Coletivo Candy Valley lança plataforma com dados sobre startups de Pelotas e Rio Grande

Foto Divulgação

A região sul do Rio Grande do Sul tem se destacado no cenário de startups, onde o estado ocupa a terceira posição nacional, segundo a StartupBase. Graças a isso, um grupo engajado no mercado formou o Candy Valley, considerado como o principal núcleo de empreendedores de Pelotas e Rio Grande. Recentemente foi criado o Data Valley, uma ferramenta que contabiliza e oferece dados importantes sobre as startups das cidades e que conta com 44 empresas cadastradas envolvendo 446 pessoas.

As duas cidades já têm ganhado notoriedade no cenário de startups. O mais novo projeto do Candy Valley, o Data Valley, é uma ferramenta que contabiliza e oferece online os dados mais importantes sobre o mercado em Pelotas e Rio Grande. “A região é a 5ª mais inovadora do estado em número de startups e reconhecida por um modelo de tríplice hélice que realmente funciona”, explica Glauco Munsberg, presidente do Candy Valley e Fundador CMO da Indeorum.

Esse tripé que Munsberg se refere é a união dos potenciais e capital humano/intelectual: universidade, governo e iniciativa privada. Ele cita o Pelotas Parque Tecnológico e o Oceantec, da FURG, como grandes protagonistas nesse contexto. “Eles estão conectados a essas startups e são as melhores manifestações do potencial da região”, destaca, afirmando que ainda é possível evoluir mais. “Há muito trabalho de estímulo e fortalecimento do ecossistema para ser feito ainda para que se possa consolidar como um valley de startups”, ressalta.

Startups heterogêneas
Um dos destaques das startups da região é a diversificação de áreas. Embora todas se relacionem com a inovação, Glauco reforça que muitas atuam em setores distintos, o que aumenta o potencial por atender diversas demandas da sociedade. Há modelos considerados disruptivos, como a Melhor Envio, Dr. Multas, Donamaid, Fácil Consulta, entre outras, mas também startups voltadas a produtos com base em ciência de dados (Indeorum, Elixir e Anota.ai) ou ainda serviços para o agronegócio (O Agro, Vantum, GreenNext).

Esse mapeamento das áreas de atuação também ficou mais fácil graças ao Data Valley. Das 44 empresas cadastradas, atualmente elas se definem da seguinte forma quanto à área em que atuam: 09 no Agrotech; 8 em HealthTech; 5 em EduTech; 4 no Varejo; 4 em Indústria; 3 em BioTech; 3 em Marketing/Comunicação. Há ainda algumas que se enquadram em Serviços, DevTech, Transporte/Logística, Construtech, entre outras áreas.

Tendência de crescimento
A expectativa é de que as startups de Pelotas e Rio Grande se destaquem ainda mais em 2020. Glauco explica que o trabalho do Candy Valley é justamente voltado para esse fortalecimento de um ecossistema que hoje já envolve mais de 450 pessoas diretamente. “O trabalho das universidades, governos, parques, incubadoras, SEBRAE e outros parceiros é para transformar jovens em novos empreendedores da região e o Candy Valley está aqui para ajudar nessa cultura e dar visibilidade”, afirma ele.

A proposta da criação de um valley é para dar ainda mais personalidade e facilidades aos empreendedores. O Candy Valley promove eventos, encontros e até mesmo convênios para facilitar o ecossistema e aumentar a representatividade. “Somos um local para troca de conhecimento entre pessoas ligadas à inovação e promoveremos meetups locais que estimulam novas startups”

Apesar das 44 empresas já cadastradas, o número segue crescendo diariamente. Segundo Munsberg, em um período de seis dias foram cadastradas cerca de 11 startups. “Acreditamos que ainda não mapeamos cerca de outras 15”, cita.

Foto Divulgação

Data Valley
A ferramenta online recém criada pelo Candy Valley é mais um projeto que fortalece o mercado de startups, possibilitando uma leitura quantitativa. Ela pode ser acessada por qualquer pessoa e apresenta gráficos do “Caminho Empreendedor”, reunindo os dados relativos às startups cadastradas até o momento.

Conforme o Data Valley, 34 das 44 empresas são de Pelotas e 10 de Rio Grande. Ele apresenta até mesmo o grau de formação dos sócios dos empreendimentos, destacando que boa parte deles possui o ensino superior completo. Outras informações são relativas à aceleração: 37 delas não realizou nenhum processo desse tipo e 34 não recebe nenhum investimento externo.

O Data Valley também é uma forma de divulgação para as startups, já que ao acessar o site é possível conferir a listagem completa de cada uma e ser encaminhado para os seus respectivos sites. Hoje, além da página online do Candy Valley, as startups que integram o grupo também podem participar de eventos mensais, entre outras atividades.

Sobre o Candy Valley (https://candyvalley.com.br/)
Criado por um grupo de empreendedores da região sul do RS, o Candy Valley trabalha para unir e fomentar o ecossistema através de um coletivo que realiza encontros e eventos junto à rede da associação. O objetivo é atuar em conjunto com os parques tecnológicos, incubadoras, governos e iniciativa privada para divulgar as marcas e encontrar parceiros que estimulem o networking e novas ideias inovadoras.

Fonte: Reverso Comunicação Integrada (Conrerp/4ª PJ116)

Sobre Deco Rodrigues 6379 Artigos
Jornaleiro/Produtor cultural, social mídia, gestor de conteúdo web, pretenso escritor, autor estreante com o romance Três contra Todos.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*