Documentário propõe reflexão sobre opressões e lutas das mulheres do campo

Com uma série de depoimentos e reflexões sobre a condição de mulheres que vivem no meio rural, o documentário “Mulheres (in)visíveis: A opressão e a luta das mulheres do campo de São Lourenço do Sul” está disponível online. O filme, que foi financiado pela Lei Aldir Blanc, é uma realização do coletivo Vozes em Movimento e conta com direção da jornalista Gabriela Schmalfuss Borges.

Gabriela Schmalfuss com uma das entrevistadas

Quantos autossacrifícios as mulheres fazem ao longo da vida? Quantas conquistas são deixadas de lado para atender às expectativas alheias ‘fazendo o que se deve’? Quais os objetivos que foram negligenciados em nome da culpa de não ser uma boa filha, uma boa mãe ou uma boa esposa?

Foram perguntas como estas que motivaram Gabriela Schmalfuss a coletar diversos depoimentos de mulheres de seu município. Com pouco mais de uma hora e meia de duração, o filme mostra um pouco da realidade e o que pensam essas personagens reais que vivem ou viveram no meio rural de São Lourenço do Sul.

“Quase todas eu já conhecia e nutria um sentimento de admiração por suas histórias. Fiquei muito feliz porque todas as mulheres convidadas aceitaram participar da construção do projeto e se sentiram contempladas com o resultado final”, conta Gabriela sobre as entrevistadas.

Clique aqui e torne-se um apoiador e-cult

Diversas vozes e desafios

Divulgação

O documentário faz um recorte amplo com depoimentos de mulheres de diferentes idades, raças e condições socioeconômicas. “Busquei identificar diferentes perfis para compreender de uma forma mais ampla os desafios que cada uma enfrenta, além de seus objetivos e escolhas”, declara a jornalista.

Além de mulheres que moram ou moraram na zona rural de São Lourenço do Sul, o filme também contou com depoimentos de profissionais que “dentro de suas áreas de atuação pudessem contribuir para as discussões do documentário”, explica Gabriela. É o caso da advogada Renata Hellwig, que reflete sobre o fato da emancipação social da mulher ter chegado de forma mais lenta no meio rural, “pelo afastamento dos grandes centros”, destaca em seu depoimento.
.
Localizada no sul do Estado, às margens da Lagoa dos Patos, São Lourenço do Sul tem cerca de 43 mil habitantes, com uma parcela muito significativa residindo nas localidades do interior. O município ainda hoje carrega marcas da colonização alemã e pomerana (região histórica localizada no norte da Polônia e da Alemanha), bem como conserva quilombos no meio rural.
.

“Embora eu more na zona urbana, minha família é do interior e vejo o quanto esse projeto foi uma busca por respostas sobre os silenciamentos que eu e mulheres próximas a mim sofriam. Me senti acolhida e cuidada nas palavras das outras e entendi o quanto nossas dores nos constituem e são ferramentas de mudança”, contou Gabriela em um texto que fala sobre o processo de construção do documentário.

“Além disso, pude perceber ainda mais o quanto as nossas vitórias são coletivas. As conquistas da nossa geração surgiram a partir de pequenos grandes atos das mulheres que vieram antes de nós”, complementa (confira relato na íntegra).

A produção e edição do filme é assinada por Gabriela Schmalfuss Borges e Pedro Henrique Farina Soares. O Vozes em Movimento é um coletivo de comunicação que atua em São Lourenço do Sul desde 2015 na produção e divulgação de conteúdo de caráter independente. O grupo também promove eventos culturais como cines-debate, rodas de conversa e saraus temáticos. Acompanhe a página coletivovozesemmovimento.

Confira o documentário completo:

Clique aqui e torne-se um apoiador e-cult

Sobre Cassio Lilge 201 Artigos
Jornalista, estudante de História, obcecado por música. Conhece menos atalhos em seu computador que a sua gata.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*