“A palavra escorre do chão do céu da boca” no Porão da Bibliotheca

Na abertura da exposição, as artes de Camila Hein e Juliana Charnoud dialogarão com outros elementos artísticos como performance e música.

Artes integradas, envolvendo exposição fotográfica, instalação, música e performance farão parte da noite desta terça-feira (7), no Porão da Bibliotheca Pública Pelotense. As artistas visuais Camila Hein e Juliana Charnoud apresentam a exposição “A palavra escorre do chão do céu da boca”, com o objetivo de compartilhar e poder criar outros diálogos, trazendo a união de trabalhos artísticos dentro de um espaço de arte.

A exposição trará uma instalação da artista visual Camila Hein, com parte de fotografias feitas no Templo das Águas, com as sonoridades de rio e poesia em gravação. O trabalho será complementado com artes realizadas no ano passado pela artista. Camila trabalha com arte desde 2000, é uma das criadoras do grupo Mafuá das Artes, coletivo e espaço que foram significativos na realização de atividades artisticas em Pelotas.

A Foto-performance Banho de Salsa de Juliana Charnoud é criada, através de uma performance feita exclusivamente para a câmera, resultando em 25 frames fotográficos. De acordo com Juliana, o trabalho remete ao banho como um ritual: “No banho, utilizo a Salsa: planta utilizada como erva, tempero e vegetal, contendo também propriedades medicinais como antioxidante e expectorante, para banhar-me, levantando a questão do banho como ritual de purificação.” Na ação é enaltecida a presença do elemento da Salsa, colocando em questão a crença sobre aquele elemento que trás consigo a promessa da realização de algo. Juliana é fotógrafa e mora em Pelotas.

“A palavra escorre do chão do céu da boca” foi realizada pensando num primeiro momento no espaço do porão da Biblioteca. Para Camila Hein, porão lembra algo gelado, frio, porém parado, inerte. “No entanto água é vida, movimento, mesmo sendo fria. Assim como a água a palavra é viva, muda, flui… o porão faz parte da biblioteca, que parece um espaço parado, mas que guarda a palavra… a palavra nunca toca a todos da mesma forma, ela é um encontro, uma possibilidade sempre de vir a ser…”, destacou.

A noite de abertura da exposição contará com a participação musical do grupo Percutralha, dos músicos Diego Portella e Eugenio Bassi e da performance da atriz Tai Fernandes. Às 19h07, no porão da Bibliotheca Pública Pelotense.

Por: Ediane Oliveira

Sobre Deco Rodrigues 6437 Artigos
Jornaleiro/Produtor cultural, social mídia, gestor de conteúdo web, pretenso escritor, autor estreante com o romance Três contra Todos.