Bacurau é o principal vencedor do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro

Bacurau (Foto Reprodução)

O longa “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, foi o grande vencedor da 19ª edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro. Considerado o “Oscar Brasileiro”, a premiação foi realizada no último domingo (11) de forma remota devido a pandemia do Covid-19.

Líder em indicações (15 no total), “Bacurau” ganhou seis estatuetas, incluindo as de Melhor Longa-Metragem e Melhor Direção. O filme ambientado em um pequeno povoado do sertão brasileiro ainda ficou com os prêmios de Melhor Ator, Melhor Roteiro Original, Melhor Efeito Visual e Melhor Montagem Ficção.

Outras obras que também tiveram destaque na noite de domingo foram “A Vida Invisível”, de Karim Aïnouz, e “Simonal”, de Leonardo Domingues. O primeiro deles conta com Fernanda Montenegro no elenco e foi o escolhido para representar o país na categoria de Melhor Filme Internacional no Oscar 2020. No prêmio brasileiro, levou cinco estatuetas, incluindo a de Melhor Roteiro Adaptado. Já o documentário sobre o cantor Wilson Simonal conquistou quatro prêmios.

Ressurreição – divulgação

Curta gaúcho leva prêmio de Melhor Animação

Na categoria de Melhor Curta-Metragem Animação, haviam duas produções da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) na disputa. As animações “Só Sei que foi Assim” de Giovanna Muzel e “Céu da Boca” de Amanda Treze estavam entre os cinco finalistas (saiba mais). O prêmio, no entanto, veio para outra produção gaúcha, o curta “Ressurreição” de Otto Guerra.

A animação de quatro minutos, coproduzido pela Otto Desenhos e Dr.Smith Estúdio, trata da história de Rodrigo Guimarães. O curta aborda as relações de religião e fé com poder (assista aqui). Otto Guerra também concorria na categoria de Melhor Longa de Animação, prêmio que ficou com o “Tito e os Pássaros” de Gabriel Bitar, Gustavo Steinberg e André Catoto.

Clique aqui e torne-se um apoiador e-cult

Confira a lista de vencedores:

Melhor Longa-Metragem Ficção: “Bacurau”

Melhor Longa-Metragem Documentário: “Estou Me Guardando Para Quando O Carnaval Chegar”

Melhor Longa-Metragem Comédia: “Cine Holliúdy – A Chibata Sideral ”

Melhor Longa-Metragem Animação: “Tito e Os Pássaros”

Melhor Longa-Metragem Infantil: “Turma Da Mônica – Laços”

Melhor Longa-Metragem Voto Popular: “Eu Sou Mais Eu”

Melhor Direção: Kleber Mendonça Filho E Juliano Dornelles (“Bacurau”)

Melhor Primeira Direção De Longa-Metragem: Leonardo Domingues (“Simonal”)

Melhor Atriz: Andrea Beltrão (“Hebe – A Estrela Do Brasil”)

Melhor Ator: Silvero Pereira (“Bacurau”) e Fabrício Boliveira (“Simonal”)

Melhor Atriz Coadjuvante: Fernanda Montenegro (“A Vida Invisível”)

Melhor Ator Coadjuvante: Chico Diaz (“Cine Holliúdy – A Chibata Sideral”)

Melhor Direção de Fotografia: Hélène Louvart (“A Vida Invisível”)

Melhor Direção de Arte: Rodrigo Martirena (“A Vida Invisível”)

Melhor Roteiro Original: Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles (“Bacurau”)

Melhor Roteiro Adaptado: Murilo Hauser, Karim Aïnouz e Inés Bortagaray (“A Vida Invisível”)

Melhor Figurino: Marina Franco (“A Vida Invisível”)

Melhor Maquiagem: Simone Batata (“Hebe – A Estrela Do Brasil”)

Melhor Efeito Visual: Mikaël Tanguy E Thierry Delobel (“Bacurau”)

Melhor Montagem Ficção: Eduardo Serrano (“Bacurau”)

Melhor Montagem Documentário: Karen Harley (“Estou Me Guardando Para Quando O Carnaval Chegar”)

Melhor Trilha Sonora: Wilson Simoninha e Max De Castro (“Simonal”)

Clique aqui e torne-se um apoiador e-cult

Sobre Cassio Lilge 161 Artigos
Jornalista, estudante de História, obcecado por música. Conhece menos atalhos em seu computador que a sua gata.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*