Ágorat – Nasce mais um novo espaço para celebrar a Arte em Pelotas

0
478

Mantenedores

O Ágorat Centro Cultural inaugura oficialmente neste sábado e domingo, 11 e 12 de novembro de 2017, com entrada franca.

Confira a entrevista com André Loureiro, idealizador do espaço e artista transformador, e confira a programação dos dois dias de eventos.

Por Charlie Rayné

André de Borba Loureiro - Foto: Charlie Rayné
André de Borba Loureiro – Foto: Charlie Rayné

Uma casa antiga, na Rua Uruguai 1345, esconde mais um presente para a cidade. Quem me recebe é um homem de feições simpáticas e muita expressividade no rosto. É André de Borba Loureiro, o dono da casa, o dono de uma história que vai começar.

Estamos no “Ágorat”, casa que vai abrir suas portas no dia 11 de novembro para nos oferecer muita arte e reflexão. André me convida para entrar num espaço que já respira cultura: quadros diversos, palco, cortinas, tapete vermelho, camarim esmerado, sala de espera aconchegante e uma rica fonte num pequeno jardim interno.

Pelotense, filho de uma atriz de teatro e radionovelas da gaúcha e da rádio farroupilha e de um cantor amador de tangos e boleros, André não podia cair longe do pé. Aos 18 anos começou a fazer teatro, trabalhando como autor e diretor e desde então espalhou sua arte em várias cidades, já que o padrasto, militar, proporcionou de certa forma uma vida de cidade em cidade:

Foto: Charlie Rayné
Foto: Charlie Rayné

“Passei boa parte da infância e da adolescência transitando pelo Brasil. Santos, Belo Horizonte, Petrópolis, Maringá…Venho de uma família meio aciganada, isso contribuiu muito para a minha formação’’

Com recursos próprios, mesmo com dificuldades financeiras, André se desmancha em elogios ao espaço, pensado nos mínimos detalhes para discutir, fomentar e privilegiar a Arte:

“Essa ideia de ter um espaço que disseminasse arte e fosse também uma incubadora de criação sempre me perseguiu…Nestes tempos “bicudos”, um espaço para as artes é um ato de resistência”

Foto: Charlie Rayné
Foto: Charlie Rayné

O nome, segundo ele, veio da referência grega, Ágora- uma praça da pólis, onde qualquer cidadão pudesse expressar o que quisesse: um território livre. Pergunto o porquê de o espaço não seguir o nome original grego. Nosso artista, com ar místico me diz que o “t” foi acrescentado para oportunizar bons fluídos, segundo a numerologia. E os bons fluídos podem ser sentidos. Durante a entrevista, escutamos sons do pessoal do teatro fazendo oficina, uma das atividades que a casa já oferece e que já está em pleno vapor.

Pergunto para André sobre o lançamento, que será um Sarau. Peço que me antecipe a programação. Ele me mostra uma extensa programação para o dia, que inclui Cinema, teatro, dança, música e artes plásticas e intervenções artísticas diversas.

Foto: Charlie Rayné
Foto: Charlie Rayné

A aula de teatro acaba. Já vejo alunos circulando num espaço que certamente já se tornou uma referência. Para finalizar a entrevista, que poderia render um livro inteiro, despeço-me questionando Loureiro sobre “A cara” do novo espaço e o que o público poderá esperar… Ele, satisfeito, arremata:

“O importante é que está casa tenha olhos para ver, ouvidos para ouvir, boca para falar e cérebro para coordenar, criar e sensibilizar”

Confiram a programação do lançamento de Ágorat:
(Entrada Franca)

Sábado – 11 de novembro de 2017

CINEMA
16h – Apresentação do filme SHORT BUS, de John Cameron Mitchell.

TEATRO (A partir das 20h)
TEATRO A CORTINA DE CONTAS, de Ricardo Monti – direção de André Loureiro, com André Loureiro e Eliana Guilherme
A BERGAMOTEIRA, de Caio Fernando Abreu – direção de Conrado Wesley, com Conrado Wesley e Lara de Bittencourt
POZZO E LUCKY, adaptação de cena de ESPERANDO GODOT, de Samuel Beckett – direção de André Loureiro, com André Loureiro e Ilo Moliveira

DANÇA
ZIMRA Studio de Dança – apresentação dos bailarinos Mariana Rockemback e David Fevii

MÚSICA
Mayara Araújo, flautista
Coral Linguagem de Emoções, de Cláudia Braunstein
Serginho Ferret, MPB e música autoral

EXPOSIÇÕES
Telas e gravuras – coleção particular de André Loureiro
Patrick Tedesco – escultura em gelo
Ledy – fotografias

E mais as presenças de Ro Eponto executando tatuagens artesanais, Kessler Volpicceli grafitando e as mestres de cerimônia Thaís e Mel Velasquez.

Domingo – 12 de novembro de 2017

10h – Teatro Infantil
D. Edvilda e suas histórias fantásticas, atuação e direção de Lara Bittencourt

CINEMA
16h – Apresentação do filme LGBTS “DIZER E NÃO PEDIR SEGREDO”, de Evaldo Morcazel

TEATRO (A partir das 20h)
– A CORTINA DE CONTAS, de Ricardo Monti – direção de André Loureiro, com André Loureiro e Eliana Guilherme
– Apresentação de performance de Tatiane Duarte

MÚSICA
Celino Leite, voz e violão
Tiago Ribas e Sônia Cava, violino e piano digital

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA