Pelotas terá Festival da Bicicleta com extensa programação

Evento de ciclocultura oferece programação gratuita durante o mês de agosto e estão abertas as inscrições para as oficinas do “Pedal Arte: Festival da bicicleta de Pelotas”.

O Projeto que acontece de 14 de agosto até 03 de setembro, foi desenvolvido pela Agência CKCO, através do edital de apoio a eventos da Secretaria Municipal de Cultura de Pelotas. O festival reúne em sua programação oficinas de fotografia, monociclo, consertos básicos de bicicleta, condução e segurança no trânsito para ciclistas, além de um debate com professores de Arquitetura e Urbanismo sobre o potencial cicloviário da cidade, uma performance teatral criada por artistas integrantes do Grupo Tholl, o lançamento do pedal da diversidade, com um passeio ciclístico inclusivo por Pelotas, e uma exposição fotográfica. As atividades tem em comum a valorização do uso da bicicleta, seja como meio de transporte, lazer, turismo, prática artística ou ativista.

A proposta visa articular uma rede de conhecimento e respeito entre ciclistas e também aqueles que ainda não tem o hábito de pedalar, promovendo a bicicleta como instrumento de transformação pessoal, cultural e de desenvolvimento social. A ideia surgiu da percepção dos produtores culturais Patrick Tedesco e Tainah Dadda sobre a forma como Pelotas vem ao longo do tempo dando mostras de aderência à ciclocultura pelo poder público e por alguns segmentos da sua população.

Nas últimas gestões, os governos municipais têm implementado projetos de enriquecimento da rede cicloviária, os quais, com o passar dos anos, têm fomentado as possibilidades de deslocamento através da utilização da bicicleta como meio de transporte. Já por parte da sociedade, percebe-se o surgimento de reuniões populares no entorno do uso da bicicleta, exemplo disso é a organização de dois grupos de “pedal” que fizeram história na cidade: o “Pedal Curticeira” e o “Pedal Domingueira”. Através desses grupos, a prática do ciclismo se tornou fator central para o engendramento de novas amizades, a descoberta e exploração de locais até então pouco visitados e a prática de um esporte altamente benéfico à saúde. Assim, mais do que uma atividade esportiva, tais práticas são hoje reconhecidas como grandes manifestações culturais, perfazendo uma qualidade importante da identidade do pelotense.

Além disso, a topografia plana do município é um ponto a favor da prática do transporte cicloviário. No entanto, assim como as demais cidades brasileiras, Pelotas requer mais incentivos e debates para que possa se tornar plenamente ciclável. A sociedade atual é ainda fortemente ligada à cultura do automóvel, o que gera estigmas sociais, falta de planejamento urbano e insegurança para os usuários de bicicleta.

No intuito de fomentar essa discussão e incentivar a bicicleta como ferramenta democrática de empoderamento dos cidadãos, usada para gerar autonomia e bem estar para todos que com ela se relacionam, o festival Pedal Arte é lançado com uma gama de atividades formativas e artísticas, com entrada franca.

Interessados em participar das oficinas devem ter mais de 14 anos e podem se inscrever através de formulário online disponível em www.facebook.com/agenciackco. As vagas são limitidas e os selecionados serão informados por e-mail. Será disponibilizada tradução em Libras para a oficina Novos ares para o corpo e mente: criação de um pedal para a diversidade e para a fala de abertura da exposição Percursos e Acasos.

Programação

14 de agosto – 15h às 17h30
Mesa redonda: O lugar da bicicleta
com Fernanda Tomiello e Mauricio Polidori
Debate com professores de Arquitetura e Urbanismo sobre mobilidade urbana, sistemas e estruturas cicloviárias nas cidades contemporâneas e as potencialidades e alternativas de Pelotas para o uso da bicicleta.
Local: Auditório do Malg – Rua Gen. Osório, 725

17 de agosto – 12h30 e 18 de agosto – 17h00
Performance Monocírculos
com Thiago Vagalume, Simone Lyrio e Vinícius Vasconcelos
Performance teatral inédita com utilização de monociclo, desenvolvida por artistas integrantes do Grupo Tholl.
Local: Calçadão da Andrade Neves, junto ao Chafariz As Três Meninas

19 e 20 de agosto – 14h às 18h
Criação de um pedal para a diversidade: novos ares para o corpo e mente
com Felipe Gonçalves
Encontro para criação de um grupo inclusivo de passeios de bicicleta, que contemple a diversidade de seu participantes. Além do planejamento de rotas e agendas, a oficina se encerrará com o primeiro passeio do Pedal da Diversidade.
Local: Auditório do Malg – Gen. Osório, 725

22 e 24 de agosto – 14h às 18h
Monociclo: estudo e prática sobre uma roda
com Thiago Vagalume
Oficina que apresenta um panorama histórico do surgimento do monociclo e suas utilizações, guiando os interessados em um primeiro contato prático com suas técnicas. Local: Centro de treinamento do Grupo Tholl – Rua Garibaldi, 630

23 de agosto – 14h às 18h
Oficina de Condução e segurança no trânsito
com Lorran Dolácio
Conheça mais sobre legislação de trânsito, primeiros socorros, equipamentos de proteção, dicas de rotas e primeiros passos para o treinamento esportivo para quem deseja tornar-se mais experiente como ciclista.
Local: Casarão 2 (Secult) – Praça Cel. Pedro Osório, nº 2

29 e 30 de agosto – 19h às 22h
Não fique na estrada: consertos básicos de bicicleta
com Valdyr Maduel
Introdução à mecânica básica de bicicleta, com dicas de consertos rápidos e manutenção, apresentação dos componentes do equipamento e como escolher a bicicleta adequada.
Local: Loja Figueira Bicicletas – Centro – Rua Félix da Cunha, 659

01 de setembro – 18h30 às 21h30
Abertura da exposição “Percursos e Acasos” e conversa
com o artista com Anderson Astor
Exposição do fotógrafo e artista visual porto alegrense Anderson Astor. A obra é resultado dos registros de uma viagem de bicicleta do artista até o Uruguai. O evento promove bate papo com o realizador sobre seu processo de criação e relação com a bicicleta.
Local: Casarão 8 – Museu do Doce – Praça Cel. Pedro Osório, nº 8

02 de setembro – 09h30 às 12h30 e 14h às 18h
Pedale com arte: oficina de fotografia e artes visuais sobre duas rodas
com Camila Hein
Descubra lugares e enquadramentos! Esta oficina tem como foco abordar conceitos básicos de fotografia alternados com conhecimentos sobre visualidade e deslocamentos.
Local: Casarão 2 (Secult) – Praça Cel. Pedro Osório, nº 2

02 e 03 de setembro – 14h às 17h30
Visitação da exposição “Percursos e Acasos”
Exposição do fotógrafo e artista visual porto alegrense Anderson Astor.
A obra é resultado dos registros de uma viagem de bicicleta do artista até o Uruguai.
Local: Casarão 8 – Museu do Doce – Praça Cel. Pedro Osório, nº 8

Memória do bairro dunas é o tema da próxima Conversas do Dia do Patrimônio 2017

Nesta quarta-feira (24 de maio), às 18h, no Casarão 6 da Praça Coronel Pedro Osório, acontece a 2ª Conversas do Dia do Patrimônio 2017, com o tema “Memória Dunas”.

Conversas do Dia do Patrimônio são bate-papos semanais de preparação e conhecimento da população para o tema, que em 2017 será “Territórios daqui: identidades e pertencimento”, comemorado dias 18, 19 e 20 de agosto. Até lá, semanalmente, haverá conversas com convidados, que atuam como facilitadores. A entrada é gratuita.

O primeiro encontro, realizado na quarta-feira (17 de maio), discutiu “A Colônia Z-3 pela voz das mulheres” (leia como foi na sequencia desta matéria).
Já nesta próxima quarta-feira (24) o tema será Memórias Dunas.

Conversas do Dia do Patrimônio – 2017
Tema: Memória Dunas
Data: 24/05 – Quarta-feira
Horário: 18h
Local: Casarão 6 (Praça Coronel Pedro Osório, 6 – Centro – Pelotas/RS)
Entrada Franca

Palestrantes:
– Angelita Neves- Uniperiferia
– Herbeto Mereb – AMIZ
– Cesar Porto – ex presidente (CDD)
– Neuza Ribeiro – Líder Comunitária
– Lisete Sousa – Presidente (CDD)
– Vera Coelho – Enfermeira USB Dunas
– Simone Martins – Ex Presidente ( CDD)
– Myryam Viegas – Ex Coordenadora CRAS Dunas
– Florismar Thomaz

Mulheres da Z3 trazem relatos com bruxas e fantasmas
1º Conversas do Dia do Patrimônio também abordou as dificuldades enfrentadas pelo bairro que sobrevive da pesca.

17.05.2017 SECULT Conversas sobre o Dia do Patrimonio
17.05.2017 SECULT Conversas sobre o Dia do Patrimonio

Seis mulheres protagonizaram o bate-papo descontraído e, no mínimo, curioso, de pouco mais de uma hora e repleto de relatos envolvendo bruxas, fantasmas e outros mitos da Colônia Z3, no início da noite desta quarta-feira (17), no Casarão 6 da Praça Coronel Pedro Osório. “A Colônia Z-3 pela voz das mulheres” foi o título da primeira edição do ano do Conversas do Dia do Patrimônio, que acontece em agosto e este ano traz o tema “Territórios daqui: identidades e pertencimento”.

As personagens principais da Conversa foram Rosa Maria Mota Souza, de 58 anos, Maria Helena Rosa da Silveira, 55, e Eva Regina Pereira Campos, também 55, as três são representantes femininas de coletivos da Colônia Z3 e se desdobram entre os filhos – duas delas têm dez filhos cada -, afazeres domésticos e a lida com os pescados.

As histórias envolvendo fantasmas são tantas que até o “corujão”, ônibus que ia para a Z3 de madrugada, foi suspenso. “Muita gente dizia que uma mulher entrava, se sentava lá atrás, no ônibus, e depois desaparecia, do nada”, conta Rosa. Outro mito refere-se à existência de três bruxas no Cedrinho. Rosa disse que uma benzedeira “que sabe identificar bruxas” contou que um de seus filhos estava com o céu da boca roxo porque uma das bruxas estava “chupando o menino”. Rosa benzeu o menino, aprendeu a “Oração da Bruxa” e não deu outra: “O guri começou a comer e engordar e sumiu o roxo da boca”.

Em outro momento, relatou episódios com fantasmas que ocorrem sempre na região do Totó, no caminho para a Z3. O último teria ocorrido há cerca de um mês, por volta das 23h. Um de seus filhos vinha em um carro com uma conhecida e os dois “viram” um homem sentado no bando do carona, que desapareceu em seguida. Ficaram aterrorizados. “Isso é real, é verdade”, garantiu Rosa. O filho agora se nega a passar pela área quando está escuro.

Estagiária de serviço social da Unidade Básica de Saúde (UBS) Colônia Z3, Francine Marques disse que acompanha há 18 meses a vida da comunidade e está encantada com o lugar. “Descobri um outro mundo, com seus mitos, suas assombrações, de uma riqueza cultural e potencial turístico que vão muito além do ‘peixe na Semana Santa’. A cidade precisa olhar mais para a Z3.” Os belos artesanatos produzidos pelas redeiras da Z3 também teve destaque no encontro.

Moradora da Z3, a designer gráfico Natália Bernardo sabe que é uma exceção no local em que pouca gente consegue escolher e seguir uma profissão. O baixo nível de escolaridade, por dificuldade de acesso, foi outro problema debatido na Conversa. Natália disse que uma pesquisa realizada com jovens da Z3, em 2013, apontou que o maior medo deles é não conseguir realizar os seus sonhos. “Essa dificuldade de escolaridade também vira um estigma e somente por ‘ser da Z3’ sofremos ‘podas’ e somos passíveis de discriminação”, confidenciou.

“A maior preocupação das mães é o que os seus filhos vão fazer no futuro”, disse Angelita Ribeiro, assistente social do Campus Visconde da Graça do Instituto Federal Sul-rio-grandense (CAVG/IFSul) que foi mediadora do encontro. Ela é autora da dissertação de mestrado \”Bruxas, Lobisomens, Anjos e Assombrações na Costa Sul da Lagoa dos Patos – Colônia Z3, Pelotas: Etnografia, mitologia, gênero e políticas públicas\”.

Para tentar oferecer perspectivas para os jovens, foi criado há um ano o projeto Comunidade em Rede, com participação da prefeitura (Secretarias de Saúde e de Educação e Desporto), da igreja, do Ministério Público e das universidades Federal e Católica. “O objetivo é oferecer atividades, sobretudo a crianças e adolescentes, para lembrá-los de suas potencialidades, elevar sua autoestima e assim mantê-los afastados das drogas e do tráfico”, explicou Francine. As atividades são decididas em assembleia, com a participação da comunidade e as organizadoras fazem um apelo a outras instituições para que proporcionem oficinas e atividades que se somem ao projeto.

Outros problemas sociais vivenciados pelos moradores da Z3 são a exploração dos atravessadores (os pescadores fazem o trabalho pesado e, por não disporem de freezers ou meio de transporte, recebem muito pouco pelos pescados, enquanto os comerciantes lucram) e a criminalização dos pescadores artesanais, que cada vez mais perdem espaço para a indústria.

As moradoras e profissionais que atuam na Colônia Z3 contam que muitos são tratados como bandidos pelo Ibama e recolhidos ao Presídio. A comunidade se une para juntar recursos e pagar a fianças, para tirá-los da prisão. Segundo elas, as leis se baseiam em estudos ultrapassados, muitas coisas mudaram, há novos fatores que interferem na pesca e os pescadores os conhecem. Uma consequência desse tratamento é o uso de maneira exacerbada de álcool e ansiolíticos, constatado pela assistente social da UBS, Vera Garcia.

Professora de Antropologia da UFPel, Louise Prado Alfonso destacou, durante a Conversa, a importância da patrimonialização desses saberes e narrativas, de preservá-los através de políticas públicas de patrimônio, como forma de valorizar essa comunidade e de contribuir para sua “defesa” diante de injustiças.

O Dia do Patrimônio de 2017 ocorre nos dias 18, 19 e 20 de agosto. As Conversas ocorrem às quartas-feiras e são abertas ao público. A próxima edição será no dia 24, às 18h, no Casarão 6, e vai abordar as “Memórias do Dunas”.

Fonte: Pelotas.com.br

Roteiro noturno de turismo e gastronomia será elaborado em Pelotas

Serão criadas estratégias de promoção, adesivos de fachada, divulgação em mídias digitais e impressas, entre outras ações, para promover o futuro Roteiro noturno de turismo e gastronomia em Pelotas.

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Sdet) e o Conselho Municipal de Turismo (Comtur) estão elaborando um roteiro noturno de turismo e gastronomia para promover o turismo de experiência, com serviços qualificados ao turista e morador. Representantes da Sdet e da Câmara Técnica de Promoção e Comercialização do Comtur já receberam os proprietários de dez estabelecimentos noturnos para iniciar o projeto.

Serão criadas estratégias de promoção, adesivos de fachada, divulgação em mídias digitais e impressas, rota no aplicativo Pelotas Tem, comercialização de pacotes pelas agências de turismo e capacitação do Sebrae. A ação faz parte do Plano Municipal de Turismo, lançado em 19 de abril.

O próximo passo é a construção do nome e da identidade visual do roteiro, em reuniões técnicas que se iniciam na próxima semana.

Os empreendimentos participantes são: Bazar da Cerveja, Bem Brasil, Confraria do Espetinho, Johnnie Jack, Madre Mia!, Praça 7, Pub 372, Recuerdos Restaurante e Eventos, The Kraken Pub e Yba Açaí. Outros bares interessados podem buscar mais informações junto à Sdet, no Pelotas Parque Tecnológico (avenida Domingos de Almeira, 1.785), ou pelo telefone (53) 3225-7755.

Mais opções gastronômicas, menos presença online
O projeto vai ao encontro de um estudo, realizado pela Sdet no início do ano, para compreender o nível de representatividade da divulgação e da comercialização de Pelotas no ambiente online. Foram realizadas comparações com o conteúdo disponível de outros destinos, como Gramado, case de sucesso no Estado, e outros municípios que possuem porte semelhante, como Caxias do Sul e Rio Grande.

Baseado nos números de 2016, o resultado surpreendeu a equipe: enquanto Gramado possuía 178 estabelecimentos, Caxias 147 e Rio Grande 52, Pelotas apresentava mais oferta de opções gastronômicas (253). No entanto, o município tinha a terceira menor presença online em sites de avaliação, por exemplo. A partir daí surgiu a necessidade de organizar um produto para fomentar a comercialização e o fortalecimento do setor de gastronomia.

Fonte: pelotas.com.br

Fashion Revolution Week 2017 será realizado no Pelotas Parque Tecnológico

Pelotas é considerada um dos pólos de moda da região Sul do Rio Grande do Sul, tendo o dever de questionar: Quem fez minhas roupas? A resposta ou ao menos a reflexão sobre o assunto é a proposta do Fashion Revolution Week 2017 que acontece nos dias 26, 27 e 29 de abril.

O movimento mundial Fashion Revolution, que iniciou em 2013, após o desabamento do edifício de confecções de moda Rana Plaza, em Bangladesh, que deixou 1.133 mortos e 2.500 feridos.

A ideia de aderir ao movimento e criar o evento em Pelotas surgiu dentro do Curso de Design de Moda do IF-Sul (campus CaVG), através das professoras Frantieska Schneid e Camila Oliveira, ganhando força com a parceria de Aline Ebert (Brechó Nina Garimpa).

10-motivos-para-ver-the-true-cost-EAB-capaSerão três dias de atividades em lugares diferentes da cidade. No dia 26, quarta, às 19h30, o Cine UFPel (R. Lôbo da Costa, 447) exibirá o documentário  “The True Cost“, que pensa as roupas que usamos e as pessoas que as fabricam.

Já na quinta, 27, um coquetel de lançamento (Lá Cósmica Vegan), do evento acontecerá no Brechó Nina Garimpa (Rua Gonçalves Chaves, 322), e inauguração de uma arara grátis fixa do espaço: “traga um desapego que você ama e leve outro”.

O evento principal será no sábado (29), das 14 às 20h, no Parque Tecnológico de Pelotas, trará diversidade de atrações para quem ama moda, mas também para quem busca usá-la de forma mais consciente. Uma exposição ocupará o saguão principal, com brechós selecionados e marcas autorais da cidade. Já numa ampla sala lateral, estará participando também a Feira do Rolo Pelotas, focada em desapegos pessoais.

Às 15h, está marcada a Oficina “DIY Chocker” com Mania de Usar, além do lançamento da exposição “A mulher do fim do mundo” – projeto Recicla Moda (IF-Sul + SANEP).

Às 16h, acontece a palestra “Slow Fashion – consumo consciente ou greenwashing?“, com Carolina Souza, doutoranda da Universidade de Lisboa.

A mesa redonda “Por uma moda mais sustentável” está marcada para às 17h, com participação de pessoas que fazem e refletem sobre moda sustentável na cidade de Pelotas, com a mediação da professora Ms. Frantieska Schneid (Design de Moda/IF-Sul).

Além das atividades descritas acima, o evento contará com espaço de divulgação dos cursos de Design de Moda (IF-Sul e UCPel), food trucks, customizações, espaço photo booth e para encerrar pocket show com Garcez + Zilla Sonoro.

fashionpelotasO evento já conta com centenas de confirmados e interessados pelo link https://www.facebook.com/events/1540888382591133 Todos estão convidados a apoiar o movimento nas redes sociais usando as hashtags #fashionrevolution #quemfezminhasroupas #fashionrevolutionpelotas

O evento (link) já conta com centenas de confirmados e interessados. Todos estão convidados a apoiar o movimento nas redes sociais usando as hashtags #fashionrevolution #quemfezminhasroupas #fashionrevolutionpelotas

Fashion Revolution Week 2017 – Pelotas
Programação:

Cine Sustentabilidade: Documentário “The true cost”
Quando? 26 de abril, quarta-feira
Horário? 19h30min
Onde? Cine UFPel (Rua: Lobo da Costa, 447)
Entrada Franca
Sinopse:
 Através do mundo da moda, o documentário pensa sobre as roupas que usamos e as pessoas que as fabricam. Em meio a realidade industrial, o preço das roupas estão diminuindo há décadas, enquanto que os custos ambientais e humanos só aumentam. Qual o impacto dessa indústria da moda? Quem realmente para o preço pelas nossas roupas?
Fashion Revolution Week – Pelotas
Quando? 29 de abril, sábado
15h Oficina “DIY Chocker”
15h Lançamento da Exposição “A mulher do fim do mundo”
16h Palestra “Slow Fashion” com Carol Souza
17h Mesa Redonda “Por uma moda mais sustentável”
18h Pocket Show com Garcez + Zilla Sonoro
Onde? Pelotas Parque Tecnológico (Av. Domingos de Almeida, 1785 – Areal)

Entrada Franca

Fashion Revolution Week 2017
Entre os dias 24 e 30 de abril de 2017 será celebrada a Fashion Revolution Week em mais de 90 países . No Brasil, teremos eventos em diversos estados e ações realizadas pelos estudantes de moda.

Fashion Revolution Day

Movimento criado por um conselho global de líderes da indústria da moda sustentável que se uniram depois do desabamento do edifício Rana Plaza em Bangladesh no dia 24 de abril de 2013 que deixou 1.133 mortos e 2.500 feridos. A campanha surgiu com o objetivo de aumentar a conscientização sobre o verdadeiro custo da moda e seu impacto em todas as fases do processo de produção e consumo, mostrando ao mundo que a mudança é possível através da celebração dos envolvidos na criação de um futuro mais sustentável e criar conexões exigindo transparência.

A moda é uma força a ser considerada. Ela inspira, provoca, conduz e cativa. O Fashion Revolution quer ajudar a tornar a moda uma força para o bem.“O Fashion Revolution Day promete ser uma das poucas campanhas verdadeiramente globais a surgir neste século”, diz Lola Young, criadora do Grupo Parlamentar de Todos os Partidos sobre Ética e Sustentabilidade na Moda no Reino Unido.

A co-fundadora do movimento, Orsola de Castro, completa: “Nós queremos que você pergunte: ‘Quem Fez Minhas Roupas?’. Essa ação irá incentivar as pessoas a imaginarem o “fio condutor” do vestuário, passando pelo costureiro até chegar no agricultor que cultivou o algodão que dá origem aos tecidos. Esperamos que o Fashion Revolution Day inicie um processo de descoberta, aumentando a conscientização sobre o fato de que a compra é apenas o último passo de uma longa jornada que envolve centenas de pessoas, realçando a força de trabalho invisível por trás das roupas que vestimos”.

Pagode na Calçada será atração no Mercado Central de Pelotas

A noite de quarta-feira (19) será de muito pagode no Mercado Central de Pelotas. O show acontecerá a partir das 19h, no Pátio 1 do Mercado.

O grupo Pagode na Calçada promete animar a todos com o seu já tradicional repertório, que vem ganhando cada vez mais fãs por conta de suas apresentações nas ruas do Porto.

O grupo Pagode na Calçada vem se tornando figura carimbada nos principais eventos da cidade, tendo participado recentemente da roda de samba especial Tardezinha. A banda é mais uma atração cultural para abrilhantar o charme do Mercado Central de Pelotas.

unnamed (5)

Fonte: Reverso Comunicação

David Jeske – uma doce maneira de administrar a vida

Empresário lançará a nova coleção de postais da Pelotas Turística, um projeto que visa incentivar o turismo valorizando a história, cultura e tradição da Princesa do sul.

por : Isabelle Domingues

David Jeske - Foto: Arquivo Pessoal
David Jeske – Foto: Arquivo Pessoal

Doceiro, empresário, fotógrafo, astro de rock nas horas vagas… David Jeske é criativo, versátil e, sobretudo, um grande sonhador. Alguém que acredita no lado bom de todas as coisas. Seu positivismo é refletido tanto no modo de pensar como também de agir e estabelecer relações com o outro. Atitudes para Augusto Cury nenhum botar defeito.

A mais nova aposta do jovem empreendedor? Uma coleção de postais que homenageiam a cidade de Pelotas, valorizando o passado, mas também construindo uma nova história. E foi justamente para falar sobre esse projeto, que o e-cult esteve reunido com David Jeske, num bate papo gostoso e descontraído, em meio aos amigos do empresário, onde assuntos como política, logistica, arte e patrimônio também estiveram presentes na roda.

Olhando para o futuro - Foto Arquivo Pessoal
Olhando para o futuro – Foto Arquivo Pessoal

Olhando Para o Futuro
Estava eu a saborear um delicioso cafézinho e aquele quindim dos deuses, nas dependências da Imperatriz Doces Finos, localizada no Mercado Central – parada obrigatória no meu fim de tarde – quando fui surpreendida por Sergio Silveira, proprietário da d’Camaleão. Estava sendo convidada a juntar-me à mesa com David Jeske e seus amigos.
O nosso encontro já estava marcado. O assunto da vez? Pelotas Turística, uma coleção de postais que o empresário lançará esse mês. Mas estar com David Jeske é dividir bons momentos e um bate papo fervoroso e engajado, contando sempre com a participação de tantos amigos for possível. É uma de suas características reunir, agregar, compartilhar, aprender com o outro. “Todo mundo é diferente. Não tem certo ou errado. Tem a troca. Eu posso te somar em alguma coisa e vc a mim”, diz ele.
Há três anos gerenciando o negócio da família, a Imperatriz Doces Finos, Jeske divide seu tempo entre a empresa e as iniciativas ligadas à cultura e turismo na cidade de Pelotas. O empresário, que abastece a página do Mercado Público na internet, também é um dos responsáveis pelo Expresso Quindim, ônibus Chevrolet Brasil, fabricado em 1961, na sugestiva cor de um dos doces mais tradicionais de Pelotas, que leva os visitantes a um gostoso passeio pelo centro histórico da cidade.

Jeske ainda une forças com a arte local, dentre elas, o grupo Tholl. Para ele, valorizar a história, cultura e tradição locais é uma das principais ferramentas para desenvolver a cidade. Em função disso, parcerias são sempre bem vindas.

“Turismo tu não fazes sozinho. Turismo é integração. O Quindim é a justamente isso, veio para complementar essa união. É cultura, respeito, integração, uma nova história para Pelotas. O site gera um canhão de informação cultural, divulgação dos shows, divulgação econômica. É uma ferramenta de comunicação com o pelotense. Esse projeto não foi para divulgar só o Mercado e sim, a cidade como um todo. Hoje temos mais de vinte mil curtidas, pessoas compartilhando e comentando a página. Ela foi feita para mostrar que o pelotense têm coisas boas, que ele pode trabalhar em conjunto e crescer”, comenta Jeske, sobre a página do Mercado Público e o Expresso Quindim, iniciativas do empresário para fomentar o desenvolvimento econômico e o turismo no município.

David e os amigos Eduardo Radox, Sergio Silveira e Leonardo Avila. Foto: David Jeske
David e os amigos Eduardo Radox, Sergio Silveira e Thiago Vieira. Foto: David Jeske

Transformando Vidas
“Quanto mais tu cresces, mais importante é o teu papel na cidade, na comunidade. Um papel importante em vidas, pois tu podes mudar a realidade cultural e histórica de uma cidade”. David Jeske

Em sua missão como empreendedor, David fala da importância de estar sempre se renovando, além de não abrir mão de certos princípios. Para ele, o mais importante, mesmo antes do lucro propriamente dito, vem o criar valor, palavra bastante presente seu discurso. “Hoje o mundo cresce num movimento frenético, mas esquece a sustentabilidade. Não só ambiental, mas de seres humanos, de valores. É preciso crescer com propósito, com uma missão. A missão de construir valores. Quanto mais tu cresces, mais importante é o teu papel na cidade, na comunidade. Um papel importante em vidas, pois tu podes mudar a realidade cultural e histórica de uma cidade”, considera.

“Toda mudança gera algo bom e ruim. Ser imortal é tu morreres e teu serviço continuar. Isso é ter sucesso”. David Jeske

Arquivo Expresso Quindim
Foto: Café Viagem

Quando pergunto ao empresário qual seria o melhor caminho para o sucesso, Jeske aponta alguns ingredientes de sua receita, embora acredite não existir uma fórmula concreta para alcançá-lo. “O sucesso é algo intangível. Não existe um modelo de sucesso, não existe um modelo de se sentir bem. Isso vem de dentro. É transformar uma comunidade, ver funcionários e sua empresa desenvolvendo, ver a cidade mudando. É vc ser imortal, imortalizar a sua história. As vezes tu vês pessoas que criaram serviços de muita importância no mundo. Toda mudança gera algo bom e ruim. Ser imortal é tu morreres e teu serviço continuar. Isso é ter sucesso”, afirma Jeske.

Um certo brilho no olhar, repleto de orgulho e satisfação, tomam conta do jovem empresário, quando o assunto é elogiar o bom trabalho de seus funcionários. “Eu tenho um papel além do meu negócio. Empreender é transformar, conversar, valorizar. É cuidar e, ao mesmo tempo, ter dinheiro, porque sem dinheiro tu não fazes essas coisas. Ele é uma ferramenta, mas não é foco. A questão é o diálogo, o sonhar, a importância do que cada um faz. Todo mundo têm importância nessa terra, a gente tem que valorizar cada um em sua individualidade (…) A minha empresa só vai dar certo se eles estiverem dando certo. Eu não sou mais ou menos que eles, eu sou igual a eles. Vc emprega pessoas. Cada um está aqui por uma necessidade. Eles precisam experimentar e crescer profissionalmente ou pessoalmente, aprender a importância do que fazem”.

David e Mister Negrinho comemoram o sucesso do personagem - Foto Arquivo Pessoal
David e Mister Negrinho comemoram o sucesso do personagem – Foto Arquivo Pessoal

A Parceria Que Deu Certo
Foi então que uma longa viagem, diretamente do reino das delicias, trouxe Mister. Negrinho para Pelotas. O docinho que virou gente, após o encantado Beijo de Mulata, hj é só alegria em sua nova morada, o Mercado Público de Pelotas. Mágica, cultura e tradição misturam-se na criação desse doce e talentoso personagem vivido pelo ator e compositor Eduardo Amaro Radox.

Filho do Rei Alberto, cunhado do Bem Casado, mesmo com o Olho de Sogra sempre a espreita, um romance sem igual, daqueles que inspiram até mesmo Romeu e Julieta, mudou o rumo da história de Mister Negrinho. E tudo isso ainda contando com a proteção de Santa Clara. Alguém aí teria dúvidas de que este personagem seria o maior sucesso? Olha, eu nunca tive. David Jeske então, nem se fala. Aliás, fala, sim! E fala com vontade, com orgulho e admiração de seu amigo Radox, a quem apoiou desde o primeiro momento, na idealização de um personagem que já virou patrimônio da princesa do sul.

“Ele transforma uma história triste em algo bonito de ser lembrado. É uma forma de mostrar que o negro teve um papel muito importante na cidade de Pelotas”. David Jeske

Mais do que um personagem criativo e bem humorado, que habita o reino da fantasia e a imaginação de seu público, Mister Negrinho carrega consigo todo um simbolismo cultural. Trata-se de uma referência à história, homenagem ao negro e toda sua colaboração para com o desenvolvimento da cidade. É um resgate histórico, como afirma David Jeske. Aliás, quem melhor do que ele para falar da nova celebridade do Mercado Público de Pelotas, não é mesmo?!

“Ele transforma uma história triste em algo bonito de ser lembrado. É uma forma de mostrar que o negro teve um papel muito importante na cidade de Pelotas. Mostra que é possível se empoderar, ocupar um espaço dito elitizado. Mostra que a cidade é nossa. Ela não é de ninguém, ela é nossa! Ela é do rico, do pobre, do branco e do preto. Eu via o Eduardo sofrendo racismo, não se sentindo valorizado e pensei que nós deveríamos mudar isso. Criamos um personagem cultural, carismático, turístico mesmo. É uma ficção para mostrar que o negro pode, sim, produzir, buscar o seu espaço, trabalhando, mostrando o seu valor. Ele vem para provar que todo mundo pode, sim, ajudar a cidade a crescer com pequenas ações. Tem que empreender, criar valor. O Eduardo passa a ser um patrimônio de Pelotas, agora. Uma figura viva. Ele mostra a cidade como ela é, sem vergonha, com orgulho, tanto da tristeza quanto do que temos de positivo. Transforma toda aquela história que era pesada, de sofrimento, em orgulho. Traz a relação do negro na comunidade e na produção do couro. A relação do negro no sentido de ser negro mesmo, e sua importância para o desenvolvimento de Pelotas. Resgata toda essa história importante e traz a tona de novo”, comemora Jeske, sobre o personagem de seu amigo.

Fotografar é uma das grandes paixões de David - Foto Arquivo Pessoal
Fotografar é uma das grandes paixões de David – Foto Arquivo Pessoal

Um Click Na História
Primeira coleção, quatro fotografias de patrimônios diferentes de Pelotas, Turismo e empreendedorismo aliados em pró da beleza e tradição de nossa cidade. Pelotas Turística é um conjunto de postais que reverencia a história e cultura locais a partir do olhar poético e muito particular de David Jeske e também de um de seus parceiros de criação, o fotógrafo Gustavo Mansur.

As primeiras imagens que compõem o projeto, uma iniciativa privada sem fins lucrativos, estão sendo comercializadas desde o início de abril, na Imperatriz Doces Finos, na loja Doces Lembranças e também pelas mãos de Mister Negrinho. Retratam a fachada do prédio da Secretária de Cultura, a Colônia Z3, o Museu do Doce, ou Casarão 8, como também é conhecido, além de um belo recorte do Mercado Central. Cada ponto registrado nas fotografias exalta características importantes de Pelotas. Fazem referência à construção de sua identidade. Heranças como a gastronomia, arquitetura – influência na Belle Époque européia – a lagoa dos patos e o poderio econômico de uma cidade enriquecida através da produção do charque, são evidenciados nesta primeira coleção. A vendagem de mil postais, alcançada em apenas sete dias de lançamento, e o dinheiro arrecadado, permitiram a criação das próximas coleções.

João Simões Lopes Neto e Mister Negrinho estão entre os próximos temas da coleção Pelotas Turística. Foto: David Jeske
João Simões Lopes Neto e Mister Negrinho estão entre os próximos temas da coleção Pelotas Turística. Foto: David Jeske

Dentre as temáticas que ainda virão tem espaço também para um certo escritor, jornalista e dramaturgo pelotense, muito chegado em contos gauchescos e algumas lendas do sul. Um moço bastante promissor, diga-se de passagem. Comentam por aí que ele continua encantado pelos cabelos da china, gosta de contar “causos” de um certo Romualdo, sem que seja preciso nem mesmo esperar pelo mate do João Cardoso. É que ele se dá muito bem com as palavras e, no que diz respeito ao dicionário gaúcho, te dá uma aula e tanto. Talentoso o moço! Atende pela graça de João Simões Lopes Neto. Quer conhecê-lo um pouco mais? Pois então é só esperar pelas próximas coleções de postais da Pelotas Turística, que homenageia o escritor e também empresário, cuja obra possui valor inestimável à cultura gaúcha.

Quando idealizou o projeto, ao lado dos amigos Sergio Silveira, da d’Camaleão; Renata Magalhães da Nwp Crossmedia; Graça Argoud da loja Doces Lembranças e do fotógrafo Gustavo Mansur, Jeske descobriu que Simões Lopes foi um dos pioneiros na arte de postais em Pelotas. Brasiliana é uma homenagem ao escritor. “São os postais do Simões Lopes. Eu espero com esse trabalho reencontrar essa coleção e trazer isso, homenageando Simões, que foi uma personalidade em Pelotas. O sonho de Simões está vivo! Ele foi um grande fomentador do progresso em Pelotas, um grande empreendedor, um grande homem. Temos que trazer essa imagem de novo. O que ele fez não pode morrer. Trazer tudo que Pelotas foi, é e ainda pode ser. Cuidar do turista, cuidar do pelotense, cuidar do patrimônio”, refere-se David, sobre a nova coleção.

Sergio Silveira diz estar muito satisfeito com o resultado. “Foi uma surpresa. O David me deu a oportunidade, me cobrou. Achei que era difícil, que talvez não fosse a hora, mas ele disse pra eu acreditar. E deu super certo. Deu mais que certo. Em menos de uma semana acabamos com os postais”, comenta Silveira. “Criar valor para a cidade, ver a reação do público, isso não tem preço. O turismo ganha muito com isso”. Silveira destaca que os postais não trazem somente a imagem dos prédios históricos, mas também a história por trás do prédio, no verso do postal, enriquecendo ainda mais a coleção.

Para David o principal objetivo dos postais é revelar a beleza de Pelotas, despertando no pelotense a importância de cuidar do seu patrimônio, além de apresentar ao turista o que a cidade tem de melhor. “São imagens lindas do nosso amigo Mansur, que cedeu as fotos com gentileza, pois entende que é muito importante essa divulgação. Tem fotos minhas também. Eu faço essa brincadeira de fotógrafo que dá certo. A ideia é mostrar que Pelotas é linda. Mostrar o ângulo positivo de Pelotas. Eu espero que mude a cidade como um todo, que faça o pelotense entender que a cidade dele é linda, que ele pode cuidar e pode questionar porque o prédio está abandonado, mal cuidado ou porque a janela está quebrada e, em cima desse diálogo, construa o que Pelotas tem que ser, uma cidade bonita e preservada”, ressalta o empresário.

Dentre as produções da Pelotas Turística, Mister Negrinho também será tema de uma coleção de fotografias feitas especialmente para ele. Outras duas coleções que farão parte do projeto será uma assinada inteiramente por David e outra com imagens de captação de Drones, feitas pela Pelotas Aérea. O lançamento dos próximos postais será dia 25 de abril, no Mercado Público.

David Jeske e o Rock'n Roll, amizade antiga. Foto Arquivo Pessoal
David Jeske e o Rock’n Roll, amizade antiga. Foto Arquivo Pessoal

25º Fenadoce tem conceito criado pelo artista plástico Madu Lopes

“Madu indica que pretende dar voz às mulheres vindas de tantos lugares através de elementos que compõem a história da tradição do doce em Pelotas”.

A tradição doceira de Pelotas, no extremo sul do Rio Grande do Sul, surgiu de uma grande mistura cultural. Desde os africanos e portugueses até os franceses, alemães e italianos, são muitas as histórias que construíram a vocação da cidade que, neste ano, celebra a 25ª Feira Nacional do Doce, que acontecerá de 31 de maio a 18 de junho. “Doce: A Nossa Grande História” é o tema desse ano da feira, que busca resgatar as origens culturais que transformaram a cidade na capital nacional do doce e valorizar a figura das doceiras.

Foto Divulgação
Foto Divulgação

Para que cada detalhe da decoração da Fenadoce possa transmitir a mensagem de valorização às origens e às doceiras, a organização buscou o trabalho do artista plástico Madu Lopes, que é o responsável pelo conceito e projeto cenográfico da feira nos próximos três anos. O artista explica que a inspiração foi a mescla de culturas que criaram o doce de Pelotas com foco na produção artesanal. “Busco algo mágico para encantar visualmente a todos e contar não apenas as histórias dos doces, como também das mãos que deram vida a essas joias dos sentidos”, afirma ele, ressaltando que busca criar uma unidade da tradição doceira onde cada povo que participou dessa construção possa ter o seu espaço.

Madu indica que pretende dar voz às mulheres vindas de tantos lugares através de elementos que compõem a história da tradição do doce em Pelotas. Ele conta que pretender colocar a cozinha como lugar de fabricação e alma dessa narrativa para valorizar o modo como as etnias contribuíram para o mosaico de receitas e ingredientes que se formou ao longo dos anos e hoje é marca registrada do município, que recebe excursões de várias partes do país durante o período da Fenadoce e até de países vizinhos, como Uruguai e Argentina.

Com a produção já em andamento dos espaços a serem preenchidos no Centro de Eventos pelo trabalho de Madu Lopes para a feira, ele afirma que o material utilizado para a confecção é diversificado e produzido a partir de objetos garimpados em briques e lojas de demolição da cidade. “Criaremos obras bidimensionais e tridimensionais utilizando técnicas mistas, como a assemblage, por exemplo, em diferentes suportes”, revela o artista.

Para esse ano, Madu salienta que o público poderá esperar uma decoração com um toque de inovação devido a ressignificação de objetos e de um trabalho diferenciado de criação de esculturas e pinturas exclusivas. Segundo ele, a ideia é realizar uma grande exposição que deve se espalhar pela feira. “O público pode esperar uma experiência estética única, uma incursão lúdica no universo do doce”, adianta ele.

O vestido da corte também costuma ser de grande expectativa do público. Formada nesse ano pela rainha Fernanda Rott e as princesas Bibiana Dias e Laura Braga, a corte leva mais uma vez o nome da feira e da cidade de Pelotas para todos os cantos. Elas traduzem a alma calorosa do povo que representam, por isso, cada detalhe das suas roupas deve retratar também a história do doce em sintonia com o trabalho de Madu Lopes.

Foto Arquivo Pessoal
Foto Arquivo Pessoal

Sobre o artista
Conhecido como Madu, o artista plástico Manoel Eduardo Lopes de Oliveira é natural de Dom Pedrito e reside em Pelotas desde 1991. A partir de 2000 começou a vender as suas peças e “viver” da sua arte, passando pela cerâmica, pintura em tela, esculturas e porongos. O profissional tem o trabalho reconhecido por retratar mulheres em suas pinturas. Atualmente, comercializa peças para todo o país, ministra cursos e participa de feiras e exposições.

Feira Nacional do Doce – Fenadoce 2017
Data: 31 de maio a 18 de junho
Local: Centro de Eventos Fenadoce (Av. Presidente Goulart com a BR-116) – Pelotas (RS)
Horário: seg a qui, das 14h às 22h; sex, das 14h às 23h; sáb, dom e feriado, das 10h às 23h.
Ingressos: seg a sex: R$ 8,00 por pessoa; Sab, dom e feriados: R$ 10 por pessoa. Estacionamento: R$ 15,00 Crianças até 6 anos não pagam ingresso e estudantes identificados com a carteira estudantil e idosos acima de 60 anos pagam 50% do valor.
Site: www.fenadoce.com.br | Facebook: www.facebook.com/fenadoce

Fonte: Reverso Comunicação Integrada

Pelotas oferece roteiros para ciclistas com passeios que envolvem cultura, história e agroecologia

Pra quem curte pedalar passeando pela cidade ou se aventurar na zona rural, o Pedal Curticeira oferece ótimas oportunidades. São roteiros guiados, durante os meses de abril e maio, que revelam um pouco da história de Pelotas e da região da Serra dos Tapes.

Os eventos têm limite de vagas. Para garantir sua presença, inscreva-se antecipadamente na loja Figueira Bicicletas (rua Félix da Cunha, entre 7 e Neto) ou on-line.

5ca366_7f6c1f6bd1e5481b872cc3a255723074-mv223 de abril – Roteiro Agroecológico / Visita à família Jung (Cascata, Pelotas)
O quê? Pedalada de 65km; visita à família Jung de agricultores ecológicos vinculados à Associação Regional de Produtores Agroecológicos da Região Sul (ARPA-SUL);
Percurso? Mercado Central de Pelotas até a Cascata + retorno (total de 65km);
Duração do passeio? Manhã e Tarde, das 7:00 às 18 horas (partida e chegada);
Local de Inscrição? Loja Figueira Bicicletas (Félix da Cunha, entre 7 e Neto); ou; ONLINE via email ciclo@pedalcurticeira.org;
Valor da Inscrição? R$50,00 por pessoa;
O que está incluído? Guiamento do grupo, carro de apoio, hidratação e frutas; visita à propriedade agroecológica da família Jung (Cascata/Pel); almoço agroecológico; bate-papo com os agricultores.
Contato para Informações? 53 98138 8033 (whats); ciclo@pedalcurticeira.org;
Número de vagas disponíveis? 30 vagas
Inscrições aqui.

5ca366_34e84a5652c74d60a1500c18c490a68d-mv214 e 28 de maio – Roteiro Cultural + Piquenique no Parque da Baronesa
O quê? Pedalada pelo Centro Histórico, Porto e Parques de Pelotas conhecendo as histórias e transformações da cidade de Pelotas, de seu nascimento aos dias atuais;
Percurso? Total de 21 quilômetros durante o turno da manhã, com paradas em pontos estratégicos e piquenique no Parque da Baronesa;
Duração do passeio? Das 8:00 às 11:30 horas (partida e chegada do Mercado Central);
Local de Inscrição? Loja Figueira Bicicletas (Félix da Cunha, entre 7 e Neto);
Valor da Inscrição? R$40,00 por pessoa;
O que está incluído? Guiamento, carro de apoio, água e frutas durante o percurso; visita à propriedade agroecológica da família Jung (Cascata/Pel), almoço orgânico;
Contato para Informações? 53 98138 8033 (whats); 53 3025 2025; ciclo@pedalcurticeira.org;
Número de vagas disponíveis? 25 vagas
Inscrições aqui.

5ca366_d0fd6287229a490a981b43448bef79a3-mv220 e 21 de maio – Circuito Agroecológico da Serra dos Tapes/RS
O quê? Pedalada nas ruralidades da Serra dos Tapes, entre os municípios de Pelotas e Morro Redondo, visitando famílias de agricultores ecológicos, arroios e cachoeiras, museus da história colonial da região e desfrutando de belas estradas e paisagens naturais;
Percurso? Serão 2 dias de pedalada, com distâncias de 90 e 75 quilômetros de distância, respectivamente, e altimetria acumulada de 1.000 metros por dia (2mil ao todo);
Duração do passeio? Das 7:00 do dia 20/mai às 18:30 horas do dia 21/mai (partida e chegada do Mercado Central);
Local de Inscrição? Loja Figueira Bicicletas (Félix da Cunha, entre 7 e Neto);
Valor da Inscrição? R$350,00 por pessoa; (pagamento em até 3x)
O que está incluído? Guiamento; 2 carros de apoio; hidratação e frutas; visita a famílias de agricultores ecológicos; uma hospedagem (Casa Grupelli / Pousada São Lázaro); alimentação; fotógrafo e uma experiência inesquecível na colônia da Serra dos Tapes;
Contato para Informações? 53 98138 8033 (whats); 53 3025 2025; ciclo@pedalcurticeira.org;
Número de vagas disponíveis? 15 vagas
Inscrições aqui.

 

Beer Food Music com Dj Anderson Lisboa, Pablo Iturriet e Matheus Almeida em Pelotas

Dj Anderson Lisboa e os músicos Pablo Iturriet e Matheus Almeida são as atrações, nesta sexta-feira (231 de março) pós 18h30min, no Beer, Food e Music.

Dj Anderson Lisboa - Lanzetta Fotografia
Dj Anderson Lisboa – Lanzetta Fotografia

Os eventos unindo gastronomia e música, realizados no PSJ, caíram no gosto dos moradores de Pelotas. Esse será o quarto evento realizado no Posto São José filial da rua Félix da Cunha (esquina General Telles até a esquina Anchieta).

Food Truks
Nesta sexta-feira (31), as comidas ficam por conta dos trucks: pizzas e panchos da Black Box Food, hambúrgueres e sanduíches da República Sanduicheria, La Chiviteria com o melhor do sabor uruguaio e a sobremesa é do Brownie do Bira com seu buffet de brownies e sorvetes. E o chopp de excelente qualidade da turma do Beertank Brasserie 35.

psj_facebook_food_trucks_card

PSJ-77
Lanzetta Fotografia

37º Piquenique Cultural na Praça Coronel Pedro Osório em Pelotas

Neste domingo, 19 de maio, acontece o 37ª edição do Piquenique Cultural, com programação voltada para os talentos femininos, a partir das 14h, na Praça Cel. Pedro Osório, em Pelotas.

“Separa as guloseimas e os talentos, pega tua cestinha, tua toalhinha, chama as parcerias e a família que o 37º Piquenique Cultural chega com tudo e a Praça Coronel Pedro Osório vai se enfeitar pra celebrar o Mês da nossa tarde de quase-outono e amor!
Uma programação voltada para os talentos femininos e a festa vai ser grande. Chama todo mundo, traz tuas delícias e abraços, afetos e sorrisos, pra mais um baita encontro ao ar livre” Piquenique Cultural

17358792_712489618932703_6936593354989665390_o