De rosto colado com O Liberdade

O Restaurante Liberdade permanece de Portas abertas. Não mais em endereço único, nem espaço físico. Ele agora é tradição.

Todos que iam às sextas-feiras dançarem em torno de suas mesas, ao som do cavaquinho e pandeiro, flauta e violão, manterão vivo na alma e na lembrança a alegria de sua música.

Foto: Lucian Brum

E o castelo do Simões Lopes recebeu essa lenda do sul. A noite do terceiro sábado de agosto foi de homenagem. A chapa de ferro com logotipo da Pepsi que promovia o Rest. Liberdade figurava no salão como um amuleto do tempo. Cenas em vídeo projetadas na parede mostravam o cavaquinista e compositor Avendano Júnior – o cara que foi o ás do chorinho pelotense. O conjunto que tocava carrega o seu nome.

A sonoridade mansa e cadenciada esfregava-se nas pessoas provocando sorrisos e harmonia. Após fazer algumas fotografias, decidi aumentar minha sensibilidade. Enquanto esperava na fila do bar, rascunhava palavras no bloco de notas. Quando cheguei ao balcão, tomei um talagaço de cachaça mineira e peguei uma Original de garrafa. Não sei por que isso acontece, mas depois de uns goles, ouvia a música com menos ruído, e o diafragma de meus olhos se adequaram a meia luz ambiente.

Não era difícil ver homens vestindo blazer e mulheres vestido longo. Um comportamento de maturidade agrupava antigos o novos romances.

Namorados e ex-namoradas, amantes, e laços que precisam acertar o nó se encontravam em disposição de formar um par. Pois, desde o tempo da rua Deodoro, o chorinho proporciona união de mãos. É uma música para se dançar em casal.

Uma resposta para “De rosto colado com O Liberdade”

  1. Muito bom Lucian! Traduzir a essência da cultura é mais do que nunca resistência ao caos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *