Bienal do Mercosul terá grande evento de abertura antes do início da mostra

Dia 5 de abril, às 19h30, a Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul realiza uma celebração na Praça da Alfândega relativa à 11ª Bienal do Mercosul | O Triangulo Atlântico, que ocorre a partir de 6/4 no Museu de Arte do Rio Grande do Sul – MARGS, Memorial do Rio Grande do Sul e Santander Cultural.

Dirigido por Antônio Borges-Cunha, num palco localizado entre o Memorial e o MARGS, o programa oferece espetáculo musical com os artistas Vitor Ramil, Glau Barros, Angela Diehl, Thiago Colombo, Dudu Sperb, Anaadi, Jorginho do Trumpete e Olinda Alessandrini; uma apresentação do grupo “Máscara em Cena” com direção de Liane Venturella; intervenções teatrais com esquetes de alunos do Instituto de Artes da UFRGS coordenados por Patrícia Fagundes; leitura de textos clássicos por Zé Adão Barbosa e performance de dança contemporânea dirigida por Renata de Lélis.

Dia 6 de abril, as exposições abrem oficialmente para o público, com entrada franca e para todas as idades.

 

Agenda 11ª Bienal do Mercosul
> Dia 5 de abril, às 19h30 – Celebração ao ar livre na Praça da Alfândega, s/n – Centro Histórico, (palco entre o MARGS e Memorial do RS)
> Dia 6 de abril – Abertura das exposições para o público

11ª Bienal do Mercosul apresenta África, América e Europa em uma só história

Arjan Martins
Arjan Martins

O Triangulo Atlântico é o tema que narra a 11ª Bienal do Mercosul, que ocorre de 5 de abril até 3 de junho de 2018, em Porto Alegre e Pelotas, ambas cidades no Rio Grande do Sul. Com curadoria de Alfons Hug (Alemanha) e curadoria adjunta de Paula Borghi (Brasil), seis exposições apresentam 77 artistas, sendo 21 da África, 19 do Brasil, 20 da América Latina, onze da Europa e seis da América do Norte, divididos entre o Museu de Arte do Rio Grande do Sul – MARGS, Memorial do Rio Grande do Sul, Santander Cultural, Igreja das Dores, Comunidade Quilombola do Areal, em Porto Alegre, e na Casa 6, em Pelotas.

Trata-se de um convite para adentrar as águas atlânticas e as surpreendentes forças que as habitam para reconhecer que a história dos povos do Mercosul também tem uma importante contribuição do outro lado do oceano. Em sua 11ª edição, a Bienal do Mercosul lança um olhar sobre todo o espaço atlântico ou, mais precisamente, sobre aquele triângulo mágico que parece interligar o destino da América, África e Europa há mais de 500 anos.

O Triangulo Atlântico perpassa os movimentos de dispersão por meio da perspectiva contemporânea e multicultural. Pela força da poética em diálogo com a história, a exposição constrói uma linha de pensamento que aborda problemáticas relativas à miscigenação oceânica em encontro com as artes. Com olhar atento aos fluxos migratórios – sejam estes de natureza voluntária ou, em sua maioria, involuntária, se busca compreender a relação entre indivíduo e sociedade estabelecida a partir da travessia desse Atlântico, do comportamento humano e de sua organização. Sob a perspectiva cultural, a diáspora do Atlântico Negro levou a um intenso trânsito de religiões, idiomas, tecnologias e artes.

Como nos faz lembrar o curador chefe, Alfons Hug, “o estado do Rio Grande do Sul e, de forma geral, o sul do Brasil são considerados a “parte branca” do país devido à maciça imigração do século XIX, proveniente da Itália e da Alemanha, principalmente. Mas esquece-se que houve escravos no Rio Grande do Sul desde 1737, que eram utilizados principalmente no trabalho dentro das temidas charqueadas. De fato, no início do século XIX, a parcela de escravos na população era de 30%; portanto, estava acima do que se verificava no Rio de Janeiro ou Salvador. Como verdadeiros testemunhos da presença africana, existem até hoje 130 quilombos no Rio Grande do Sul, seis deles localizados na capital. Porto Alegre é uma cidade típica do Atlântico, e não apenas por terem os primeiros colonos vindo dos Açores, mas porque, ao longo de sua história, todas as características deste oceano estão ali refletidas de maneira exemplar”.

Assim, a diversidade cultural proveniente desta miscigenação oceânica é um fator crucial para compreensão desta triangulação que constitui as bases de formação da identidade brasileira, ou melhor, de muitos brasileiros.

Para o presidente da Fundação Bienal do Mercosul, Gilberto Schwartsmann, existem dois grandes desafios pela frente: “realizar uma Bienal do Mercosul que orgulhe por sua força estética, conteúdo artístico, capacidade de comover, instigar e fazer refletir e ajudar a despertar as pessoas para a beleza e para as grandes questões que importam à humanidade. Ao mesmo tempo, a construção desta mostra deve deixar claro que fatos culturais como este são essenciais para a vida das pessoas e não podem ter sua continuidade simplesmente extinta. Não podem ser produtos descartáveis, sem que haja uma forte resistência dos seres humanos sensíveis e que amam e valorizam arte e a cultura”.

CAMPOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO CURATORIAL

I – Quilombos no Rio Grande do Sul

Segundo o professor e colaborador da 11ª Bienal do Mercosul, José Rivair Macedo, “os organismos públicos do Governo Federal reconheciam em 2007 a existência de 35 quilombos no Rio Grande do Sul, enquanto representantes quilombolas indicam a existência de mais de 150 deles. De modo geral tais comunidades são ocupadas por famílias de descendentes de escravos no período de desagregação do sistema escravista. Destacam-se os quilombos de Morro Alto, São Miguel, Rincão dos Martimianos, o Quilombo dos Teixeiras e o Quilombo de Casca. Em Porto Alegre, há três importantes comunidades quilombolas urbanas: o Quilombo do Areal, na área histórica em que habitavam as populações de origem negra logo após a emancipação formal da escravidão, em 1888; o Quilombo dos Alpes e o Quilombo da Família Silva – situado numa das áreas urbanas mais valorizadas da cidade e objeto de grande pressão por parte dos interesses imobiliários até o presente”.
Para entender a importância das comunidades quilombolas remanescentes com o intuito de aproximá-las da mostra, os artistas Jaime Lauriano e Camila Soato são responsáveis por trabalhos específicos. O Paulistano Jaime Lauriano mergulha em comunidades quilombolas com características opostas no eixo Porto Alegre e Pelotas. Seu ponto de partida em Porto Alegre é a Família Silva, num bairro de alto padrão, e em Pelotas a Vó Elvira, na zona rural. Já a brasiliense Camila Soato realiza uma residência na Areal da Baronesa (POA), reconhecida por ser construída pela força de mulheres de geração para geração. Além de donas de casa, essas mulheres eram arrimo da família, em sua maioria lavadeiras. O resultado destas residências está retratado numa exposição individual de Jaime Lauriano na Casa 6 – administrada pela Secretaria de Cultura de Pelotas – e uma exposição coletiva organizada por Camila Soato com pinturas criadas em sua oficina com as moradoras do Areal, na sala principal da sede do Areal da Baronesa.

II- VOZES INDÍGENAS E NIGERIANAS

Na Igreja Nossa Senhora das Dores é apresentada uma instalação sonora com oito línguas da Nigéria e oito línguas indígenas da América Latina. Num primeiro momento, o visitante ouve o murmúrio indefinido e polifônico de várias vozes, num conjunto de sons que lembra uma oração coletiva. Mas quando ele se aproxima das caixas de som, os diversos idiomas impõem-se de forma clara. A redução radical da instalação ao elemento do som exige uma concentração intensa que permite abdicar de elementos visuais. O curador entende que com cada língua extinta, desaparece não só um legado linguístico valioso, mas também uma visão genuína de mundo e do meio ambiente.

Artistas Vozes Indígenas
Barbara Prezeau
Javier López & Erika Meza
José Huamán Turpo
Muu Blanco
Priscilla Monge
Rainer Krause
Sandra Monterroso
Sofía Medici & Laura Kalauz
Curadoria: Alfons Hug

Artistas Vozes Nigerianas
Adeola Olagunju
Ologeh Otuje Charles
Emeka Udemba
Halima Abubakar
Aigberadion Ikhazuangbe Israel
Jeremiah Ikongio
Ndidi Dike
Ralph Eluehike
Curadoria Vozes Nigerianas: Alfons Hug e Uche Okpa-Iroha

PROJETO EDITORIAL

Adad Hannah
Adad Hannah

A 11ª Bienal do Mercosul traz um projeto editorial que reúne o registro da exposição O Triangulo Atlântico, com imagens das obras e instalações nos sete espaços, registros da montagem e textos dos curadores Alfons Hug e Paula Borghi e dos convidados José Rivair Macedo e Simon Njami. O catálogo também oferece registros documentais sobre a produção artística de Jaime Lauriano e Camila Soato em suas respectivas residências realizadas durante a 11ª Bienal do Mercosul.
Coordenação Editorial: José Francisco Alves
Fotografia: Ding Musa
Design: Néktar

PROJETO EDUCATIVO

O Programa Educativo desta Bienal convida para prática de descolonização do conhecimento, por meio de uma escuta sensível de que o pensamento hegemônico precisa ser deslocado. Segundo a coordenadora pedagógica Bianca Bernardo, é com a educação que realizamos o exercício fundamental de pensar em como existir, a partir da percepção do nosso próprio lugar no mundo. As ações educativas vão ao encontro da proposta curatorial, que retoma a histórica triangulação que se estabeleceu entre os três continentes no período colonial – Europa, África e América – para debater as relações sociopolíticas e identitárias que se formaram. A filosofia do trabalho está ancorada no ver o Outro, num programa que se caracteriza por questionar o sentido de uma história universal, que reforça a importância de mapear e dialogar com diferentes perspectivas e narrativas locais e individuais.

Neste sentido, educar se torna uma convocação coletiva, na qual todos temos a responsabilidade de engajamento dos nossos desejos de transformação. O Programa Educativo oferece um espaço de convivência e reflexão crítica sobre as questões e as resistências constituídas ao longo de mais de 500 anos, além de Formação para Mediadores e Professores, agendamento de visitas com ônibus gratuito para instituições públicas, Programa Continuado para Escolas e Material Pedagógico, distribuído gratuitamente e disponibilizado online no site da Bienal.

Segundo Luiz Carlos Bohn, presidente do Sistema Fecomércio-RS/Sesc/Senac, “integrar a Bienal do Mercosul, este importante movimento das artes visuais, está alinhado com o propósito da instituição em promover ações culturais e educativas que fortalecem os vínculos com as comunidades onde atua, especialmente esta edição que discute as relações culturais, formativas e de identidade do Brasil”. O Sesc, presente em todo território nacional, vem ao longo de seus 72 anos atuando, dialogando e construindo uma história junto ao desenvolvimento da cultura brasileira, em suas mais diversas manifestações, marcada, pela diversidade e por seu caráter socioeducativo.

Coordenação Pedagógica: Bianca Bernardo
Co-coordenação: Andressa Cantergiani e Renata Sampaio
Design: Néktar
Realização: SESC Fecomércio – RS

LISTA DE ARTISTAS POR ESPAÇO EXPOSITIVO

MARGS
Arjan Martins
Randa Maroufi
Lunara
Leticia Lampert
Romy Pocztaruk
Juliana Stein
Gustavo Von Há
Vasco Araujo
J Pavel Herrera
Martin Craciun alterar para Alonso + Cracium
Leonce Raphael Agbodjelou
Melvin Edwards
Iris Buchholz Chocolate
Mónica Millán
Adad Hannah
Faig Ahmed
Martha Atienza
André Severo
Camila Soato
Leticia Ramos

SANTANDER CULTURAL
Pablo Rasgado
Ibrahim Mahama
Mary Evans
Youssef Limoud
Edward Burtynsky
Dalton Paula
Maxim Malhado
George Osodi
El Anatsui
Omar Diop
Mame-Diara Niang
Frank Thiel
Eric Van Hove
Viviane Sassen
Mark Dion
Alec Soth
Kemang Wa Lehulere
Miguel Rio Branco
Chris Larson

MEMORIAL
Vivian Caccuri
Héctor Zamora
Marco Montiel Soto
João Carlos Silva
Jaime Lauriano
Paulo Nimer Pjota
Anna Azevedo
Yuri Firmeza e Igor Vidor
Sonia Gomes
Luis Camnitzer + Gabo Camnitzer
Edinson Javier Quiñones
Mario Pfeifer e KOW
Andréas Lang
Zanele Muholi

IGREJA DAS DORES
Trabalho: Vozes Indígenas
Curadoria Alfons Hug e Uche Okpa-Iroha

AMÉRICA LATINA
Barbara Prézeau-Stephenson
Javier López & Erika Meza
José Huamán Turpo
Laura Kalauz & Sofia Medici
Muu Blanco
Priscilla Monge
Rainer Krause
Sandra Monterroso

NIGÉRIA
Adeola Olagunju
Aigberadion Ikhazuangbe Israel & Kayode Oluwa
Emeka Udemba
Halima Abubakar
Jeremiah Ikongio
Ndidi Dike
Ologeh Otuke Charles
Ralph Eluehike

AREAL DA BARONESA
Residência Camila Soato

AREAL DA FAMÍLIA SILVA E VÓ ELVIRA
Residência Jaime Lauriano

PRAÇA DA ALFÂNDEGA
Mark Formanek

Locais:

Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS)
Rua Sete de Setembro, n° 1010 – Praça da Alfândega – Centro Histórico, Porto Alegre, RS
Horário de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 9h às 19h

Memorial do Rio Grande do Sul
Rua Sete de Setembro, 1020 – Praça da Alfândega – Centro Histórico, Porto Alegre, RS
Horário de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 9h às 19h

Santander Cultural
Rua Sete de Setembro, 1028 – Praça da Alfândega – Centro Histórico, Porto Alegre, RS. Horário de funcionamento: terça-feira a sexta das 9h às 19h, sábado das 10h às 19h, domingos das 13h às 19h, não abre feriados

Igreja Nossa Senhora das Dores
Rua dos Andradas, 587 – Centro Histórico, Porto Alegre, RS
Horário de funcionamento: de terça-feira a sábado, das 10h às 17h (exceto 05/05). Domingo das 13h às 17h (exceto 08/04)

Quilombo do Areal
Avenida Luiz Guaranha, 2 – Bairro Menino Deus, Porto Alegre, RS
Horário de funcionamento: das 09h às 18h

Casa 6
Praça Coronel Pedro Osorio, nº 6, Centro Histórico, Pelotas, RS
Horário de funcionamento: de segunda-feira a sexta-feira das 08h às 18h30

Financiamento: Ministério da Cultura e Secretaria da Cultura, Turismo, Esporte e Lazer
Patrocínio master: Santander
Patrocínio: Oleoplan

Apoios: Lebes, Renner, Zaffari, Pompéia, Josapar, Unimed, Unicred, Agibank, Banrisul, Panvel, Icatu, Dufrio e SLC.
Apoios institucionais: Prefeitura de Pelotas, Aliança Francesa, MARGS, Memorial RS, Igreja Nossa Senhora das Dores e Museu Hipólito José da Costa

Fonte: Carolina Zogbi e Otto Herok Netto

Artista gaúcha é uma das convidadas como ilustradora da Amazon para a Bienal do Livro

Melissa Westphal, natural de São Lourenço do Sul, está entre oito artistas nacionais convidados pela Amazon para ilustrar materiais para a Bienal do Livro do Rio de Janeiro em 2017.

O convite surgiu através de um contato da Amazon por mensagem na conta do Instagram do estúdio da artista, o manifestocuticuti, que já conta com mais de 25 mil seguidores.

BoxyNão foi um simples convite de participação, foi uma proposta de trabalho, um importante reconhecimento a toda produção que Melissa vem realizando. E a artista viajou até São Paulo para ilustrar com seus traços o “Boxy”, um dos personagem da Amazon em tamanho real (1,80cm por 1,20cm) em evento especial realizado no último dia 15 de agosto.

Ao total serão oito artistas para essa ação. Seis ilustradores foram até São Paulo ilustrar seu “Boxy” em um evento aberto ao público. Outros dois Boxys serão ilustrados diretamente no Rio de Janeiro (um deles vai ser durante a própria Bienal).

Melissa atualmente mora em São Lourenço do Sul, mas já está acostumada em viajar até Porto Alegre e para fora do RS a trabalho, principalmente para atender clientes do Rio de Janeiro e São Paulo. A artista revela que a ilustração do “Boxy” não será sua única participação nesta Bienal, mas que não pode revelar as surpresas guardadas pela Amazon.

Melissa Westphal
A jovem artista tem 26 anos, formada em Comunicação Visual pelo Instituto Federal Sul-rio-grandense e Design Gráfico pela Universidade Federal de Pelotas/RS. Trabalha como designer e ilustradora freelancer e se considera acima de tudo uma artista que sente a necessidade de trazer um pouco mais de cor e fofura pra esse mundo caótico em que vivemos.

Boxy ainda não finalizado, tem que ir pra bienal ver ele prontinho! Foto: Melissa Westphal
Boxy ainda não finalizado, tem que ir pra bienal ver ele prontinho! Foto: Melissa Westphal

Manifesto Cuticuti
O Manifesto Cuticuti surgiu em 2011, através de um trabalho de arte urbana – enquanto Melissa cursava a faculdade de Artes Visuais na Universidade Federal de Pelotas – RS. A ideia era colar cartazes lambe-lambe com mensagens/ilustrações positivas pelas ruas e cidades que a artista percorria.

No decorrer dos anos a artista, o Manifesto e seu traço evoluíram e em 2015 Melissa resolveu assumir toda sua produção artística e nomear ela como Manifesto Cuticuti. Com intenção de desenvolver um projeto/discurso/manifesto que defende princípios que ela mesma julga íntegros e essenciais na sociedade em que vivemos.

Já em 2016, o projeto que surgiu de maneira espontânea e despretensiosa, se tornou a profissão e atualmente o Manifesto Cuticuti é um Estúdio Autoral de Ilustração e Design que tem como objetivo – através da ilustração – tornar o mundo um lugar mais cuticuti.

“O projeto surge para levar um pouco mais de cuti-cutice e felicidade para o cotidiano das pessoas, seja no lambe-lambe que elas encontram na rua, no produto ilustrado que elas adquirem ou em alguma publicação nas redes sociais.” define a ilustradora.

Acesse:
www.instagram.com/manifestocuticuti
www.instagram.com/melissa_westphal

Bienal do Mercosul realiza seminário internacional em Porto Alegre

“Lugares de Memória no Triângulo do Atlântico” acontece na faculdade de comunicação da UFRGS e com entrada franca.

Você sabe quais são os lugares de memória das culturas de matriz africana que vieram para a América do Sul no período do tráfico de escravos? São museus, monumentos, sítios arqueológicos, além de tradições orais, festas e rituais.

A 11ª Bienal do Mercosul traz, mais uma vez, estas questões, e agora em um evento que conta com presenças de especialistas no assunto! De Moçambique: Severino Ngoenha; do Senegal: Malick Kane; do Uruguai: Oscar Montaño e do Brasil: José Rivair Macedo, Iosvaldyr Carvalho Bittencourt Jr., Milton Guran, Luis Cláudio Symanski, Rafael Sanzio Araújo dos Anjos.

Serão abordados aspectos históricos, geográficos, antropológicos, culturais e filosóficos das relações entre o Brasil e a África. Nas idas e vindas dos navios negreiros: as ideias, tradições, conhecimentos, estilos culturais e sistemas de valores europeus, africanos e americanos. As relações estabelecidas da maior migração forçada da história e a reconstrução de suas identidades e história, a partir de um duplo processo de desterritorialização: o primeiro, em relação aos lugares de origem no continente africano; e o segundo, na privação do direito de ir e vir, condição imposta pelo cativeiro na América. Nesta condição que os africanos e seus descendentes recriaram suas referências sócio-culturais, identificando na África uma matriz com sentidos novos à sua existência, e formas de resistir diante da profunda opressão. O objetivo deste evento é reunir especialistas que se dedicam ao estudo dos lugares de memória (museus, monumentos, sítios arqueológicos, tradição oral, festas e rituais) deste Atlântico Negro, com ênfase no fluxo e refluxo entre o Brasil e a África.

No cronograma estão palestras, conferências, lançamento de livros, e projeções de documentário. As atividades são abertas ao público, e é necessária a inscrição de quem desejar certificado de participação. O evento tem realização da Fundação Bienal, UFRGS (Departamento de Educação e Desenvolvimento Social – DEDS) e Santander Cultural. Apoios: Lojas Renner, Instituto Unimed e Lojas Pompéia. Não fique de fora! O triângulo do Atlântico somos todos nós!

Confira a programação completa:

24 de agosto
-> TARDE
14h: Apresentação geral do evento (José Rivair Macedo)
14h30: Sessão de Abertura
15h: José Rivair Macedo: “A primeira embaixada africana ao Brasil (Salvador, 1750)”
16h30: Projeção do documentário Atlântico negro: na rota dos Orixás, de Renato Barbieri (1998), com comentários de Milton Guran
19h: Malick Kane (Senegal) – “Transatlanticidade: sobre o AfricanBurial Ground New York e o projeto do Mémorial de Gorée no Senegal”

DIA 25/08/2017
-> MANHÃ
10h: Milton Guran:“Cais do Valongo: passado, presente e futuro”
11h: Luis Cláudio Symanski: “Diversidade Material e Cosmologias: um estudo comparativo de senzalas do Sudeste e Centro-oeste do Brasil
12h: Intervalo para almoço
-> TARDE
14h: Rafael Sanzio Araújo dos Anjos: “Os quilombos e o Brasil africano visível-invisível”
15h: Iosvaldyr Carvalho Bittencourt Jr: “Diáspora africana: maçambique de Osório, memória, ressignificação cultural e política quilombola”
16h: Oscar Montaño (Uruguay): “Batuque de Candombe. Sala de Nación como espacio de Resistencia”
17h: Lançamento de livros
17h30: Projeção do documentário A tradição do Bará do Mercado, dirigido por Ana Luiza Carvalho da Rocha (2008) – com comentários de Ana Luiza Carvalho da Rocha e Iosvaldyr Carvalho Bittencourt Jr.
->NOITE
19h30: Conferência de encerramento – Severino Elias Ngoenha (Moçambique): “Ubuntu, um desafio africano para o mundo”.

“Lugares de Memória no Triângulo do Atlântico”
Quando? 24 e 25 de agosto de 2017
Onde? Auditório 1 da Faculdade Biblioteconomia e Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Inscrições? para quem quiser certificado basta chegar no dia 24 às 13h30 no local do evento.
ENTRADA GRATUITA

Fonte: Otto Herok Netto

10ª Bienal do Mercosul Mensagens de Uma Nova América altera data de abertura

Próxima edição da mostra ocorrerá de 23 de outubro a 6 de dezembro.

A 10ª Bienal do Mercosul Mensagens de Uma Nova América alterou a data de abertura da mostra e redefiniu seu período expositivo de 23 de outubro a 6 de dezembro de 2015. A alteração ocorreu devido à logística de importação das obras de arte. Segundo o Curador-Chefe Gaudêncio Fidelis, um exemplo que justifica a necessidade de alterar a abertura da mostra é a dificuldade em relação ao transporte de obras de países que possuem pouca oferta de rotas aéreas e de aeronaves de transporte, envolvendo um trânsito complexo que incide diretamente sobre o tempo para que as obras cheguem à Porto Alegre. Além disso, há alguns com mais dificuldades de movimentação de patrimônio como o México, Bolívia, Equador e Guatemala. “Optamos pela alteração por uma questão de necessidade e coerência, pois caso mantivéssemos a primeira data teríamos que abrir mão de obras de grande significado artístico, cultural e histórico para a proposta da 10ª Bienal do Mercosul”. O período expositivo desta edição da Bienal não sofreu redução e seguirá com 45 dias.

10ª Bienal do Mercosul
A 10ª Bienal do Mercosul Mensagens de Uma Nova América traz a Porto Alegre cerca de 700 obras de 402 artistas de 21 países que irão integrar as sete mostras desta edição. A equipe curatorial é formada pelo Curador-chefe Gaudêncio Fidelis (Brasil), o Curador-adjunto Márcio Tavares (Brasil), pelos Curadores-assistentes Ana Zavadil (Brasil), Fernando Davis (Argentina), Raphael Fonseca (Brasil), Ramón Castillo Inostroza (Chile) e pelo Dialogante – Curador do Programa Educativo Cristián G. Gallegos (Chile). A exposição, cuja proposta é retomar uma das vocações históricas da Bienal do Mercosul, exibindo exclusivamente a produção artística dos países da América Latina, irá ocupar o seguintes espaços da Capital: Centro Cultural CEEE Erico Verissimo, Instituto Ling, Memorial do Rio Grande do Sul, Museu de Arte do Rio Grande do Sul Ado Malagoli – MARGS, Santander Cultural e Usina do Gasômetro.

Fonte: Ariela Dedigo