Projeto resgata legado musical de Mestre Borel e a importância africana na cultura do RS

0
695

Mantenedores

Grupo Alabê Ôni recupera acervo do principal babalorixá do estado, lança canal no Youtube com vídeos que tratam da cultura do batuque, grava cantos e toques ritualísticos da Nação Oyó-Idjexá e realiza show de lançamento do CD em Porto Alegre, com transmissão ao vivo pela web.

O Alabê Ôni – grupo de músicos pesquisadores de percussão e manifestações de raiz africana do Rio Grande do Sul – lançou oficialmente ontem, segunda-feira, 21 de agosto, o projeto Berço do Batuque no RS: Mestre Borel – Toques e Cantos da Nação Oyó-Idjexá.
Vencedor do 4ª Prêmio Nacional de Expressões Culturais Afro-brasileiras na categoria Música – Preservação, o projeto tem como objetivos garantir a permanência, a preservação e a divulgação dos saberes Oyó-Idjexá, por meio do legado musical deixado por Mestre Borel, principal babalorixá do Batuque no RS, que se constituiu como o principal guardião da memória da Nação Oyó Idjexá. Filho de uma nigeriana, carnavalesco, pesquisador da cultura afro no Brasil, escritor e alabê (tocador de tambor) de tradição, Borel foi reconhecido apenas na primeira década do século XXI. Falecido aos 103 anos, era fluente em iorubá e tamboreiro desde criança.

A partir da produção de um CD, serão regravados e relidos os cantos e toques da Nação Oyó-Idjexá pelo grupo Alabê Ôni, do qual faz parte Pingo Borel, filho de Mestre Borel, griô e alabê da segunda geração. O CD será distribuído gratuitamente para pontos de cultura, comunidades quilombolas, instituições ligadas ao movimento negro, escolas e universidades interessadas no conhecimento Oyó-Idjexá.


O projeto também está lançando um canal de vídeos no Youtube onde estarão disponíveis registros visuais/audiovisuais do acervo de Mestre Borel, como entrevistas e trechos de audiovisuais coletados com direito de uso, além de outros materiais que serão produzidos especialmente para o projeto, como vídeos de pesquisa historiográfica do batuque no RS, a memória viva do griô de segunda geração Pingo Borel e vídeos gravados com grupo Alabê Ôni, pesquisadores e comunidades ligadas ao batuque. Os vídeos serão publicados sistematicamente, desde agora até o final de outubro. Todo o conteúdo será disponibilizado de maneira aberta e livre para qualquer pessoa interessada e ainda contará com ferramentas de acessibilidade, permitindo que o projeto tenha acesso universal.

O trabalho de organização do acervo está sendo realizado pela historiadora Leticia Bauer, especialista em patrimônio material e imaterial. O público também pode acompanhar o andamento do projeto no blog projetobercodobatuquers.wordpress.com.

O Alabê Ôni prepara, ainda, um show de lançamento do CD em Porto Alegre/RS. O show, previsto para acontecer no final de outubro, poderá ser acompanhado de qualquer parte do mundo, pois terá transmissão ao vivo, via streaming.

Dessa forma, o Berço do Batuque contribui para disseminar e partilhar saberes da cultura popular e de matriz africana questionando diretamente a formação da identidade gaúcha engendrada na metade do século XX: “A associação do folclore e da cultura local com a tradição afro junto aos tambores vem sendo objeto de esforço de segmentos negros da sociedade gaúcha na atualidade. No cenário político que vivemos hoje no país, é essencial reforçar a diversidade cultural formadora do RS em suas diversas matrizes originárias, reconhecendo práticas e costumes de uma cultura que tem ampla abrangência na construção econômica, identitária e social do sul do Brasil”, afirma Richard Serraria, músico integrante do Alabê Ôni e coordenador geral do projeto.

O projeto também contribui para promover a música negra no estado, gerar reflexão e conhecimento e elevar a autoestima das comunidades negras e batuqueiras, promovendo o respeito à diversidade cultural e combatendo a discriminação, o racismo e o preconceito.
O Prêmio Afro é promovido pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos Neves – CADON, com apoio institucional da Fundação Cultural Palmares, instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC) / Governo Federal. A Petrobras é a patrocinadora do projeto, que conta, ainda, com o apoio do Coletivo Catarse e da Sete Sóis.

Mestre Borel
Mestre Borel, principal babalorixá do Batuque no RS, filho de uma nigeriana, carnavalesco, escritor e alabê da tradição, representa essa reconstrução identitária. Como pesquisador do Batuque conheceu diferentes e importantes terreiros de nação, umbanda e candomblé como da Mãe Menininha. Fluente em iorubá e tamboreiro desde criança, constituiu-se como o principal guardião da memória da Nação Oyó Idjexá. Foi reconhecido apenas na primeira década do século XXI e faleceu aos 103 anos. Um autêntico griô, memória que segue viva nos cantos de seu filho, Pingo Borel.

Alabê Ôni
Alabê Ôni é um grupo formado pelos músicos Pingo Borel, Mimmo Ferreira, Tuti Rodrigues e Richard Serraria, pesquisadores da percussão afro sul rio-grandense, que valoriza os tambores e manifestações de raiz africana do Rio Grande do Sul. O Batuque de Nação Oyó Idjexá é parte estruturante do Alabê Ôni, junto com o Maçambique e o Quicumbi (rituais afro católicos) e o Candombe (afro uruguaio).
Entre 2013 e 2014, o Alabê Ôni participou do projeto Sonora Brasil do SESC em 120 cidades em todo o país. Durante as viagens, o grupo pesquisou, reuniu entrevistas e registros de grupos populares em terreiros, quilombos, contadas e batuques, mostrando a herança cultural negra no Brasil. Como desdobramento dessa pesquisa, o Alabê produziu espetáculos e projetos como o Alabem brasileiro – uma reunião de diferentes manifestações populares negras de diferentes estados por onde o grupo passou nos últimos anos e o Alabem Gaúcho – projeto de resgate de cantos e tambores afrogaúchos.
O DVD Alabê Ôni, produzido pelo Coletivo Catarse, é usado pelo grupo como ferramenta na realização de palestras, aulas-show e oficinas. Distribuído a escolas municipais de Porto Alegre, bibliotecas e pontos de cultura, o DVD serve como material de apoio didático em sala de aula. O audiovisual também ganhou exibições em emissoras de televisão como a TVE e a TV Brasil.
O grupo é responsável também pelo documentário O Grande Tambor, produzido pelo Coletivo Catarse, que registra a importância do Sopapo – tambor de matriz africana próprio do RS – na cultura brasileira.
Em 2017, o grupo foi selecionado no edital nacional Prêmio Afro 2017 (CADON/Fundação Palmares/MINC).
Saiba mais: alabeoni.blogspot.com.br

Fonte: Adriana Martorano | jornalista

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA