Casarão 8 tem livro para colorir disponibilizado para download grátis

O Laboratório de Educação para o Patrimônio (LEP), da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), está disponibilizando, para download gratuito, um livro de colorir.

A obra traz uma pequena mostra dos detalhes dos estuques dos forros do Casarão nº 8, da Praça Coronel Pedro Osório, de Pelotas. No local atualmente se localiza o Museu do Doce da UFPel.

museu do doce“Este livro vem para que o gesto de colorir aproxime de nossos olhos os belos exemplares de estuques em relevo do Museu do Doce”, destaca a coordenadora do LEP e organizadora da obra, professora Carla Gastaud. O livro foi desenvolvido pela equipe do LEP, que é um Laboratório de Ensino vinculado ao curso de Museologia do Instituto de Ciências Humanas da UFPel.

Baixe o livro gratuitamente aqui.

livro_colorirFonte: ccs2.ufpel.edu.br

Palestra “A África Muito Além da Escravidão” será realizada em Pelotas

“Discutir a África muito além da escravidão” é o tema de palestra que ocorre no dia 28 de março, às 18h, no Museu da Baronesa em Pelotas.

O evento faz parte do Projeto de Visibilidade do Negro e traz o doutor e professor de História da África e do Brasil da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), Paulo Pezat, para falar sobre diversidade cultural.

As vagas são limitadas e a inscrição pode ser realizada pelo e-mail museudabaronesa@gmail.com. Mais informações podem ser obtidas na página do evento.

O Museu da Baronesa está localizado na avenida Domingos de Almeida, 1.490.

Imagem Divulgação
Imagem Divulgação

Fonte: pelotas.com.br – Adriana Rabassa

Extra, Extra: Jornal e-cult entre os contemplados pelo Procultura 2017

O projeto que traz de volta a edição impressa do Jornal e-cult está entre as Vinte e seis propostas aprovadas no edital 10/2017 do Programa Municipal de Incentivo à Cultura (Procultura).

Aldyr Garcia Schlee, ilustre leitor do e-cult, durante a Feira do Livro de Pelotas em 2016. Foto Deco Rodrigues
Aldyr Garcia Schlee, ilustre leitor do e-cult, durante a Feira do Livro de Pelotas em 2016. Foto Deco Rodrigues

A proposta cultural apresentada no segmento Literatura sob o título “Jornal e-cult” propõe a cada dois meses, entre 2018 e 2019, distribuir uma edição com quatro mil exemplares, de forma 100% gratuita, com conteúdo exclusivamente sobre eventos culturais realizados em Pelotas e produtos lançados por artistas pelotenses ou artistas moradores de Pelotas. No total serão 6 edições impressas.

A Secretaria de Cultura (Secult) divulgou os contemplados por meio de ofício virtual nesta terça-feira (6). Os projetos, que podem custar até R$ 25 mil cada, enquadram-se nas áreas de Literatura, Música, Audiovisual, Folclore e Manifestações Populares, Artes Cênicas, Artes Integradas, e Memória, Acervo e Patrimônio.

Nesta edição, o programa destina R$ 598 mil à iniciativa – 15% a mais do que na anterior. O edital 10/2017, publicado em agosto do ano passado, recebeu 83 inscrições. A seleção é de responsabilidade do Conselho Municipal de Cultura (Concult).

Propostas aprovadas por área:

Literatura
> Mandinga Editorial
> Livro ilustrado Chaminé não é vulcão – Zeca Bum
> Jornal e-cult

Artes Cênicas
> Piratas
> O incrível mistério de Honorato, o Rato!
> 2º Teatrua – Festival de Teatro de Rua de Pelotas

Música
> Pimenta Buena – 3º CD
> Náufragos Urbanos – CD Relógios de Areia
> Ivanov Basso – CD
> Luciano Mello – CD ao vivo Depois da queda
> Marco Brasil – CD Alma brasileira
> Tom Neves – CD Caminho do Bem
> Egbert Parada – CD
> Freak Brotherz – CD 20 anos de carreira
> Alexandre Matos – Candombe para vos

Memória, acervo e patrimônio
> Entre Contos e Lendas sobre João Simões Lopes Neto
> Atlas Digital do Patrimônio Arqueológico de Pelotas 2018

Artes Integradas
> Sovaco de Cobra Trio – Nossa Alma
> 100 Aves de Pelotas
> Maratona Fotográfica de Pelotas
> Histórias de amor e de Carnaval: a cultura e a costura pelas mãos da Griô Dona Sirley Amaro
> A vida é um jogo para quem tem ancas: uma arqueologia documental sobre mulheres escravas domésticas em Pelotas/RS no século XIX
> 7º Festival MozBrasil

Folclore e Manifestações Populares
> Bloco do Mapa festeja a cidade de Pelotas

Audiovisual
> La Muerte
> Cachorro, o Filme

Jornalista Roger Lerina lança plataforma virtual independente

Referência no jornalismo cultural do Rio Grande do Sul, Roger Lerina está lançando uma plataforma multimídia independente dedicada às notícias e novidades sobre arte e cultura.

A partir de hoje, 5 de março de 2018, o site www.rogerlerina.com.br traz notícias, artigos e vídeos sobre cinema, teatro, música, artes visuais e eventos, com dicas da agenda cultural de Porto Alegre.

“Desde que saí da Zero Hora, em agosto do ano passado, muitas pessoas me perguntam como continuar acompanhando a minha atuação na imprensa. O site vem suprir uma demanda do público que se interessa por arte e que está carente de informações nessa área e a minha necessidade de continuar fazendo jornalismo diário. Além disso, o site vai congregar todas as minhas atividades na área cultural”, afirma Lerina, que atualmente é também colunista do site Coletiva.net e correspondente do Canal Brasil no RS.

unnamed (1)A plataforma é dinâmica, acessível e integrada com as redes sociais, permitindo o compartilhamento fácil de informações. A partir da home, o visitante pode acessar também conteúdos externos, como o canal do Youtube do jornalista e suas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.

O site será acompanhado também de uma newsletter, enviada todas as quartas-feiras, e que traz as principais notas da semana e eventos recomendados. A assinatura da newsletter é gratuita e pode ser feita pelo site.

Nos próximos dias, terá início uma campanha para anunciantes do site. “A ideia é comercializar espaços publicitários (banners) para empresas que se identificam com a cultura e também para projetos culturais que precisam divulgar suas ações para um público qualificado”, afirma Roger. A realização de coberturas especiais em formato de branded content também está contemplada na plataforma: “Queremos que o site seja um espaço onde as pessoas possam encontrar informações detalhadas sobre o que acontece em Porto Alegre e no mundo. Por isso, pensamos em criar uma seção especial para produzir conteúdos para eventos, festivais e espetáculos culturais”.

Concebido pelos designers Fred Messias e Gabriella Tachini, da Pomo Estúdio Criativo, com coordenação de conteúdo da jornalista Adriana Martorano, o site Rogerlerina.com.br é desenhado e programado de acordo com especificações de design responsivo, otimizado para monitores de alta e média resolução, tablets e smartphones.

Roger Lerina
Jornalista Cultural, integrante da Associação Brasileira de Críticos de Cinema (Abraccine) e atua como repórter e crítico de cinema no Canal Brasil. É colaborador do site Coletiva.Net, onde publica uma coluna de opinião semanalmente, às quartas-feiras. Atualmente é curador do projeto de cinema Meu Filme Favorito, realizado no Instituto Ling durante o ano de 2018.

Atua também como roteirista, curador de festivais, Mestre de Cerimônias em eventos e DJ nas horas vagas.

Considerado um dos principais jornalistas culturais do Brasil, por quase 20 anos Roger foi editor da coluna Contracapa, no Segundo Caderno do jornal Zero Hora, onde trabalhou também como repórter e crítico de música, cinema, artes visuais e teatro. A Contracapa foi, durante esse período, o mais importante espaço de visibilidade para artistas e produtores culturais de Porto Alegre e do Rio Grande do Sul, além de trazer informações sobre os principais acontecimentos da arte no Brasil e no mundo.

Entre 2011 e 2015 teve também um programa de televisão, na extinta TV COM. O Programa do Roger, exibido diariamente durante a semana, trazia entrevistas, reportagens e shows ao vivo.

É autor do livro “Mauro Soares – A Luz no Protagonista” (2015), volume da coleção Gaúchos em Cena, publicada pelo festival Porto Alegre Em Cena. É corroteirista da série de TV “Os Fagundes – Tá no Sangue” (2016), produzido pela Estação Filmes.

Fonte: Adriana Martorano | jornalista

Teatro: “Marat Sade, de Peter Weiss” com entrada franca em Pelotas

A Troupe da disciplina de Montagem Teatral II, do curso de Licenciatura em Teatro da UFPel, apresentará a peça Marat Sade, de Peter Weiss, nesta quarta-feira, dia 7 de março, às 19h, na Sala Carmen Biasoli, na rua Almirante Tamandaré, 301.

Entrada gratuita. Retirada de senhas a partir das 18h30min. Na sexta-feira (9), o grupo leva a peça à Universidade Federal de Santa Maria.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Peter Weiss, artista plástico e dramaturgo alemão, quando jovem sofreu a perseguição nazista e sua família perdeu bens e trabalho. Em 1945, depois de residir em vários países, Weiss adota a cidadania sueca. Destaca-se também como roteirista e diretor de cinema, especialmente de documentários. Seu teatro se caracteriza por uma densidade social e política, influenciado pelo sentimento de impotência diante do massacre de milhões de judeus, alemães, tchecos, poloneses, homossexuais, negros e tantos outros grupos sociais e de etnias.

Admirador de Brecht e Piscator, suas peças quase sempre se apoiam em fatos históricos, revelando sua preocupação com a injustiça, a violência, o extermínio e a tirania. Sobretudo, aponta a violência como instrumento de dominação, a destruição do homem comum. Em Marat Sade, Weiss propõe para o palco a fábula e a respectiva encenação realizada pelo Marquês de Sade com os internos do hospício de Charenton, lugar, onde no século XIX, eram colocados opositores, desafetos, adversários, descontentes, desviantes, loucos e enfermos.

Sade e Marat foram internos de Chareton por razões diferentes mas não menos importantes. O primeiro por suas posições relativas à libertação do indivíduo, da libido e da autonomia como forma de transformação das pessoas e da sociedade; O segundo, um dos intelectuais da revolução francesa, acreditava nas transformações sociais e coletivas como forma de mudar o indivíduo. Pode-se suspeitar que enquanto Sade fora excluído das ruas de Paris por confrontar a moral vigente, Jean Paul Marat estava preso por suas posições políticas, por condenar os rumos da revolução e apontar os seus traidores. Embora Marat Sade trate do assassinato de Jean Paul Marat, Weiss amplia a reflexão e estende o foco para a complexidade e contradições das relações sociais e políticas.

A troupe da disciplina de Montagem Teatral I traz uma montagem singular em que procura expandir a reflexão proposta por Weiss em Marat Sade, atualizando os temas da repressão, inclusive da repressão sexual, e da política, do status quo e da transformação social, ampliando a concepção para além do tempo histórico da Revolução Francesa e de seus desdobramentos. Nesse sentido, os debates entre Sade e Marat adquirem atualidade.

MARAT SADE
De Peter Weiss
Segundo a troupe de Satolep
Quando? 7 de março de 2018 – quarta-feira
Hora? 19h
Onde? Sala Carmen Biasoli – Rua Almirante Tamandaré, 301 – Pelotas RS
Entrada Franca

Direção: Paulo Gaiger
Assistentes de direção: Johann Ossanes / Juliana Caroline / Kellen Ferreira

Cartaz-07.03.18

Troupe de Satolep
Evelin Suchard /Gengiscan Pereira / Grégori Eckert / Higor Alencar / Hugo Tavares / Johann Ossanes / Juliana Caroline / Juliana Ximenes / Kellen Ferreira / Lucas Ulguim / Márcia Monks / Régis Riveiro / Vivi Lauz

Participação especial
Gustavo Dias / Jany Rodrigues / Matheus Messias

Projeto de iluminação e operação de luz
Daniel Furtado

Preparação vocal
Gustavo Dias / Johann Ossanes

Coreografia 1
Rui Carlo

Coreografias várias
Jany Rodrigues e Troupe

Música ao vivo
Régis Riveiro – Violão / Johann Ossanes – ukulele / Jany Rodrigues – percussão / Gustavo Dias – escaleta e percussão / Mateus Messias – flauta e percussão

Arranjos
Gustavo Dias, Paulo Gaiger, Johann Ossanes e Mateus Messias

Canções (por ordem): Canção da Troupe (Paulo Gaiger)/ Canção do hospício (Johann Ossanes) / Rap do coro 1 (Paulo Gaiger) / Canção do coro para Marat (Paulo Gaiger) / Vocalize da Corday (Gustavo Dias / Paulo Gaiger) / Canção da Corday (Paulo Gaiger) / Canção litúrgica (autor desconhecido) / Rap do coro 2 (Paulo Gaiger) / Instrumental (Gustavo Dias) / Canção do Marat (Paulo Gaiger) / Canção do Sade (Paulo Gaiger) / Marcha enredo (Paulo Gaiger)

Figurinos
Larissa Tavares e Troupe

Socorro francês
Fernanda Fernandes e Fabiana Jorge

Alter ego e maquiagem
Gengiscan Pereira.

Agradecimentos
Ederson Pestano, Vitinho Manzke, Romeu Santos, Sessi Barcelos, Leandro Maia, Zé Everton, Larissa Tavares, Centro de Artes.

Começa nesta semana o 6º Sesc Mulher em Porto Alegre

O 6º Sesc Mulheracontecem acontece entre os dias 08 de março e 09 de abril, na Unidade do Sesc Centro em Porto Alegre, com uma intensa programação cultural.

São 15 atrações, entre espetáculos teatrais, bate-papos, oficinas e sessões de cinema de forma gratuita e paga. Neste ano, o evento acontece entre os dias 08 de março e 09 de abril na Unidade do Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665). Mais informações podem ser obtidas no telefone (51) 3284-2070, no site www.sesc-rs.com.br/centro e na página www.facebook.com/sescportoalegre.

O destaque da programação é o show “Soledade”, de Cida Moreira, no Theatro São Pedro, no dia 15 de março, às 21h, com ingressos entre R$ 15 e R$ 40. No palco, Cida interpreta clássicos de Belchior, Caetano Veloso, Leonardo Cohen e Tom Waitts. Conhecida por sua voz potente e intensa personalidade cênica, a cantora define “Soledade” como um estado poético e musical.

Mulheragem Madalena -Foto: Marcelo Cabrera
Mulheragem Madalena -Foto: Marcelo Cabrera

Outra atração é a peça “Mulheragem”, do Coletivo Mulheragem, que acontece nos dias 09 e 10 de março, às 20h, no Teatro Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665). O espetáculo reúne sete cenas curtas que refazem a memória de mulheres na história e denunciam as violências cometidas contra elas. Os ingressos para as apresentações estão disponíveis nos valores de R$ 11 para a categoria Comércio e Serviços com Cartão Sesc/Senac; R$ 16,50 para empresários, estudantes, classe artística, idosos e professores; e R$ 33 para o público em geral. Após a peça, as atrizes farão um bate-papo com o público.

Entre as atividades gratuitas, está a exposição coletiva “Fissuras da Paisagem: enredos de quatro mulheres”, por Lilian Maus, Natália Leite, Durvalina Celestino e Claudina Pereira (in memoriam), com curadoria de Daniela Pinheiro Machado Kern, durante os dias 08 de março e 09 de abril. O trabalho pode ser visto no Café Sesc Centro, de segunda a sexta, das 8h às 20h, e aos finais de semana, 1h antes de cada apresentação do Teatro. Bem como no Espaço Multicultural Livros sobre Trilhos (Estação Mercado da Trensurb), das 8h às 00h. E ao ar livre, no dia 11 de março, acontece a apresentação da performance “Eu não Sou Macaco”, da Co-produção Usina do Trabalho do Ator (RS), no Parque da Redenção (Trecho entre campo de bocha e o Parquinho da Redenção), às 12h e às 14h.

Ao longo do mês de março, o público também poderá exercer sua solidariedade: o Sesc Centro receberá doações de café em pó, que será revertido para a Casa do Artista Rio-Grandense. Confira abaixo a programação completa do 6º Sesc Mulher.

Sobre o Arte Sesc – Cultura por toda parte – Criado pelo Sistema Fecomércio-RS em 2007, o programa reúne todas as atividades culturais desenvolvidas pelo Sesc no Rio Grande do Sul, entre teatro, música, artes plásticas, literatura e cinema. Além de promover uma intensa troca de experiências e ampliar o acesso à produção artística, o Arte Sesc busca ser reconhecido como promotor de ações culturais no Estado, sendo elas não só apresentações artísticas, mas também de caráter formativo e educacional, orientadas por três eixos: transversalidade, diversidade e acessibilidade.

6º Sesc Mulher – Porto Alegre
De 08 de março a 09 de abril

08/03 a 09/04
Exposição Coletiva: “Fissuras da Paisagem: enredos de quatro mulheres”
Lilian Maus, Natália Leite, Durvalina Celestino e Claudina Pereira (in memoriam), com curadoria de Daniela Pinheiro Machado Kern (RS)
Locais: Café Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665) e Espaço Multicultural Livros sobre Trilhos (estação Mercado da Trensurb)
Horários: 8h às 20h – no Café Sesc Centro segunda a sexta – aos finais de semana, 1h antes de cada apresentação do teatro) e das 8h às 24h – no Espaço Multicultural Livros sobre Trilhos
Sinopse: Um diálogo visual entre quatro mulheres fortes. Uma conversa que envolve cores, formas, linhas e métodos de se criar mundos quando se está internado, desde muito cedo, em um mundo outro, o Hospital Psiquiátrico São Pedro. O que encontramos em tal diálogo proposto pela exposição FISSURAS DA PAISAGEM é sempre o inesperado, o que escapa ao controle, como as marcas de mofo nos bordados de Natália Leite; as manchas de guache das pinturas de Dorvalina Souza; e a prosa libertadora e perspicaz das agendas de Claudina Pereira. Lilian Maus mergulhou nesse mundo outro ao se deixar impregnar pelas obras dessas três artistas, tanto pelas cores que escolhe para suas pinturas, quanto pelos temas. O resultado é uma paisagem interior de escuta, que reage a paisagens interiores de limite desconhecido, de liberdade batalhada, conquistada e sempre em expansão. Afinal, não é à toa que Claudina se coloca no lugar de um pássaro: “Sou ave sem ninho com todos os seus sinônimos”.
Classificação: livre

08/03
“Mulher – Mosaico Sonoro – Corporal”
BatuKatu Grupo Artístico – Núcleo BatuKatu (RS)
Local: Praça Dom Sebastião (entre o Colégio Marista Rosário e o Hospital da Criança Santo Antônio)
Horário: 12h
Sinopse: o Núcleo BatuKatu apresenta “Mulher – Mosaico Sonoro – Corporal”, uma intervenção artística (cênico-musical) urbana, inédita e interativa, que mescla tecnologia e música corporal para compor um mosaico sonoro com fragmentos de canções e poemas escritos exclusivamente por mulheres, executado com sons essencialmente orgânicos (voz falada, cantada, percussão corporal e vocal) e com participação de transeuntes e do público expectador. Especialmente concebida para reverenciar as mulheres em seu dia e referenciar exclusivamente mulheres compositoras, poetisas e rappers, a performance é dividida em três momentos distintos, e pretende provocar encantamento e reflexões acerca das dores e delícias de ser mulher no Brasil. Na abertura, um arranjo autoral com trechos de canções e ritmos marcantes chama o público e tece um panorama do riquíssimo legado musical das compositoras que marcaram a história da música no Brasil, desde a pioneira Chiquinha Gonzaga até as expoentes mais recentes como Karol Conka. No momento mais intimista da performance, uma sequência de improvisações cênico-musicais trazem versos de poemas que descrevem o universo feminino permeados com células melódicas e rítmicas – algumas sugeridas pelo próprio público, por meio de dinâmicas de criação espontânea-intuitiva. Encerrando a intervenção, nova tecelagem de canções que homenageiam as mulheres e evocam o poder, a graça e o sagrado feminino.
Classificação: livre
Duração: 40 minutos
Entrada Franca

09 e 10/03
Espetáculo Mulheragem
Mulheragem (RS)
Local: Teatro do Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665)
Horário: 20h
Após os espetáculos haverá bate-papo com as atrizes
Sinopse: Mulheragem reúne sete cenas curtas que refazem a memória de mulheres na história e denunciam as violências cometidas contra elas. Poderosas e inquietas, elas foram protagonistas mesmo em épocas contraditórias, lutando pelos seus direitos e conquistando seu espaço. Sete atrizes inspiradoras trazem à tona biografias que nos foram subtraídas e histórias que nunca tiveram espaço para serem contadas. Se uma mulher no palco já representa um ato de resistência, sete mulheres pautando o universo feminino é essencialmente revolucionário.
Classificação: livre
Duração: 80 minutos
Ingressos: nos valores de R$ 11 para a categoria Comércio e Serviços com Cartão Sesc/Senac; R$ 16,50 para empresários, estudantes, classe artística, idosos e professores; e R$ 33 para o público em geral

11/03
Eu não Sou Macaco
Grupo: Co-produção Usina do Trabalho do Ator (RS)
Local: Parque da Redenção (Trecho entre campo de bocha e o Parquinho da Redenção)
Horários: 12h e 14h
Sinopse: Ação performática que denuncia diversas injustiças cometidas em relação aos cidadãos da etnia negra. Utilizando-se da linguagem teatral como forma de manifestação política, a atriz Dedy Ricardo retoma os nomes e assume as identidades e as histórias de Cláudia da Silva Ferreira – a mulher arrastada por uma viatura da polícia pelas ruas de favela do Rio de Janeiro, Amarildo Dias de Souza – desaparecido após interrogatório na Unidade de Polícia Pacificadora na Rocinha, Paulo Afonso Soares – militante gay assassinado em Porto Alegre – além de figuras históricas, como João Cândido e os lanceiros negros, como forma de manter acesa a capacidade de indignar-se com tais injustiças e relembrá-las, para que não tornem a acontecer novamente.
Entrada Franca

12/03
Filme: Divã
Local: Teatro do Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665)
Horário: 12h30
Gênero: Comédia/Drama
Direção: José Alvarenga Jr.
Ano: 2009
Sinopse: “Divã” conta a história de Mercedes, uma mulher de 40 anos que vive às voltas com as alegrias e desafios da sociedade contemporânea. Casada e mãe de dois filhos, Mercedes decide, mesmo sem saber bem o porquê, procurar um psicanalista. E, assim, o que antes era apenas uma curiosidade, se transforma em uma experiência devastadora, que provoca uma série de mudanças em sua vida cotidiana.
Classificação: 14 anos
Duração: 88 minutos
Entrada Franca

13/03
Oficina Fissuras da Paisagem
Ministrante: Lilian Maus
Local: Teatro do Sesc Centro (Av. Alberto Binns 665)
Horários: 14h às 16h
Sinopse: oficina de aquarela para percepção e construção da paisagem a partir de exercícios de experimentação sobre papel.
Duração: 2h
Inscrições: encerradas

15/03
Soledade
Cida Moreira (SP)
Local: Theatro São Pedro (Rua. Praça Marechal Deodoro s/nº)
Horário: 21h
Sinopse: Cida Moreira em Soledade, canta grandes compositores brasileiros, como Belchior, Caetano Veloso e muitos outros. No repertório eclético, temos Leonardo Cohen e Tom Waitts. Para Cida Moreira, “Soledade é um estado poético e musical, um sentimento de soledade pessoal e outros muitos sentidos vindos da memória, da poesia, de uma viagem antiga pelas cidades, pelos amores, pelas grandes referências a um estado de alma feminino, de uma artista que em tudo canta um Brasil profundo.”
Classificação: livre
Duração: 60 minutos
Ingressos: nos valores de R$ 15 para a categoria Comércio e Serviços com Cartão Sesc/Senac; R$ 20 para empresários, estudantes, classe artística, idosos e professores; e R$ 40 para o público em geral

19/03
Filme: As mães de Chico Xavier
Local: Teatro do Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665)
Horário: 12h30
Gênero: Drama
Direção: Glauber Filho e Halder Gomes
Ano: 1998
Sinopse: Ruth (Via Negromonte) tem um filho adolescente, que enfrenta problemas com drogas. Elisa (Vanessa Gerbelli) tenta compensar a ausência do marido dando atenção total ao filho, Theo (Gabriel Pontes). Lara (Tainá Muller) é uma professora, que enfrenta o dilema de uma gravidez indesejada. Estas três mulheres se encontram quando, cada um por um motivo particular, resolvem procurar a ajuda do médium Chico Xavier (Nelson Xavier).
Classificação: 12 anos
Duração: 120 minutos
Entrada Franca

20/03
Transição de Gênero: Construindo uma nova existência
Com Atena Beauvoir
Local: Café do Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665)
Horário: 19h
Sinopse: Um bate-papo com Atena Beauvoir, que é mulher transexual, educadora, filósofa e escritora, premiada em 2013 e 2014 em ciências humanas pela IFRS/POA e menção honrosa pela atuação em defesa e promoção dos direitos humanos LGBT na cidade de Canoas, escreveu o livro Contos Transantropológicos, uma série de contos, que buscam oferecer um novo olhar para a existência do ser fenomenologicamente humano.
Classificação: livre
Duração: 60 minutos
Entrada Franca

22/03
Prosa em pauta
Com Valesca de Assis, Renata Wolff e Priscila Pasko
Local: Espaço Saber e Lazer Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665)
Horário: 16h
Sinopse: comemorando o Dia Internacional da Mulher, as escritoras Valesca de Assis, Patrona da Feira do Livro de Porto Alegre 2017 e Renata Wolff, finalista no Prêmio Jabuti com o livro Fim de Festa debatem nesse encontro de gerações, a mulher na prosa. Como mediadora a jornalista e escritora Priscila Pasko.
Classificação: livre
Duração: 90 minutos
Entrada Franca

26/03
Filme: De Pernas pro Ar 2
Local: Teatro do Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665)
Horário: 12h30
Gênero: Comédia
Direção: Glauber Filho e Halder Gomes
Ano: 2010
Sinopse: Alice é uma mulher workaholic que tenta se equilibrar entre a rotina do trabalho e a família. Depois de perder o emprego e o marido, Alice vai descobrir com a ajuda da vizinha Marcela que é possível ser uma profissional de sucesso sem deixar os prazeres da vida de lado. O filme discute com leveza e humor os deliciosos conflitos das mulheres modernas.
Classificação: 14 anos
Duração: 98 minutos

28/03
Clube de Leitura Sesc Centro
Leituras poéticas: A mulher e a poesia
Local: Espaço Saber e Lazer Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665)
Horário: 16h
Sinopse: Clube de leitura Sesc Centro em homenagem ao Dia Mundial da Poesia e o Mês da Mulher, convida para Leituras Poéticas, onde leremos poesias escrita por poetas mulheres. Traga sua poesia e venha ler conosco.
Classificação: livre
Duração: 90 minutos
Entrada Franca

10/04
Oficina Mulheragem
Com Mulheragem (RS)
Local: Teatro do Sesc Centro (Av. Alberto Bins, 665)
Horários: 14h às 16h
Sinopse: a mandala de atrizes que compõem essa seleção de solos, recebe mulheres para um exercício de vivência teatral e encontro. Abertura – acolhimento, roda, conversa informal sobre os processos de cada atriz e as motivações de cada solo, cada uma das mulheres citadas na composição do MULHERAGEM, troca, sensações. Qual a mulher que mais te inspira? até onde tu conhece da tua linhagem feminina? Quem é você agora? roda e canções. ritual. Segunda parte – vivência prática; apropriação e percepção do corpo; jogos teatrais; improvisações sobre as inspirações e ponderações feitas na abertura da oficina. Mais mulheres lembradas, jogo de cena, jogo de lembrar, memória.
Classificação: livre (mulheres de todas as idades podem se inscrever)
Duração: 2 horas
Inscrições: pelo e-mail culturacentro@sesc-rs.com.br ou pelo telefone 3284.2072.

Fonte: Luiza Menezes – Usina de Notícias

Semana das Mulheres + Banda Mulamba no Diabluras em Pelotas

Durante os dias 04 a 09 de março, o Diabluras Gastronômicas em Pelotas, abre as portas para receber uma semana inteira de atividades, dedicadas a discutir a participação da mulher na sociedade, cultura e políticas públicas.

A programação conta com apresentação de peça de teatro, ciclo de cinema feminista, rodas de conversa, encontro das mulheres da música de Pelotas e show da banda curitibana Mulamba.

Confira a programação:

04/03 – 22H: O Reverso de Maria (Teatro)
05/03 – 19H: Roda de Conversa Vereadora Fernanda Miranda (entrada franca) + Som Dj Helô (couvert $10,-)
06/03 – 19H: Roda de Conversa “Papo de preta” (entrada franca) + Som B.art e Dj Dola (couvert $10,-)
07/03 – 19H: Ciclo de Cinema Feminista (entrada franca) + Som Marcela Mescalina e convidadxs (couvert $10,-)
08/03 – 19H: Jam Sessions Banda She Hoos Go e convidadxs (couvert $10,-)
09/03 – 21H: Show com a banda Show Mulamba em Pelotas | Encerramento Semana das Mulheres – Abertura do show Banda Marietta Baderna.
Evento no Facebook

Banda Mulamba
Representando na sua sonoridade, um grito de vozes silenciadas. Com letras impactantes que traduzem suas mensagens de luta e resistência, por meio de uma linguagem poética e performances potentes. Faixas como “P.U.T.A” e “Mulamba”, abordam temas contundentes e reforçam o protagonismo feminino na música nacional e independente.

Para abrir essa noite phynissima, a banda Marietta Baderna, de Pelotas, traz um repertório baseado em músicas de compositoras brasileiras que impulsionam o empoderamento feminino.
Evento no Facebook

Curso Livre de Teatro com inscrições abertas em Pelotas

Estão abertas as inscrições para o Curso Livre de Teatro em Pelotas, com turmas Baby, Infantil, Adolescente e Adulto. Aula experimental acontecerá no dia 3 de março com os professores Karen Schiller e Charlie Rayné.

O teatro, por exprimir a realidade, é um importante instrumento de manifestação. Por meio dessa arte é possível criticar, instruir, emocionar e também fazer rir. A arte de imitar a vida usando a emoção é algo libertador e transformador. É por meio de jogos teatrais, improvisações, exercícios de desinibição, postura e oratória, expressões corporais, técnicas vocais e criações de cenas que o aluno aprende não só a atuar no palco, mas a se sentir mais seguro, e assim, a refletir e atua na sociedade. O teatro promove um maior repertório cultural, a socialização, a integração e a formação como ser humano e cidadão. A magia dessa arte tem resgatado alunos que sentiam-se perdidos e desmotivados.

É com esse pensamento que a professora de português, atriz e diretora Karen Schiller e o jornalista, ator, escritor e diretor Charlie Rayné convidam a todos para participar da aula experimental que ocorrerá no dia 03 de março de 2018, sábado, na rua General Osório, 406. Abaixo seguem os horários de cada faixa etária. O valor do curso para quem tiver interesse é de 60 reais mensais.

Curso Livre de Teatro – Turmas 2018
Endereço: Rua General Osório, 406 – Pelotas RS
Turmas:
Baby (3 a 6 anos) e Infantil (7 a 12 anos) – Das 14h às 16h
Adolescente (13 a 17 anos) – Das 16h às 18h
Adulto (a partir de 18 anos) – Das 18h às 20h
Informações fone/whatsap: (53) 98445.9038

28169981_1566408183473687_2135339623_o

Virada Sustentável – Porto Alegre Musical lança edital para seleção de shows

Projeto vai escolher doze espetáculos musicais que farão parte da programação da Virada Sustentável 2018.

O projeto Porto Alegre Musical lança, no dia 16 de fevereiro, o edital que vai selecionar doze espetáculos musicais para serem realizados dentro da programação da Virada Sustentável Porto Alegre 2018, que acontece entre os dias 06 e 08 de abril. As inscrições são gratuitas e estarão abertas até o dia 09 de março. O regulamento e a ficha de inscrição podem ser acessados no site http://www.viradasustentavel.org.br/poa.

31-03-2017 Bloco da laje e turucutá - Fotos - Luiz Munhoz_2133Podem se inscrever músicos em qualquer tipo de formação (bandas, duos, trios etc) para apresentações no dia 06 de abril, em quatro pontos centrais de Porto Alegre – Esquina Democrática, Mercado Público, Casa de Cultura Mário Quintana e Praça Júlio Mesquita – e nos dias 07 e 08 de abril, nos palcos da Serenata Iluminada e da Virada Sustentável – Ecoponto da Redenção. O resultado da seleção será divulgado no dia 13 de março.

O objetivo do projeto é compor uma programação artística com conceito de agito cultural e ocupação urbana, por meio da seleção de propostas musicais que fortaleçam a consciência social sobre a questão da sustentabilidade e os temas que norteiam a Virada 2018: redução das desigualdades sociais, educação de qualidade, cidades sustentáveis, colaboratividade, consumo responsável, água potável e saneamento, paz, justiça e instituições eficazes (confira abaixo o detalhamento dos temas).

31-03-2017 Bloco da laje e turucutá - Fotos - Luiz Munhoz_1971O Projeto Porto Alegre Musical está na sua terceira edição e, mais uma vez, integra a programação da Virada Sustentável Porto Alegre. Em 2016, o projeto trouxe Os Fagundes e Luiz Marenco na parte regionalista, e Bloco da Laje e Banda Saldanha para celebrar o samba. Mais de 12 mil pessoas assistiram aos espetáculos, que ocorreram no Largo Glênio Peres, proporcionando pleno e democrático acesso a milhares de pessoas que circulam pelo centro histórico da cidade no fim de tarde. Em 2017, o projeto apresentou dois shows no Largo Glênio Peres e duas oficinas de música durante o evento. A Orquestra de Câmara da ULBRA, sob a regência do maestro Tiago Flores, abriu a Virada Sustentável 2017, com músicos convidados como Chico Saratt, Neto Fagundes, Sergio Rojas, Shana Muller e Maurício Marques para executar As Grandes Canções dos Festivais Nativistas. Depois foi a vez dos grupos Turucutá e Bloco da Laje levarem ao Largo Glênio Peres o som dos Tambores de Rua. A oficina A História da Música nos Festivais Nativistas do Rio Grande do Sul, ministrada pelo crítico musical e jornalista Juarez Fonseca e pelo maestro Tiago Flores, revelou compositores e músicos que geraram para o RS um acervo extraordinário de canções. Já a Oficina de Percussão da Turucutá proporcionou uma vivência da cultura, música e ritmos dos tambores. Toda a programação teve entrada franca.

Em 2018, o projeto traz outra vez o Bloco da Laje e o Turucutá como convidados, além de uma apresentação especial do grupo As Três Marias. Estes três espetáculos completam a programação do projeto. Com a realização do edital, o Porto Alegre Musical amplia o seu alcance, proporcionando uma quantidade maior de espetáculos, em mais locais e dias de realização. Além da parceria com a Virada Sustentável, surge também uma nova aliança com a noite consagrada da Serenata Iluminada, no largo Setembrina, na Redenção.

O projeto tem patrocínio da Braskem, com financiamento do Pró-Cultura RS – LIC / Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer do RS / Governo do Estado do Rio Grande do Sul, apoio da Serenata Iluminada e da Virada Sustentável Porto Alegre e produção cultural da Companhia de Produção.

Porto Alegre Musical – Edital para seleção de espetáculos musicais
Regulamento e ficha de inscrição: http://www.viradasustentavel.org.br/poa
Período de inscrição: de 16 de fevereiro a 09 de março de 2018 (até às 23h59min)
Data da divulgação do resultado: 13 de março de 2018
Informações: viradasustentavelpoa@gmail.com
Site: http://www.viradasustentavel.org.br/poa
Facebook: www.facebook.com/viradasustentavelpoa
Instagram: @viradasustentavelpoa

Conheça os temas da Virada Sustentável Porto Alegre 2018
As realizações da Virada Sustentável em todo o Brasil são inspiradas pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pela ONU. Esses objetivos representam hoje a melhor tradução do que é a sustentabilidade, trazendo o conceito de forma clara para a sociedade e revelando sua natureza transversal nas mais diversas áreas do conhecimento humano. Cada tema da Virada Porto Alegre 2018 está relacionado com um ou mais ODSs e foram escolhidos colaborativamente com o Conselho Consultivo do festival, composto por representantes de diversos setores da cidade de Porto Alegre.

ODS 1 – ERRADICAÇÃO DA POBREZA e ODS 10 – REDUÇÃO DAS DESIGUALDADES – Palavras-chave: cidadãos invisíveis, desigualdade econômica, violência, falta de diálogo.

ODS 4 – EDUCAÇÃO DE QUALIDADE – Palavras-chave: educação básica, educação para protagonismo, autoconhecimento, formação de cidadão ativos e responsáveis, educação para desenvolvimento sustentável, educação superior, cursos de extensão, cursos/escolas alternativas.

ODS 11 – CIDADES E COMUNIDADE SUSTENTÁVEIS – Palavras-chave: Ciclovias, parques, árvores.

ODS 12 – CONSUMO E PRODUÇÃO RESPONSÁVEIS – Palavras-chave: Empreendedores, feiras, brechós, orgânicos, etc.

ODS 14 – VIDA NA ÁGUA e ODS 6 – ÁGUA POTÁVEL E SANEAMENTO – Palavras-chave: arroios, rios, delta do jacuí, esgoto, nascentes e orla do guaíba.

ODS 16 – PAZ, JUSTIÇA E INSTITUIÇÕES EFICAZES – Palavras-chave: violência, corrupção, instituições públicas ineficazes e injustiça.

ODS 17 – PARCERIAS E MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO – Palavras-chave: lideranças ambientais históricas; habilidade de estabelecer redes.

Histórico da Virada Sustentável
A Virada Sustentável foi criada em São Paulo e está em sua 7ª edição na capital paulista. As realizações da Virada Sustentável em todo o Brasil são regidas pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) definidos pela ONU.

Em Porto Alegre, a primeira edição da Virada ocorreu em 2016 e mobilizou mais de 50 mil pessoas, que participaram de atividades como shows, seminário, remada, skate, pedalada e oficinas. Também foram recolhidas quase três toneladas de lixo eletrônico e 315 litros de óleo de cozinha foram encaminhados para reciclagem. Assista aqui o teaser da primeira edição.

A primeira Virada Porto Alegre também realizou o Prêmio Boas Ideias de Sustentabilidade, que reconheceu importantes iniciativas inovadoras e sustentáveis desenvolvidas em Porto Alegre e cidades vizinhas (confira os vencedores clicando aqui). As iniciativas vencedoras participaram da Virada 2017 dentro do Seminário Boas Ideias de Sustentabilidade e da Feira de Empreendedorismo Inovador.

A 2ª edição da Virada Sustentável aconteceu entre março e abril de 2017. Com os temas Empreendedorismo e Inovação Sustentável, Educação para a Sustentabilidade e Ecogastronomia e Alimentação Saudável, o festival reuniu cerca de 200 atrações e atividades que foram realizadas simultaneamente em diferentes locais e em quatro EcoPontos – espaços de encontro e mobilização durante a Virada Sustentável de Porto Alegre: a Casa de Cultura Mario Quintana, a Associação Cultural Vila Flores, o Parque da Redenção e o SESC Campestre.

Foram mais de 400 profissionais (entre ativistas, artistas, painelistas, ecochefs e empreendedores) envolvidos diretamente nas 205 atividades (177 atividades na programação da Virada e 28 atividades de adesões realizadas em locais próprios), que mobilizaram um público de mais de 30.000 pessoas.

Ações colaborativas, seminários, mostras de filmes, esportes, oficinas, shows e espetáculos teatrais, artes visuais, feiras de inovação e Virada Ecogastronômica, estiveram entre as atrações, todas gratuitas e abertas ao público. Acesse aqui o teaser da segunda edição.

Além dos Ecopontos, a Virada contou, ainda, com outros locais de realização de atividades, como a Unisinos – Novo Campus Porto Alegre, o StudioClio e o Largo Glênio Peres.

Diferentes projetos e iniciativas que buscam valorizar e dar visibilidade à promoção da sustentabilidade também formaram parte da programação através do Edital de Adesões, que recebeu mais de 150 inscrições e selecionou 77 projetos para integrar a Virada. As atividades foram promovidas de forma autônoma por grupos, coletivos, movimentos e instituições diversas.

 

Fonte: Adriana Martorano Comunicação

O Gato Comeu terá apresentações no Cassino e em Pelotas

Musical infantil terá apresentações no Verão Cultural na Praia do Cassino, dia 24 de fevereiro e no Parque da Baronesa em Pelotas, dia 25 de março, num show beneficente em comemoração da Semana da Criança com Síndrome de Down, ambos com entrada franca.

O projeto foi idealizado pela jornalista Desirée Costa, pós-graduanda em mídias na Educação, pela Universidade Federal do Rio Grande e conta com os músicos Júnior Noble (voz e violão) e Alexandre Vianna (voz, harmônica, violão, guitarra e percussão).

Foto Divulgação
Foto Divulgação

O Gato Comeu – Cantando Histórias
Musical Infantil, apresenta de forma lúdica e singela, unindo a música e o contar histórias, musicando as histórias clássicas do universo infantil. De forma original e totalmente autoral, cada história ganha sua própria musicalização, tornando assim os contos mais lúdicos e diferentes para a apreciação pelo público infantil, cativando também os adultos.
Curta O Gato Comeu no facebook e acompanhe o projeto.

O Gato Comeu no Verão Cultural da Praia do Cassino
Quando? 24 de fevereiro de 2018 – sábado
Hora? 19h
Onde? Palco de Shows da Prefeitura na Avenida Rio Grande
Entrada Franca

O Gato Comeu no Parque da Baronesa em Pelotas
Show beneficente em comemoração da Semana da Criança com Síndrome de Down.
Quando? 25 de março de 2018 – domingo
Hora? 16h
Onde? Parque da Baronesa
Entrada Franca