta que estes acontecimentos interagem, delineando a sonoridade da cidade, um estímulo afetivo e rico em informações culturais. Cada escuta é, nada mais, nada menos, que um intrincado mecanismo de relações percebidas pela mente como SOM.

Fabrica de Calcinha - Foto: Natália Utz
Fabrica de Calcinha – Foto: Natália Utz

Fábrica de Calcinha começa assim, no escuro, ouvindo os gritos e cantos da cidade, gente suada a ganhar o pão, gente desesperada pelo seu quinhão, máquinas a perfurar os ouvidos e o chão… e também alguns passarinhos, alguns louvores pelo caminho. No caminho, apesar do tanto que há pra comprar ou vender ou quitar, encontramos em cada um, corações sambando no peito. Dentre as camadas da realidade urbana que o trabalho revela, aparece uma perspectiva política, crítica e afetiva da mulher brasileira, perfurando estereótipos, apresentando sua força e resistência.

Concepção: escuta do centro da cidade
Para a concepção do espetáculo, a equipe de criação do projeto realizou um trabalho de escuta do centro de Porto Alegre. A partir de exercícios de ocupação do espaço urbano, a equipe percorreu, de olhos fechados, o centro da cidade, absorvendo suas peculiaridades e deixando-se conduzir por acontecimentos sonoros do local, gravando estímulos em arquivos de áudio que depois vieram a compor a dramaturgia sonora do espetáculo.

O arquivo de sonoridades urbanas captado ao longo do trabalho é utilizado na peça, através do sampler, pedal de efeitos, amplificadores e microfones, criando uma composição com a performance de luz, desenvolvida a partir de objetos luminosos presentes no cotidiano urbano como lanternas de celular, pequenos refletores manuais, luminárias e abajures. Já os objetos cenográficos partem dos materiais que compõe a vida nas ruas do centro da cidade: telhas de zinco, baldes metálicos, moedas entre outros fragmentos visuais do centro de Porto Alegre.

A composição da dramaturgia originou-se de uma pesquisa realizada pela atriz e musicista Marina Mendo junto ao Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da UFRGS em parceria com o músico Ricardo Pavão e o performer Rossendo Rodrigues. O material revelou sua potência de encontro com o público ao ser um dos três trabalhos selecionados nacionalmente para o Festival de Arte 50 Anos do Goethe – Institut Porto Alegre em 2015. Em 2017 este mesmo material foi contemplado com o financiamento PROCULTURA/RS da Secretaria de Estado da Cultura, Esporte, Turismo e Lazer para transformar-se no espetáculo que entra em cartaz agora na Bronze Residência.

FICHA TÉCNICA:
Direção Geral: Marina Mendo
Criação Sonora: Ricardo Pavão
Criação de Luz: Marta Felizardo
Ativadores da Cena (ao vivo): Marina Mendo, Marta Felizardo, Ricardo Pavão
Performances vocais (em off): Bethânia Panisson Ávila, Dedy Ricardo, Lígia Lasevicius Perissé, Ricardo Pavão, Rossendo Rodrigues, Tereza Mendo Rodrigues.
Fragmentos Textuais: Hilda Hilst (A obscena senhora D.), Matéi Visniec (A Louca Tranquila), Marina Mendo e Ricardo Pavão.
Participação na cuíca: Mateus Ávila
Figurino: Marina Anderle Giongo
Provocações cênicas e orientação de meditação: André Rosa
Técnico de Som: Beto Chedid
Produção Liége Biasotto – Cuco Produções
Programação Gráfica: André Varela
Foto e Vídeo: Natália Utz – UTZ Filmes
Assessoria de imprensa: Raphaela Donaduce Flores – Dona Flor Comunicação
Realização: Sync. Produções de Arte e Fábrica de Calcinha – Coletivo de Criação
Financiamento: FAC PROCULTURA/SEDACTEL – Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Fonte: Raphaela Donaduce Flores
Jornalista – Dona Flor Comunicação

Massimiliano lança clipe em show no A Vapor Estúdio

Nesta quinta-feira (12), o espaço recebe, às 18h, o show do Massimiliano. Pela terceira vez no ano, o A Vapor Estúdio abre suas portas para o público conferir o trabalho autoral de um artista pelotense.

Massimiliano é um projeto do músico e compositor Alex Vaz. A apresentação será acompanhada pelo lançamento do clipe da faixa “Peso”, terceira do álbum Briza a ganhar um trabalho audiovisual.

Foto: Nathalia Grill
Foto: Nathalia Grill

Lançado em novembro de 2017, Briza é o terceiro álbum de Alex Vaz com seu projeto Massimiliano. O disco saiu pelo selo Escápula Records, conta com 11 faixas, que transitam entre rock, MPB, milonga, entre outros estilos. O trabalho está disponível nas principais plataformas de streaming (ouça aqui) e sua edição física pode ser adquirida em avapordiscos.com.br.

Para o show desta quinta, Vaz conta que além das faixas de seu último lançamento, apresentará canções do álbum anterior, “Desconstrução”, e, em primeira mão, algumas músicas inéditas. Diferente das duas edições anteriores, realizadas no pátio, este Ao Vivo A Vapor será dentro de um dos estúdios de gravação. Devido a limitação de espaço, os interessado devem reservar lugar, via mensagem pela página do A Vapor, pelo e-mail estudio@avapor.com.br, ou pelo Whatsapp (53) 99979.1156.

Clipe PESO
Desde 2015, Alex Vaz trabalha com o fotógrafo e cinegrafista Felipe Yurgel em uma série de vídeos para suas canções. Ano passado, os dois começaram a produzir os vídeos para as faixas contidas no Briza. O clipe de “Peso ” será o terceiro desta série (confira aqui O pampa não tem culpa e Volta pra casa https://www.youtube.com/watch?v=BhYAheW1ovI). A ideia é fazer um vídeo para cada uma das 11 canções do disco.

Massimiliano - Divulgação - Nathalia Gril
Massimiliano – Divulgação – Nathalia Gril

Segundo Vaz, a canção PESO nasceu de uma viagem/turnê que ele faz para o Uruguai em 2013. “O capital e sua contradição, é um lance que muito me fascina e me parece esteticamente maravilhoso que a moeda dos nossos países vizinhos tenha um nome tão emblemático e que sintetize tão bem a definição metafórica que o dinheiro tem em nossa sociedade”, declara ele sobre a temática da faixa.

Faixa 5 do álbum, a canção que ganhará o clipe conta com o soneto do cantautor uruguaio Chito De Mello, a quem Vaz define como “um anarquista de fronteira, irônico, folclórico e vanguardista”. O poema versa sobre a admiração de Chito por José Carbajal e o poder do cantor e seu canto.

Sobre a oportunidade de apresentar o trabalho autoral ao público, Alex comenta o quanto enxerga Pelotas na contramão do Brasil: “Em qualquer cidade de pequeno porte, temos casas culturais, teatros e coletivos que recebem e promovem shows de artistas independentes. Pelotas deve isso a sua população. Então, eu acho maravilhoso que o A Vapor tenha tomado essa iniciativa para recomeçar um movimento de consumo de música autoral na cidade”.

Ao Vivo A Vapor – Massimiliano: Peso
Quando: 12/03, quinta-feira, 18h
Onde: A Vapor Estúdio (Avenida Juscelino Kubitschek, 1368)
Quanto: R$ 20,00 (na hora, em dinheiro e cartões de débito e crédito)
Evento: https://www.facebook.com/events/1794238287305169

Festival de Cinema Janela Itinerante ocorre em abril em três municípios do RS

A partir de 12 de abril as cidades de Cidreira, Palmares do Sul e Capivari do Sul receberão a primeira edição do Festival de Cinema Janela Itinerante, que promove programação gratuita para o público infantojuvenil.

O projeto é um desdobramento do Festival Primeira Janela – Festival de Cinema Infantojuvenil, que acontece em Porto Alegre desde 2014.

O Janela Itinerante visa levar conteúdos audiovisuais até regiões que não possuem a facilidade de acesso ao universo do cinema, possibilitando crianças e adolescentes a experienciar, vivenciar e ser inserido no contexto do audiovisual. A programação conta com a projeção de filmes raramente exibidos em circuito comercial, visando despertar o interesse da nova geração pelo cinema e oportunizando pela primeira vez o acesso de muitas crianças e jovens a uma sessão de cinema.

O tema desta edição é o som no cinema, elemento de expressão importante na composição dos filmes e que pauta a seleção das obras exibidas, assim como as atividades promovidas pelo evento. Com programação dividida em três dias, o Janela Itinerante promove exibição de filmes, debates com realizadores, oficinas e workshops em escolas dos municípios que receberão o evento e encerra no terceiro dia com a exibição do longa-metragem “As Aventuras do Avião Vermelho”, que terá sua trilha sonora executada ao vivo pela Orquestra Villa-Lobos.

O primeiro dia de atividades conta com a exibição dos curtas-metragens “Vento” de Betânia Furtado, “Pierre e a mochila”, de Iuli Gerbase, e “Lipe, Vovô e o Monstro”, de Felipe Steffens e Carlos Mateus Souza, que foi realizado em conjunto com os alunos do segundo ano da escola municipal de ensino fundamental Vereador Antônio Giudice, em Porto Alegre. Após a exibição, integrantes da equipe realizadora de um dos filmes participam de bate-papo com o público.

No segundo dia de atividades os alunos de 13 a 18 anos participam do Workshop “O Som no Cinema”, ministrado por Caio Amon, onde os integrantes vão explorar o universo do som e da trilha sonora, investigando como são feitos alguns dos recursos mais utilizados no cinema. Para os pequenos, a oficina “Histórias Contadas – Efeitos Sonoros”, contempla crianças de 06 a 12 anos e trabalha a percepção sensível, construção e expressão do som através de vivências, exercícios, jogos e brincadeiras.

Encerrando a programação, no sábado, às 19h30, um cinema a céu aberto receberá a comunidade dos locais para assistir ao longa-metragem de Frederico Pinto e José Maia “As Aventuras do Avião Vermelho”, que terá trilha sonora executada ao vivo pela Orquestra Villa-Lobos que conta com 45 crianças e jovens de 10 a 24 anos.

Janela Itinerante_CartazCom o propósito de aprofundar o diálogo entre cinema e educação, encantar, divertir e despertar na criança e nos jovens a paixão pelo cinema, o Festival Janela Itinerante pensa o cinema e a educação, linguagens que se enriquecem mutuamente, como instrumento de transformação, formação, difusão, qualificação, reciclagem e criatividade. Para que esta formação siga ao longo do ano letivo, uma atividade especial para professores foi realizada no dia 29 de março, em Cidreira. O 1º Encontro Pensando Cinema e Educação com as cineastas, pesquisadoras e educadoras Gilka Vargas e Iara Noemi reuniu 200 professores. A utilização da tecnologia – tão presente na vida dos alunos –, respeitando as múltiplas linguagens da criança e do adolescente, constitui-se em um desafio. Entendendo o cinema como uma arte importante na formação e expressão do indivíduo, como uma forma de produzir conhecimento e como facilitador para trabalhar questões pertinentes às diferentes idades, as palestrantes apresentaram o cinema como mediador no processo de aprendizagem em sala de aula.

O Festival de Cinema Janela Itinerante ocorre em Cidreira entre os dias 12 a 14 de abril, Palmares do Sul de 19 a 21 e Capivari do Sul de 26 a 28, com todas as atividades com entrada franca, financiamento Pró-cultura RS e Governo do Estado do Rio Grande do Sul e realização Mobb Moving Images e Ckooqo Entertainment. Informações no site www.janelaitinerante.com.br.

I FESTIVAL DE CINEMA JANELA ITINERANTE – DE 12 A 28 DE ABRIL

Cidreira – 12, 13 e 14 de abril
Palmares do Sul – 19, 20 e 21 de abril
Capivari do Sul – 26, 27 e 28 de abril

Programação
Exibição de curtas-metragens para as escolas.
Horário: período manhã (09h30 às 11h30) e período tarde (14h00 às 16h00)

Vento02-1024x766Vento – direção Betânia Furtado – Animação – 13’ – Porto Alegre/RS
Sinopse: Uma garrafa com uma mensagem desperta em Gabriel, um garoto solitário, a vontade de aprender a ler e descobrir que o sonho pode estar mais perto do que se imagina.

pierre-3Pierre e a Mochila – direção Iuli Gerbase – Ficção – 10’30” – Porto Alegre/RS
Sinopse: Pierre, um menino de 10 anos, muda-se para a casa de seu avô, após sua mãe ter o abandonado. No novo colégio, Ana, Elisa e Fauna, três meninas muito teimosas, irão ajudá-lo a ficar alegre enquanto eles preparam seu projeto para a aula de ciências: um musical sobre as invenções de Tomas Edison.

lipe_vovo_e_o_monstro_2Lipe, Vovô e o Monstro – direção Felipe Steffens e Carlos Mateus Souza – Animação – 9’ – Porto Alegre/RS
Sinopse: Um menino vai passar o final de semana no sítio dos avós. Durante uma pescaria, ele conhece um segredo de seu avô, e acaba fazendo uma nova e inusitada amizade. Filme realizado em conjunto com os alunos do 2º ano da escola municipal de ensino fundamental Vereador Antônio Giudice, em Porto Alegre.

Oficina e Workshop para as escolas:

O Som no Cinema
Ministrante: Caio Amon
Faixa etária: 13 a 18 anos
Horário: período manhã (09h às 11h) e período tarde (14h às 16h)
Ementa: Nesta oficina iremos explorar o universo do desenho de som e da trilha sonora, investigando como são feitos alguns dos recursos mais utilizados no cinema. O objetivo é ampliar a escuta para os sons do cinema (e do mundo!), e ver o som como possibilidade de criação. A partir deste momento, os sons ao seu redor nunca mais serão os mesmos.

Histórias Contadas – Efeitos Sonoros
Ministrante: Teresa de Lucena e Naida Machado
Faixa etária: 06 a 12 anos
Horário: período manhã (09h às 12h) e período tarde (14h às 17h)
Ementa: A oficina contará uma história através do som e trabalhará com a percepção sensível, construção e expressão do som através de vivências, exercícios, jogos e brincadeiras. As fontes dos trabalhos propostos são a arte educação, a educação brincante, a educação biocêntrica e a percussão corporal.

Mostra Especial de Encerramento na Praça
Orquestra formada por 45 crianças e jovens tocando ao vivo a trilha sonora do filme “As aventuras do avião vermelho”, de Frederico Pinto e José Maia, simultaneamente com a projeção. A Orquestra Villa-Lobos é o resultado do trabalho de educação musical desenvolvido há 26 anos na Escola Municipal de Ensino Fundamental Heitor Villa-Lobos e tem por objetivo proporcionar a crianças e jovens da Lomba do Pinheiro, periferia de Porto Alegre, o acesso ao conhecimento musical e a vivências artísticas e socializadoras, sendo um agente transformador na comunidade.

aviãoAs Aventuras do Avião Vermelho
Direção Frederico Pinto e José Maia – Animação – 1h10m – Porto Alegre/RS – Ano 2014
Sinopse: O filme conta a história de Fernandinho, um menino de 8 anos, que perdeu a mãe há pouco tempo, tornando-se um garoto solitário, sem amigos e com problemas de relacionamento com o pai e na escola. Sem saber como lidar com a situação, o pai tenta conquistá-lo com presentes. Nada funciona até que ele dá para o filho um livro de sua infância. Encantado com a história, Fernandinho decide que precisa de um avião para salvar o Capitão Tormenta – aviador personagem do livro, que está preso no Kamchatka. A bordo do Avião Vermelho e junto com seus brinquedos favoritos, Ursinho e Chocolate, que ganham a vida com sua imaginação, Fernandinho visita lugares inusitados, como a Lua e o fundo do mar, e percorre diferentes territórios – África, China, Índia, Rússia. Ao longo dessa jornada, Fernandinho descobre o prazer da leitura, a importância de ter amigos e o amor do pai.
Janela Itinerante_Cartaz

Ficha técnica
Financiamento: Pró-cultura RS e Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Realização: Mobb Moving Images e Ckooqo Entertainment
Direção Geral e Curadoria: Patrícia Monegatto
Produção Executiva: Letícia Góes Schaurich
Direção de Produção: Tatiana Sirtoli
Assistente de Produção: Nathália Severo
Comunicação e Entretenimento: Letícia Góes Schaurich e Rafael Franskowiak
Coordenação Técnica: Bruna Abubakir e Kadu Mirapalhete
Direção Musical: Everton Rodrigues
Regente Orquestra Villa-Lobos: Cecília Silveira
Músicos Convidados: Vanessa Costa (Trompa) e Felipe Schütz (Contrabaixo)
Técnico de Som: Tiago Becker
Coordenação Pedagógica: Gilka Vargas e Iara Noemi
Apresentador e Mágico: Sandro Dreher
Oficina: Teresa de Lucena e Naida Machado
Workshop: Caio Amon
Ilustração: Galvão Bertazzi
Design Gráfico e Website: Rafael Franskowiak
Assessoria de Imprensa: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor
Social Media: Okta Branding & Design
Vinheta: Bruna Abubakir e Max Laux
Locução Vinheta: Amanda de Sá Matos, Antônio de Almeida Bueno, Benício Schaurich Franskowiak, João Vitor de Sá Matos, Juan Ferronato Pinto, Matheus Severo, Miguel Franskowiak Bacaicoa da Silva e Nathália Severo.
Making Of: Fábio Canale
Concepção Troféu: Sandro Dreher
Produção Troféu: Brascril
Projeção, Iluminação e Sonorização: Impacto Vento Norte
Transporte: Motorhome Frajola

Fonte: Bruna Paulin – Assessoria de Flor em Flor

Pizza Fondina recebe​ Rafa Porto no PSJ Lounge em Pelotas

A Pizza Fondina apresenta, nesta quinta-feira (5 de abril), o cardápio de inverno do PSJ Lounge num encontro festivo que tem como convidado especial o sommelier Rafa Porto.

Foto: Estúdio Luneta
Foto: Estúdio Luneta

O perito vem compartilhar de algumas curiosidades sobre as culturas de degustação e harmonização, tanto sobre técnicas e história, como na arte e ciência das bebidas alcoólicas. Um trabalho itinerante que percorre o país com uma dinâmica que explora e associa a bebida à gastronomia, didática, cultura e diversão. Durante essa conversa afiada haverá uma sessâo de pizzas e harmonização de bebidas, inlcusas no ingresso. Logo o sommelier se dispõe a dar continuidade ao papo com quem tiver interesse e na trilha sonora jazz de todos os tempos, ao estilo Pizza Fondina.

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Rafa Porto é um Sommellier​ especializado em eventos, promoção e no ensino relacionado ao mundo do vinho. É formado pela Wine and Spirits Education Trust de Londres e FISAR – Federazione Italiana Sommelier Albergatori Ristoratori e técnico em serviços de restaurantes com vasta experiência em alta gastronomia. Rafa também é premiado pela revista Veja como Melhor Carta de Vinhos.

 


Lançamento de Pizzas Fondinas 2018
Cardápio de Inverno do PSJ Lounge (Félix esquina Telles)
Conversa Afiada com o sommelier Rafa Porto (SP)
+ degustação e harmonização
Quinta-feira, 5 de abril de 2018
pós 19h
Ingressos limitados no local (R$ 50)

Outras informações:
53 981106648
pimenteroproducciones@gmail.com

28827970_163028134356698_6603336459496396461_o

Cinema internacional e regional neste semana no Cine UFPel em Pelotas

Na última quarta-feira (04), foi exibido em parceria com o SESC o longa islandês “A ovelha negra”, do diretor Grímur Hákonarson, vencedor do prêmio Un Certain Regard no Festival de Cannes.

cineufpelNa quinta-feira (05), também às 19h, é a vez do curta documental “Senegalè – Os imigrantes senegaleses em Pelotas”, produção dos graduandos em Jornalismo na UFPel, que estarão presentes para um bate-papo após a sessão.

Na sexta-feira (06), excepcionalmente às 20h, dois curtas rodados no RS tomarão a telona do Cine UFPel: “Indo”, dirigido por Boca Migotto, e “No amor”, de Juan Quintáns. Os realizadores estarão presentes para uma conversa com o público logo após a exibição.

Abaixo segue a programação em detalhes.

Quarta-feira, 04, 19h
Sessão SESC
Longa: A ovelha Negra
Dir.: Grímur Hákonarson
Sinopse: Em uma fazenda na Islândia dois irmãos que não se falam há 40 anos têm de trabalhar juntos para salvar aquilo que lhes é mais caro: um rebanho de ovelhas.
(Islândia, Ficção, 2015, 1h32)

Quinta-feira, 05, 19h
Sessão Especial com os realizadores
Curta: Senegalè – Os imigrantes senegaleses em Pelotas
Dir.: André Pereira
(UFPell, Documentário, 2018, 19min)

Sexta-feira, 06, 20h
Sessão especial com os realizadores
Curta: Indo
Dir.: Boca Migotto
(RS, Ficção, 2017, 16min)
Hoje, no Brasil, a classe artística e cultural vem sendo esvaziada por governos municipais, estaduais e o governo federal a fim de desqualificar o trabalho e a importância do setor para o desenvolvimento social. No Rio Grande do Sul, especificamente, enquanto o governo local lida com uma violência urbana sem precedentes, que assusta a “sociedade de bem”, também fecha a Secretaria da Cultura e diminui o orçamento para ações culturais e artísticas nas periferias. Mas, existe uma relação entre uma coisa e outra? INDO visa debater isso.

Curta: No amor
Dir.: Juan Quintáns
(RS, Documentário, 2017, 14min)
Cinco amigos cineastas decidem fazer um curta-metragem com recursos próprios, sem dinheiro, um “filme no amor”. No roteiro, se misturam ficção e realidade. Os três protagonistas são atores e interpretam a eles mesmos no curta, seguindo o roteiro de outro amigo, o diretor, que também coloca vivencias próprias na história a ser filmada. Por último, um espanhol da Galícia, que mora e trabalha no Brasil há uns poucos anos, é também impulsor do projeto. Ele será quem, com seu olhar diferente, vai narrar e contar em primeira pessoa todo o processo, se valendo das imagens de making of, das conversas nos diversos encontros dos amigos e de entrevistas a cada um dos envolvidos.

Adolescer apresenta novos temas na versão 2018

O espetáculo Adolescer volta a cartaz no dia 11 de abril no Teatro da Amrigs, em Porto Alegre. A versão 2018 da peça traz novas cenas, novo elenco, novas coreografias e temas abordados.

Adolescer está há 15 anos em cartaz e explora assuntos recorrentes do dia-a-dia dos adolescentes. Este ano a temporada destaca temas como a era da violência sem causa, homofobia, bulimia e anorexia na adolescência, solidão, automutilação, ausência dos pais, os amigos virtuais, K-Pop e as tendências unicórnio, sereia e alienígenas, além da variedade de assuntos dos adolescentes que normalmente já são exploradas nas cenas, nas músicas e nas coreografias.

Foto: Tiago Trindade
Foto: Tiago Trindade

Sempre atenta às constantes mudanças no cenário e no cotidiano da garotada, a diretora Vanja Ca Michel se dedica ao longo dos meses a pesquisas para manter a peça sempre fiel a realidade em que os jovens estão vivendo. Segundo dados da Unicef, a cada 30 minutos adolescentes/crianças são assassinados no Brasil e a cada 7 minutos, adolescentes/crianças morrem no mundo de forma violenta. “O espetáculo é um alerta, através dos temas explorados nas cenas e também nas coreografias, para todos aqueles que vêm nos assistir, é preciso ter mais cuidado, zelo, paciência e amor. Esse é um dos compromissos que nós do Adolescer colocamos em cena através da nossa arte. Adolescência é coisa séria! ”, afirma Vanja. Nenhum assunto é abordado de forma didática ou moral. Todos têm o objetivo de fazer o espectador pensar, para que este tenha uma posição crítica a respeito do que é apresentado.

Vanja Ca Michel assina o texto, a produção e a direção do espetáculo. O texto reúne alguns fragmentos de Moacyr Scliar, do psiquiatra José Outeiral e dos psicanalistas Rubem Alves e Cybelle Weinberg. A temporada 2018 conta novamente com o coreógrafo Thiago Fernandes, que desenvolveu para o Adolescer uma linguagem coreográfica muito particular, trazendo uma sensibilidade musical mais refinada as cenas, através de movimentações técnicas e precisas em contraste com texturas de movimentações tracionais e contínuas.

O espetáculo Adolescer também explora o uso da tecnologia e interatividade. Todas as fotos e vídeos feitos em cena são publicados ao fim de cada sessão nas redes sociais.

O elenco da temporada 2018 é composto pelos atores Anderson Vieira, Ane Troian, Débora Araujo, Diego Freitas, Francine Cercal, Guilherme Fraga, Joana Troian, Julia Troian, Lucas Ortiz, Luís Henrique Leite, Matheus Severo, Nath Severo, Roberta Jorge e Vinicius De Costa.

Adolescer no Teatro da Amrigs
11 de abril (quarta)
Teatro da Amrigs – Av. Ipiranga, 5311 – Porto Alegre
Horário: 20h30min
Informações: (51) 3014-2001
Duração: 100 min
Indicação: Adultos e adolescentes a partir de 10 anos

Ingressos*
R$50,00 – INTEIRA
R$25,00 – MEIA
Meia Entrada para: estudantes e idosos
Ponto de venda: Bilheteria do Teatro da Amrigs, Tchê Ofertas e Imaginarium (Iguatemi)

Fonte: Aline Fiabane

 

Nomostase: festival de cinema, política e literatura em Pelotas

No próximo sábado, dia 07/04, Pelotas receberá o Nomostase: 1º Festival de Cinema, Política e Literatura, trazendo diversas atividades culturais, numa agenda que se estende das 14:00h até 01:00h, na Galeria Now. Entrada Franca.

A Nomos é uma Editora e Produtora independente que está chegando em Pelotas, após dar início aos seus trabalhos em Porto Alegre, há um ano. A ideia do evento, além de celebrar o lançamento oficial da empresa, é apresentar a identidade da Nomos, que se volta principalmente para projetos de conscientização política, incluindo pautas progressistas em defesa dos direitos humanos e da inclusão social.

Confira a programação do evento:
programação nomostase 1programação nomostase 2programação nomostase 3Evento no facebook: www.fb.com/events/190629768208348/
Site da Nomos: www.projetonomos.com