Economia de Cultura

Foto: Deco Rodrigues
Foto: Divulgação

Converso muito com os guardadores de carro, conheço vários, não pelo nome, mas pelo ponto que geralmente é o mesmo de sempre, ontem passava justamente pela praça voltando pra casa e um deles me aborda muito insatisfeito e me comenta que a féria do dia tava cada vez menor e que pelo andar da carruagem teria que trocar de profissão (sem aspas mesmo). O amigão reclamou do público do Theatro, já que seu posto de trabalho fica enfrente ao Sete de Abril e disse que em outros tempos havia mais movimento logo, mais faturamento.
São essas pequenas coisas que me fazem refletir cada vez mais sobre a tal da economia da Cultura, isso fica bem fácil entender quando a gente caminha pela cidade conversando com pessoas e circula pelos espetáculos que a cidade oferece, e aí se entende porque o ramo do entretenimento gera mais grana do que muita montadora de carro e bancos que recebem volumosos aportes de dinheiro dos cofres públicos.
Talvez apareça alguém dizendo que o público do sete se mantém estável e que os seus eventos são um sucesso, mas o cara que eu conversei está lá todos os dias, faça sol ou faça chuva, é a voz das ruas.

Alexandre Mattos
maisdemesa.blogspot.com

Produtor e Ativista cultural, e atualmente diretor de produção da Moviola Filmes.

Nota da Redação: Os artigos sempre são de responsabilidade do autor, por isso são assinados e não refletem, necessariamente, a linha ou pensamento do e-Cult, nem dos profissionais que nele trabalham. Os artigos são escritos justamente para abrir discussões sobre temas importantes.

Dia da Consciência Negra: Ações e Reflexões

consciencianegra-brasilculturaEm 20 de novembro é comemorado em todo o Brasil o Dia da Consciência Negra, data dedicada à reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira.
A data foi escolhida por coincidir com o dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. O Dia da Consciência Negra procura ser uma data para se lembrar a resistência do negro à escravidão de forma geral, desde o primeiro transporte forçado de africanos para o solo brasileiro, em 1594.
Algumas entidades, como o Movimento Negro (o maior do gênero no país), organizam palestras e eventos educativos, visando principalmente crianças negras. Procura-se evitar o desenvolvimento do auto-preconceito, ou seja, da inferiorização perante a sociedade.
Outros temas debatidos pela comunidade negra e que ganham evidência neste dia são: inserção do negro no mercado de trabalho, cotas universitárias, se há discriminação por parte da polícia, identificação de etnias, moda e beleza negra, etc.
O dia é celebrado desde a década de 1960, embora só tenha ampliado seus eventos nos últimos anos. Até então, o movimento negro precisava se contentar com o dia 13 de maio, data da Abolição da Escravatura – comemoração que tem sido rejeitada por enfatizar muitas vezes a “generosidade” da princesa Isabel, ou seja, ser uma celebração da atitude de uma branca. A semana dentro da qual está o dia 20 de novembro também recebe o nome de Semana da Consciência Negra.
Com o objetivo de valorizar a cultura e a história do povo negro, a Semana da Consciência Negra, que acontece em Pelotas de 12 a 22 de novembro, aborda este ano o tema: “Racismo: sem açúcar, sem afeto”. Durante a Semana, além da programação cultural, serão promovidas oficinas de geração, trabalho, renda e atividades lúdicas.
Nesta edição, por uma idéia que partiu do Movimento Negro e do consenso entre os Organizadores, o homenageado será Oliveira Silveira. Nascido em Rosário do Sul, no ano de 1941, residente em Porto Alegre. Oliveira é formado em letras, pesquisador e historiador, além de ser um dos idealizadores da transformação do dia 20 de novembro marchaem data máxima da comunidade negra brasileira.

Além das atividades organizadas pela prefeitura Municipal de Pelotas, o Fóru do Movimento Negro de Pelotas organiza a “Marcha da consciência Negra” a ser realizada sábado, dia 21.

O quê: Oficina de Literatura Infantil, Histórias Coletivas – Vocabulário Afro . Hora do Conto . Exposição – Grupo Quilombos Urbanos. Grupo de Dança Afro.Oficina de Literatura Infantil, Histórias Coletivas – Vocabulário Afro Hora do Conto.

Quando: dia 20 de novembro às 14h

Onde: Ginásio do Areal.

O quê: Marcha da consciência Negra

Quando: dia 21 de novembro às 9h.

Onde: Altar da Pátria, na Av. Bento Gonçalves, com chegada ao Largo do Mercado Público.

Isis Araújo – Equipe e-Cult

Banda do Gonzaga homenageia Pelotas

banda-musicalA Banda Musical do Colégio Gonzaga fez uma bela apresentação no entardecer do último sábado da Feira do Livro.

O Maestro Getúlio Soares Vargas regeu o conjunto em posição fixa, colocando os instrumentos de sopro no nível da rua e os de percussão e de cordas no palco (dir.).

A formação inclui desde pré-adolescentes até músicos com vasta experiência, inclusive na mesma banda, que começou sendo “marcial” em 1958 e ficou famosa nos anos 70.

O público presente na praça de alimentação escutou admirado e aplaudiu com entusiasmo o desempenho desta banda que orgulha Pelotas. Os músicos mostram excelente disciplina e sincronização, sempre concentrados na partitura ou no instrumento.

Paradoxalmente, os que estavam atentos não sabiam estar também alheios ao que ocorria a poucos metros dali.

De pé, o Mor Nedi Fernandes da Rosa observava satisfeito esta união de talentos (dir.). A certa altura, um dos jovens integrantes deixou o clarinete e subiu ao palco para interpretar canções dos Beatles, com a orquestra de apoio e acompanhando-se no violão ele mesmo.

Simultaneamente a este espetáculo e aos que se seguiram nessa noite no palco da Feira, ocorria a 5ª Mostra Brasil-Uruguai, na Biblioteca Pública.

Por um desentendimento entre os organizadores, Daniel Viglietti e outros músicos apresentaram no Salão Nobre a homenagem que a Feira prestava ao escritor uruguaio Mario Benedetti.

Não houve interferências sonoras entre estes dois shows da melhor qualidade, mas com a música lá fora a homenagem de dentro ficou reduzida a um evento paralelo (leia a nota). Com tudo isso, nenhum desses espetáculos foi mencionado no folheto oficial da Feira.

A gritante divergência humana e a inexplicável omissão ficam na história como um modelo de erro a não ser reproduzido pelas futuras produções da Feira.

Foto: F. A. Vidal
Fonte: pelotascultural.blogspot.com

I Jornada de Discussões sobre a Consciência Negra do ICH

zumbiNesta sexta-feira, 20 de novembro, data dedicada à Consciência Negra, o Instituto de Ciências Humanas da UFPel promove a I Jornada de Discussões sobre a Consciência Negra do ICH, com o seguinte foco: Afro-descendentes: Cultura e História, visando a incorporar-se à ampla programação de atividades realizadas em nossa cidade.
O evento, que será realizado no Auditório da Faurb, tem por objetivo fomentar o debate e divulgação dos estudos realizados por professores e alunos, no quadro da graduação e pós-graduação, tendo como público alvo tanto a comunidade interna (professores, servidores técnico-administrativos e estudantes), quanto externa (comunidade em geral). Serão apresentadas abordagens antropológicas, arqueológicas e históricas, além da linguagem áudio-visual (DVD) e perspectiva do patrimônio imaterial.

O quê: Afro-descendentes: Cultura e História.

Quando: dia 20 de novembro, das 14h às 21h.

Onde: Auditório da Faurb (rua Benjamim Constant, 1359).

Fonte: Universidade Federal de Pelotas

Secult articula homenagem à Yolanda Pereira

920fb01fcf80647c061e7fad9fe6771fO Secretário de Cultura do município, Mogar Pagana Xavier, visitou na tarde desta quarta-feira (18/11/09), o atelier do artista plástico José Antônio Alves Tavares com o objetivo de conhecer a mais recente obra do artista: o busto em homenagem à eterna miss, Yolanda Pereira, primeira brasileira a conquistar o título de Miss Universo, em 1930.

Segundo o próprio artista, que foi aluno de Antônio Caringi, a idéia de realizar o trabalho partiu de um passeio pela praça Cel. Pedro Osório. Ali ele observou que já existe um espaço (coluna) destinado a homenagear a eterna miss, faltava apenas a execução do busto. Partindo de antigas fotos de Yolanda, o artista plástico esculpiu o busto, reproduzindo, nos mínimos detalhes, a expressão, os olhos, a boca e o nariz de Yolanda, detalhes que segundo ele, deram mais trabalho.

Para a confecção da peça, o artista utilizou 40 kg de argila e um mês inteiro de trabalho. O busto mede 60 cm de altura por 37 cm de largura. O passo seguinte, e ainda mais trabalhoso é criar um molde, para que possa ser executado em bronze, mármore ou qualquer outro tipo de material.

O titular da Secult mostrou-se impressionado com a perfeição da obra, e em especial com a riqueza de detalhes e assumiu o compromisso de dar andamento no processo, pois a obra será doada pelo artista à municipalidade, porém existem custos de preparação de um molde, custo esse, bancado pela Secult.

Este foi o primeiro contato entre o artista e a Secretaria de Cultura do município. Outros encontros deverão ser posteriormente agendados, no sentido de discutir trâmites legais, como é o caso dos direitos autorais do artista, documentação referente à doação e outros.

Fonte: pelotas.com.br
Fotógrafo: Rafael Amaral

Bagagem Exposta – Retrospectiva da arte de Madu Lopes

obra“No processo de entrega que a pintura me pede ao longo destes anos não há  espaço para fuga… tudo afeta… inconscientemente ou claramente reflete… são camadas do artista pinceladas fora dele…”

madu-2“Tenho transitado nesta caminhada por um universo feminino e seus elementos simbólicos, em um processo de dialogo com uma anima presente que me acompanha e inspira. Quando pinto trabalho meus espaços, minha historia… vou longe em mim e me encontro, são janelas que abro em meu labirinto particular… são bagagens expostas ao vento que sopra sempre forte por aqui…”

Madu Lopes

convite-exposicaoO quê: Bagagem Exposta – Retrospectiva da arte de Madu Lopes.
Abertura: dia 19/11/09 das 20h30min às 22h30min.
Periodo: dia 20/11 a 16/12 de 2009.
Onde: João Gilberto Bar (Gonçalves Chaves, 430).

Lilia Costa
Jornal Folha das Artes / “Zilah Costa”/ MAPP
Fones: (53) 3225 2926 / 9116 6460
Pelotas/RS

Obra de Jorge Amado e Clube do Jazz no Joquim!

Dia 19 de novembro (quinta) na Casa Do Joquim Acontecerá joquim-19-novEnsaio Aberto da obra de Jorge Amado “O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá”, com solo de Aline Maciel.
Logo após, a música fica por conta do Clube do Jazz!

O quê: Ensaio Aberto e Clube do Jazz.

Quando: dia 19 de novembro.

Onde: Casa do Joquim (Telles n° 755).

Isis Araújo – Equipe e-Cult

Descontos para o show de Ana Carolina em Pelotas!

ana-carolina_375x375_400931

A Universidade Católica de Pelotas (UCPel) firmou parceria com a produtora Conexão V.P.I., o que resultou em descontos para os ingressos do show “N9ve” da cantora Ana Carolina, no próximo domingo (22), no Theatro Guarany. Estudantes da UCPel, mediante apresentação da carteira de identificação da Universidade, têm 50% de desconto nos ingressos. Também vestibulandos do Processo Seletivo de Verão da Católica têm 15% de desconto, apresentando o comprovante bancário de pagamento da taxa de inscrição do Vestibular.

Espetáculo
Ana Carolina celebra seus dez anos de carreira com o show N9ve, uma mistura de sons e ritmos que traduzem a autenticidade da mineira. Um espetáculo que reúne diferentes estilos, desde tango eletrônico, samba, salsa e bossa nova. Quem for ao Theatro Guarany poderá viajar nos acordes musicais que vão do rock’n’roll da pesada até o lirismo, piano, guitarra, violão, baixo e pandeiro, instrumento identificado com a musa.

O quê: Show de Ana Carolina
Quando: 22 de novembro, às 21h
Onde: No Theatro Guarany
Ingressos: Custam entre R$ 140,00 e R$ 200,00. Desconto para alunos da UCPel e vestibulandos com a inscrição quitada.
Vendas por telefone para cidades da região: contato com Indiara (53) 3028.0349 – na loja de calçados Sapataria (Rua 15 de Novembro, 730).

Fonte: Universidade Católica de Pelotas
Foto: Divulgação

Vale Cultura e Meia Entrada – Elos de uma corrente quebrada??

139_ad_bruno_g1

Não é de hoje que as chamadas Meia Entrada para estudantes, idosos e professores atrapalham e muito os orçamentos dos shows , influeciam nas decisões do que se trazer pras bandas do sul, pois sempre se cai na seguinte questão: Ou o ingresso é caro para que se consiga uma meia entrada humanamente possivel – mas ai afasta quem não paga as meias entradas – ou se faz um ingresso barato e perde-se muito nas meias entradas, sem falar na falta de aposta do público em coisas novas, em experimentar a arte, que a meu ver o bom é apostar em caminhos desconhecidos e não ver apenas o que se conhece de cor, se permitir o novo, mas esse é outro assunto.

Ando preocupado com o tal Vale Cultura, que parece que como a meia entrada vai ser aquela velha história do governo fazer bonito com o chapéu dos outros. Parece egoísmo meu, porém quem vivencia a realidade dos shows sabe que no mínimo o governo deveria repor, através de algum mecanismo, as meia entradas compradas e oferecidas pela lei que ELES criaram, ou pelo menos estabelecer uma cota no teatro de meia entradas, para que os produtores e artistas saibam qual porcentagem será de meia entrada.

Em relação ao Vale Cultura, parece que o governo vai ressarcir de alguma forma, mas fico imaginando um show onde tenhamos uma porcentagem alta de vale cultura e meia entrada , como se faz pra pagar a despesa ? Já imagino eu dando um bolo de papéis vale cultura pro técnico de som, um outro pro técnico de luz, até o pipoqueiro deve receber vales… ironias a parte, realmente é preocupante sim, espero que o mecanismo que se crie pro vale cultura seja mais digno que o da meia entrada, esse sim é um beneficio pro usuário; porém, pro outro lado da cadeia, produtores, músicos etc é uma sacanagem sem limites, já vi muita gente pagar meia entrada e ir gastar o resto de seu dinheiro em cervejadas homéricas após o show, ou descer de um carro importado e comprar meia entrada, acho válido que se estimule cada vez mais o acesso à cultura, sem dúvida , porém que se pense em TODA cadeia, e não apenas em uma parte para fazer bonito e conseguir votos em próximas eleições.

Espero mesmo que o Vale Cultura seja digno pra ambas partes da cadeia

Aliás, dia desses um(a) candidato(a)eterno a veredor(a) aqui da cidade quis me justificar o Vale celular que parece que vão implantar também como acesso a inclusão digital…
Aquela história políticos sempre tem uma justificativa pra tudo.

Caio Lopes
Produtor Cultural de Pelotas
caiolopes-caio.blogspot.com

Nota da Redação: Os artigos sempre são de responsabilidade do autor, por isso são assinados e não refletem, necessariamente, a linha ou pensamento do e-Cult, nem dos profissionais que nele trabalham. Os artigos são escritos justamente para abrir discussões sobre temas importantes.