5 dicas de livros escritos por mulheres negras via Paulo Sergio Gonçalves

mulheres negras

Doutorando em Literaturas Africanas, Paulo Sergio Gonçalves indica obras em homenagem ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha (25 de julho).

A data simboliza a luta e a resistência contra o racismo e o sexismo vivido até hoje, por vezes de forma brutal e mortal, por muitas mulheres. Porém, a luta e a resistência se dão de várias formas, entre elas, o enaltecimento e fortalecimento das vozes destas mulheres, que por tanto tempo foram caladas.

Por isso, em homenagem à data, o Doutorando em Literaturas Africanas e coordenador do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas da Estácio-RS, Paulo Sergio Gonçalves indica cinco livros escritos por mulheres negras para incluir nas leituras.

1 – A dolorosa raiz do Micondó – Conceição Lima

Conceição Lima, natural de São Tomé e Príncipe, traz em seu sujeito poético, a voz de convocação e compromisso, talvez por um legado de suas antecessoras no combate contra o colonialismo português em seu país e em Angola, Guiné Bissau, Moçambique e Cabo Verde. “Embora seja o Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha, porque não indicarmos um livro de poesias de uma mulher negra africana que nos inspira a levantarmos nossas vozes diante de aparatos sociais pré-determinados e com resquícios de colonialismo? Assim é a voz poética de Conceição Lima em seu livro”, contempla o docente.

2 – Poetas Negras Brasileiras – uma antologia – org. Jarid Arraes

Nesta obra brasileira, podemos navegar pela poesia contemporânea, nascida de vozes femininas negras. O livro apresenta poesias de diversas mulheres e a obra foi organizada pela escritora e pesquisadora negra Jarid Arraes. “Por se tratar de uma coletânea de poetas negras, podemos mergulhar no universo de significações e de apreensões da mulher negra brasileira e suas vivências retratadas e cantadas pelos sujeitos poéticos”, comenta Gonçalves.

3 – O livro do avesso – o pensamento de Edite – Elisa Lucinda

Elisa Lucinda é uma poeta, atriz e cantora brasileira. A obra trata-se de uma deliciosa prosa poética onde a personagem Edite narra sua trajetória feminina, suas paixões, seus desencontros, afetos e amizades por meio de uma narrativa envolvente em um fluxo de pensamentos contínuo. “Uma obra intimista que leva o leitor a um ambiente de escuta e de aprendizado. Imperdível”, aconselha o pesquisador.

4 – Kuami – Cidinha da Silva

Cidinha da Silva é uma escritora e historiadora brasileira, que possui vasto acervo de obras, passando por contos, poesia, crônicas, entre outros estilos. Neste romance infanto-juvenil, a personagem central da trama é um elefante que, para libertar sua mãe das garras de traficantes de marfim, se une à sereia Janaína. “O enredo envolvente, com personagens marcantes, traz, nas suas entrelinhas, uma forte crítica ao agronegócio, à violência contra os animais e, principalmente, com um pano de fundo muito significativo em relação a resistência e ao afeto. Todas as obras de Cidinha da Silva são imperdíveis”, analisa o professor.

5 – Eu, Tituba: Bruxa Negra de Salem – Maryze Condé

Maryze Condé é uma escritora caribenha, muito reconhecida e premiada. Neste romance, a autora traz à tona a história de Tituba, uma mulher negra que nasceu em Barbados no século XVII e presenciou, ainda muito jovem, sua mãe ser assassinada por um estuprador branco. Tituba também foi uma das primeiras mulheres a serem julgadas por bruxaria em Salem no ano de 1692. “Na obra, a autora, de certa forma, dá voz à Tituba, que foi silenciada pela história branca que contou sobre sua vida. É uma história de mulheres negras da diáspora, uma história de resistência. Inaceitável não ler esta obra”, conclui.

Leia também: Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha

Sobre a Estácio

A Estácio é uma das maiores marcas do ensino superior brasileiro e, há mais de 50 anos, enriquece a sua história ao possibilitar o acesso democratizado ao ensino de qualidade e promover a transformação individual e social de seus alunos. Pioneira e um dos maiores players no digital, a instituição desenvolveu um modelo moderno que promove um melhor aproveitamento para os estudantes em aulas dinâmicas em uma plataforma de ensino 100% Digital, com conteúdos que podem ser acessados de qualquer dispositivo, on e offline, garantindo maior mobilidade, com acesso ilimitado.

Presente no Rio Grande do Sul, no Centro Histórico de Porto Alegre (Rua Marechal Floriano Peixoto, 626), e em 24 estados e no Distrito Federal, por meio do ensino presencial, e em todo o Brasil com o ensino digital, contando com mais de 700 mil alunos matriculados, a Estácio oferece cursos de graduação em diferentes formatos de ensino, pós-graduação e cursos de extensão. Aposta na tecnologia e na inovação como diferenciais para aprimorar o aprendizado, e seus currículos são alinhados às necessidades do mercado de trabalho. A busca constante pela qualidade acadêmica e os investimentos na área de ensino geraram ótimos resultados nos últimos anos – suas instituições e cursos e são reconhecidos pelo MEC com elevados conceitos de qualidade.

Além de seu natural poder de transformação, pela entrega à sociedade de milhares de profissionais formados todos os anos, a Estácio tem uma atuação distintiva de diálogo, suporte e promoção das comunidades em que se insere. Com amplo envolvimento dos alunos e docentes, ações como atendimentos gratuitos, palestras e seminários, mutirões e ações de mobilização, a Estácio Porto Alegre beneficia milhares de pessoas. A Instituição possui também um dos mais sólidos e atuantes Programas de Responsabilidade Social do País, e apoia diversos projetos por ano nas áreas de educação, cultura, esporte e cidadania.

Leia também: Black Brazil Art abre inscrições para Residência Artística Virtual Compartilhada

Sobre Deco Rodrigues 6777 Artigos
Jornaleiro do Metaverso, Editor, gestor de conteúdo, pretenso escritor, autor estreante com o romance Três contra Todos.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será publicado.


*