Exposição sobre Anistia no Brasil é atração no Mercado Público de Pelotas

Com abertura oficial nesta sexta-feira (1º), a exposição “Anistia: Um Passado Presente?” está recebendo visitas desde o começo desta semana no Mercado Público de Pelotas.

Foto Divulgação

A exposição, organizada pelo Arquivo Histórico do Rio Grande do Sul (AHRS) em parceria com a Escola de Humanidades da PUCRS, ficará no prédio público pelotense até 11 de novembro, seguindo então para a UCPel. A mostra conta com 25 banners com fotografias de Ricardo Chaves, documentos originais do AHRS e do Museu da Comunicação Hipólito José da Costa (Musecom), com destaque para o Arquivo do Movimento Feminino pela Anistia/RS, fundado em 1975.

A cerimônia de abertura ocorre nesta sexta-feira, às 18h, com a presença da curadora da exposição Prof. Tatyana de Amaral Maia (PUCRS). Haverá ainda falas de pesquisadores/as e depoimentos de anistiados políticos residentes em Pelotas. A vinda da mostra a cidade é uma inciativa do Programa de Pós-Graduação em História da UFPel, com apoio de outros departamentos e núcleos da mesma instituição e do Instituto Mário Alves.

Lei da Anistia

Manifestação UFRGS 1977 – Foto Banco Dados Museu UFRGS

A lei nº. 6.683, de 28 de agosto de 1979, marcou um ponto de inflexão nos rumos da ditadura brasileira. Foi um movimento de muitas disputas e tensões, iniciado bem antes da sua votação pelo Congresso Nacional. A partir do processo de “abertura” da ditadura, iniciaram-se os embates mais contundentes, com destacados movimentos de pressão e atuação.

Uma das vitórias obtidas com a Lei da Anistia foi a volta dos brasileiros que estavam no exílio. Apesar de todas as restrições, e de estar bem longe do que se almejava, a Anistia marcou uma vitória para a oposição e um avanço na luta contra a ditadura. Por outro lado, a maior derrota em relação à Lei de Anistia foi a noção de perdão estendida aos agentes de Estado implicados em qualquer ato criminoso no cumprimento de suas “funções”. Assim, nenhum militar, policial ou servidor público pode vir a ser julgado, condenado e penalizado por crimes cometidos durante o período da ditadura brasileira.

Exposição “Anistia: um passado presente?”
Quando: de 01 até 11 de novembro
Onde: Mercado Central de Pelotas
Quanto: Entrada Franca
Evento Facebook 

Com informações de: Secretaria de Cultura do Estado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *