Sedac e Instituto Trocando Ideia lançam Prêmio Trajetórias Culturais – Mestra Sirley Amaro

A Secretaria de Estado da Cultura (Sedac) e o Instituto Trocando Ideia lançaram o Prêmio Trajetórias Culturais – Mestra Sirley Amaro.

A ação, formalizada por meio de Chamada Pública e financiado através da Lei Aldir Blanc, tem como objetivo facilitar o acesso aos recursos da lei para um dos segmentos mais afetados com a pandemia do coronavírus, o setor cultural.

O lançamento ocorreu na última quarta-feira (03) com transmissão em live pela fanpage da Sedac e do Instituto Trocando Ideia. O Trajetórias Culturais – mestra Sirley Amaro é um prêmio que propõe o reconhecimento do Estado e da sociedade civil para os fazedores de cultura, que transformam vidas por meio da arte nas diferentes comunidades.

O Instituto é uma organização sem fins lucrativos, com 21 anos de atuação em projetos culturais em Porto Alegre. A entidade tem experiência com oficinas, eventos, encontros, shows, festivais e articulações a partir da cultura urbana do hip hop.

Clique aqui e torne-se um apoiador e-cult

A homenageada

A pelotense mestra griô Sirley Amaro (1935-2020) é a homenageada do Prêmio por ter contribuído, significativamente, com os saberes tradicionais, com a cultura popular e com o programa Cultura Viva, do extinto Ministério da Cultura, ao disseminar e proteger os conhecimentos ancestrais do povo negro do Rio Grande do Sul. Sirley Amaro era muito conhecida também em outros estados do país por sua atuação na conservação e disseminação desse conhecimento. A caminhada como mestra griô iniciou em 2006, quando o Brasil começava a reconhecer os saberes populares e da tradição oral.

Prêmio Trajetórias

O valor executado do prêmio é de R$ 12 milhões. Serão premiadas mil e quinhentas (1.500) trajetórias culturais, distribuídas nas nove (09) Regiões Funcionais dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes), no valor de R$ 8 mil para cada projeto. As premiações objetivam dar destaque a pessoas que, através de movimentos e de deslocamentos, construíram um caminho de relevância social, criando, inovando e transformando seus espaços de atuação e contribuindo para promover a cultura nas suas mais variadas manifestações.

A seleção também contemplará pontuação específica para diversidade e pessoa física, sendo 51% para cotas sociais – autodeclarados pretos, pardos, indígenas, quilombolas, ciganos, mulheres trans/travestis, homens trans e Pessoas com Deficiência (PCDs). Serão descontados os tributos legais obrigatórios incidentes sobre o valor a ser repassado a todas as pessoas premiadas. As inscrições estarão abertas de 17 de fevereiro a 9 de março, pelo site www.premiotrajetoriaculturalrs.com.br.

Categorias

Os inscritos poderão apresentar as suas trajetórias nos seguintes segmentos culturais: audiovisual; artesanato; artes visuais; circo; culturas populares; cultura viva; dança; diversidade linguística; livro, leitura e literatura; música; teatro; memória e patrimônio; e museus. Para Fabiana Menini, presidenta do Instituto Trocando Ideia, o objetivo do prêmio é “valorizar o que a cultura faz pela vida das pessoas e tornar isso visível aos olhos de todos, proporcionando, além de um valor material de sustentabilidade, um valor de raiz, de cultura agregada ao ser humano”.

“A premiação por trajetória já estava nos planos da Sedac, que, inclusive, alterou a legislação do Pró-cultura, em 2020, para viabilizar iniciativas como essa. Em razão da Lei Aldir Blanc, por meio da realização da 5ª Conferência Estadual de Cultura, uma das cinco linhas definidas para investimento dos R$ 74 milhões disponíveis foi, justamente, a premiação por trajetória”, recorda a secretária da Cultura, Beatriz Araujo.

Prêmio Trajetórias Culturais – Mestra Sirley Amaro
Período de inscrição: 17 de fevereiro a 9 de março
Inscrições no site: https://www.premiotrajetoriaculturalrs.com.br/
Link direto para edital (https://storage.googleapis.com/public.planologica.com.br/Edital-Sel.PareceristasPremioTraj.Culturais-13.pdf)

Redes sociais para acompanhar:
Sobre Cassio Lilge 186 Artigos
Jornalista, estudante de História, obcecado por música. Conhece menos atalhos em seu computador que a sua gata.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*