Cine Esquema Novo divulga selecionados da Mostra Competitiva Brasil

Eu Não Sou Um Robô - Foto: Livia Pasqual

O 14º Cine Esquema Novo – Arte Audiovisual Brasileira divulgou, na terça-feira (09), os filmes selecionados para a Mostra Competitiva Brasil. O evento ocorre de 10 a 15 de abril em formato totalmente online e gratuito.

Do total de 395 inscritos, 31 obras foram escolhidas para integrar a principal mostra da programação do festival. Um dos selecionados é o curta “Eu Não Sou Um Robô”, que entre os realizadores têm nomes conhecidos na cena cultural pelotense.

Este ano, por conta do formato online, a organização do festival criou uma novidade para a Mostra Competitiva Brasil: o Caderno de Artista. A novidade estará em diversos conteúdos que serão construídos em parceria com cada um dos selecionados, que estarão disponíveis em um ambiente digital criado para cada participante.

Eu Não Sou Um Robô

Fazendo sua estreia no festival, “Eu Não Sou Um Robô” é uma experimentação sobre a solidão e o contato por meio do digital que se acentuou durante a pandemia de 2020.

O filme é dirigido por Gabriela Richter Lamas, que foi uma das realizadoras do premiado curta “Sesmaria”, destaque no Festival de Cinema de Gramado em 2016. Ela também interpreta a Tânia, personagem protagonista na trama. O roteiro é assinado por Maurílio Almeida, Felipe Yurgel e Gabriela. A trilha é de Guilherme Ceron e a direção de foto de Livia Pasqual.

Ao falhar incontáveis vezes em um teste ReCAPTCHA, que diferencia humanos de robôs, Tânia se pergunta sobre o real e anseia por qualquer tipo de contato presencial e físico, deliberando sobre a vida com a visita de uma Mosca. “Pode-se dizer que este filme foi mais uma das tentativas de se manter são durante o isolamento e entender mais sobre o digital e a vontade de estar ‘junto”, afirmam.

Totalmente online

Criado em Porto Alegre, em 2003, o Cine Esquema Novo chega em sua 14ª edição precisando se adaptar. Neste ano, o festival ocorre de forma online e gratuita, de 10 a 15 de abril, com uma programação que inclui projeções urbanas, exibições de filmes, debates, seminário e oficinas.

A seleção conta com dez projetos assinados por duos ou grupos, 8 realizadoras, 19 realizadores, além de artistas agênero e não-bináries. Temáticas como cenário político brasileiro atual, direitos humanos, fim do mundo, saúde mental, questões indígenas, memória e história, racismo, solidão na contemporaneidade, identidade queer, religiosidade, futuro, exploração da natureza, territorialidade, laços familiares, entre outras, pautam os títulos selecionados a partir de onze Estados brasileiros e duas produções assinadas por brasileiros realizadas no exterior (ou em coprodução internacional).

Clique aqui e torne-se um apoiador e-cult

Confira a lista completa de selecionados:

#eagoraoque – Jean-Claude Bernardet & Rubens Rewald
13 Ways of Looking at a Blackbird – Ana Vaz
A chuva acalanta a dor – Leonardo Mouramateus
Antes do Azul – Romy Pocztaruk
As Vezes Que Não Estou Lá – Dandara de Morais
Atordoado, Eu Permaneço Atento – Henrique Amud & Lucas H. Rossi dos Santos
Caminhos encobertos – Beatriz Macruz e Maria Clara Guiral
cantar é com os passarinhos – Amanda Teixeira
Célio’s Circle – Diego Lisboa
Deserto Estrangeiro – Davi Pretto
Entre nós e o Mundo – Fabio Rodrigo
Eu Não Sou Um Robô – Gabriela Richter Lamas, Maurílio Almeida, Felipe Yurgel, Lívia Pasqual, Guilherme Cerón, Rafael Duarte
Fazemos da memória nossas roupas – Maria Bogado
Joãosinho da Goméa – O Rei do Candomblé – Janaina Oliveira ReFem e Rodrigo Dutra
Lyz Parayzo Artista do Fim do Mundo – Fernando Santana
Milton Freire, um grito além da história – Victor Abreu
O Ciclope – Guilherme Cenzi, Pedro Achilles
O Jardim Fantástico – Fábio Baldo e Tico Dias
O Mundo Mineral – Guerreiro Do Divino Amor
Os Últimos Românticos do Mundo – Henrique Arruda
Para Colorir – Juliana Costa
Per Capita – Lia Leticia
Performatividades do Segundo Plano – Frederico Benevides e Yuri Firmeza
Perifericu – Nay Mendl, Rosa Caldeira, Stheffany Fernanda e Vita Pereira
Rocha Matriz – Cristal Líquido (Gabriel Menotti e Miro Soares)
sem título # 6 : o Inquietanto – Carlos Adriano
Ser Feliz No Vão – Lucas H. Rossi dos Santos
URUBÁ – Rodrigo Sena
Vagalumes – Léo Bittencourt
Vento Seco – Daniel Nolasco
Vil, má – Gustavo Vinagre

Clique aqui e torne-se um apoiador e-cult

Mais informações em: www.cineesquemanovo.org

Sobre Cassio Lilge 201 Artigos
Jornalista, estudante de História, obcecado por música. Conhece menos atalhos em seu computador que a sua gata.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*