Projetos inovadores da Conectar UFPEL receberão fomento para desenvolver pesquisas

Duas empresas incubadas da Conectar UFPEL, presente no Pelotas Parque Tecnológico, foram recentemente contempladas no edital da Doutor Empreendedor, da FAPERGS (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul).

Os dois CEOs representam as empresas Ignis e Partamon, que agora receberão fomentos para desenvolverem os projetos apresentados ao programa que tem ainda como parceiros o Sebrae/RS e o CNPq.

Ambos projetos têm como foco principalmente o desenvolvimento de soluções para o setor de agroeconomia. A CEO da Ignis, Josiane de Oliveira Feijó, conquistou o primeiro lugar entre os 20 projetos contemplados com a proposta “Desenvolvimento de um produto de liberação lenta de 5-hidroxitriptamina para a prevenção e tratamento de hipocalcemia em vacas leiteiras”. Em quinto lugar, Rafael da Silva Gonçalves, CEO da Partamon, aprovou a pesquisa de “Produção de insetos para alimentação animal: um modelo baseado na economia circular”.

O vice-presidente do Consad e representante da Universidade Federal de Pelotas, Felipe Marques, destaca que o programa Doutor Empreendedor permite levar a pesquisa realizada dentro das academias para o mercado, apresentando inovações que nem sempre se consegue viabilizar. “O edital preenche essa lacuna e permite trabalhar com produtos de alto grau de inovação”, explica.

Segundo Marques, os projetos aprovados devem ter uma instituição de ensino âncora, que neste caso é a UFPEL. Além disso, é requisitado que em algum momento estejam vinculados a uma incubação ou aceleração, o que já acontece nos dois casos, pois são empresas já incubadas pela universidade. “A possibilidade da bolsa do projeto oferecerá ainda mais estabilidade às empresas”, destaca.

O programa Doutor Empreendedor destinará ao todo R$ 3,5 milhões para as bolsas dos projetos com duração de até 24 meses. Dez bolsas serão pagas pelo CNPq e o restante pela FAPERGS. O edital foi destinado a doutores empreendedores, proprietários ou sócios de Microempresa ou empresas de Pequeno Porte, visando apoiar projetos de pesquisa inovadores no Rio Grande do Sul.

Pelotas Parque Tecnológico
O Parque, criado oficialmente em 2016, é gerido pela TECNOSUL – Parque Científico e Tecnológico, uma associação civil sem fins lucrativos de direito privado, caráter científico, tecnológico, educacional e cultural.  O parque possui um Conselho de Administração (Consad), eleito a cada três anos, e atua em três grandes áreas nas quais o município já se destaca como polo: tecnologia da informação e comunicação; tecnologia em saúde e indústria criativa.

Atualmente, 63 empresas atuam no Pelotas Parque Tecnológico, sendo 23 instaladas nas áreas geridas pelo Parque, sete no coworking, 15 incubadas, 18 pré-incubadas. Entre as incubadoras estão a Conectar, Incubadora de Base Tecnológica da UFPel; CIEMSUL, incubadora de empresas multisetorial da UCPel e SENATEC, destinada às empresas júnior. Ainda, existem 23 instituições parceiras. O Parque oferece espaço coworking, com área gastronômica para 55 pessoas, auditório para 230 pessoas, duas salas de reunião e capacitações e estacionamento para 65 carros. Ao todo, o Pelotas Parque gera 267 empregos diretos e 638 indiretos.

Facebook
Instagram
LinkedIn

Fonte: Reverso Comunicação Integrada (Conrerp/4ª PJ116)

Sobre Deco Rodrigues 6458 Artigos
Jornaleiro/Produtor cultural, social mídia, gestor de conteúdo web, pretenso escritor, autor estreante com o romance Três contra Todos.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*